Atuação do psicológo no hospital geral com pacientes de tentativa de suicídio: estudo fenomenológico

Anna Karynne Melo, Christina César Praça Brasil, Ivina Alencar de Fiqueiredo, Maisse Leoncio Catunda, Sarenne Pacheco Barbosa Carioca

Resumo


Objetivo: Identificar a importância que os psicólogos atribuem à sua atuação em um hospital geral junto a pacientes com tentativas de suicídio. Métodos: Trata-se de uma pesquisa qualitativa de cunho fenomenológico, em que foram realizadas entrevistas a partir de uma pergunta disparadora, com o intuito de reconhecer como se dá a prática desse profissional com esse perfil de paciente. Resultados: Um dos dados obtidos reflete a importância da inserção do profissional de psicologia no hospital geral, pois ele é capaz de atuar em um meio multidisciplinar de modo a trazer reflexões para os outros profissionais e de promover uma escuta atenta, uma postura empática e compreensiva com um paciente que agiu contra a própria vida. Além disso, foi possibilitada reflexão acerca do papel do psicólogo no processo de humanização dentro do ambiente hospitalar. Conclusão: A atuação do psicólogo hospitalar com a tríade paciente - família - equipe é essencial no processo de humanização, sendo esse profissional quem vai intermediar essa relação.

Palavras-chave


Suicídio; Atuação (Psicologia); Pesquisa Qualitativa

Texto completo:

PDF/A

Referências


Organização Mundial da Saúde. Departamento de saúde mental e abuso de substâncias. Prevenção de suicídio: um recurso para conselheiros [Internet]. Genebra: OMS; 2006. [acesso em 2018 Ago 05]. Disponível em: http://www.who.int/mental_health/media/counsellors_portuguese.pdf

Departamento de Informática do SUS - Datasus. Óbitos por causas externas - Brasil [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [acesso em 2018 Ago 05]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/cnv/ext10br.def

Moreira RMM, Félix TA, Flôr SMC, Oliveira EN, Albuquerque JHM. Análise epidemiológica dos óbitos por suicídio. Sanare (Sobral). 2017;16(Supl 1):29-34.

Botega NJ. Crise suicida: avaliação e manejo. Porto Alegre: Artmed; 2015.

Ribeiro JF, Mascarenhas TB, Araújo ACBS, Coelho DMM, Pedra Branca SB, Coelho DMM. Perfil sociodemográfico da mortalidade por suicídio. Rev Enferm UFPE. 2018;12(1):44-50.

Botega NJ. Comportamento suicida: epidemiologia. Psicol USP. 2014;25(3):231-6.

Gondim DSM. A intervenção da psicologia: tentativas de suicídio e urgência hospitalar. Rev Científica FMC. 2015;10(2):12-6.

Moreira V. O método fenomenológico de Merleau-Ponty como ferramenta crítica em psicopatologia. Psicol Reflex Crít. 2004;17(3):447-56.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento. São Paulo: Hucitec; 2014.

Siani SR, Correa DA, Las Casas AL. Fenomenologia, método fenomenológico e pesquisa empírica: o instigante universo da construção de conhecimento esquadrinhada na experiência de vida. Rev Adm UNIMEP. 2016;14(1):193-219.

Amatuzzi MM. Pesquisa fenomenológica em Psicologia. In: Holanda AF, Bruns MAT, organizadores. Psicologia e fenomenologia: reflexões e perspectivas. Campinas: Alínea; 2000. p. 16-7.

Rocha MAS, Boris GDJB, Moreira V. A experiência suicida numa perspectiva humanista-fenomenológica. Rev Abordagem Gestál. 2012;18(1):69-78.

Bahia CA, Avanci JQ, Pinto LW, Minayo MCS. Lesão autoprovocada em todos os ciclos da vida: perfil das vítimas em serviços de urgência e emergência de capitais do Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(9):2841-50.

Bastos RL. Suicídios, psicologia e vínculos: uma leitura psicossocial. Psicol USP. 2009;20(1):67-92.

Moreira DL, Martins MC, Gubert FA, Sousa FSP. Perfil de pacientes atendidos por tentativa de suicídio em um centro de assistência toxicológica. Ciênc Enferm. 2015;21(2):63-75.

Vieira LP, Santana VTP, Suchara EA. Caracterização de tentativas de suicídios por substâncias exógenas. Cad Saúde Colet (Rio de J). 2015;23(2):118-23.

Fukumitsu KO. O psicoterapeuta diante do comportamento suicida. Psicol USP. 2014;25(3):270-5.

Andreoli PBA, Caiuby AVS, Lacerda SS. Psicologia hospitalar. Barueri: Manole; 2013. (Manuais de especialização Einstein).

Jaramillo-Moreno RA. Resiliencia familiar, comprensión, campos de aplicación, aportes y desafios. Diversitas Perspectiv Psicol. 2017;13(2):255-66.

Silva MVS, Miranda GBN, Andrade MA. Sentidos atribuídos à integralidade: entre o que é preconizado e vivido na equipe multidisciplinar. Interface Comun Saúde Educ. 2017;21(62):589-99.

Fukumitsu KO, Kovács MJ. Especificidades sobre processo de luto frente ao suicídio. Psico (Porto Alegre). 2016;47(1):3-12.

Aguiar MSV, Cavalcante LA, Ramos IWS, Holanda TCM. A atuação do psicólogo hospitalar no atendimento a pacientes com doenças cardiovasculares: revisão de literatura. Div Práticas Psicologia. 2018;1(1):65-70.

Cobb S. Social Support as a moderator of life stress. Psychosom Med. 1976;38(5):300-314.

Cassorla RMS. O impacto dos atos suicidas no médico e na equipe de saúde. In: Cassorla RMS, organizador. Do suicídio: estudos brasileiros. Campinas: Papirus; 1991. p. 149-65.

Vidal CEL, Gontijo ED. Tentativas de suicídio e o acolhimento nos serviços de urgência: a percepção de quem tenta. Cad Saúde Colet (Rio de J). 2013;21(2):108-14.

Azevêdo AVS, Crepaldi MA. A psicologia no hospital geral: aspectos históricos, conceituais e práticos. Estud Psicol (Campinas). 2016;33(4):573-85.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.8752

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia