Determinantes sociais da saúde: o instituído constitucional no Sistema Único de Saúde

Kelen Gomes Ribeiro, Jaina Bezerra de Aguiar, Luiz Odorico Monteiro de Andrade

Resumo


Objetivo: Compreender a relação entre o instituído constitucional sobre os determinantes sociais da saúde e a vivência urbana num território em situação de vulnerabilidade social.Métodos: Baseou-se na abordagem qualitativa, com utilização de grupo focal e de entrevista semi estruturada, aplicados a 45 participantes. Realizou-se análise de conteúdo, o que possibilitou a categorização dos dados a partir da técnica de análise temática.Resultados: Os resultados mostraram a vivência no território com insuficiência na oferta de serviços que determinam a saúde da população, apontando para desafios marcantes como a baixa cobertura na Atenção Primária à Saúde e a violência urbana. A busca por qualidade da assistência no Sistema Único de Saúde apresentou-se como estratégia de resistência. Apontou-se para a necessidade de valorização do território como lócus de cuidado das pessoas, com ações intersetoriais que visem promover a saúde da população. Conclusão: Reconhecem-se especificidades dos determinantes sociais na saúde de populações que apresentam condições de vida permeadas por iniquidades e expõem-se subsídios para elaborar medidas que contribuam para superação desses quadros, de forma a gerar equidade social.

Palavras-chave


Determinantes Sociais da Saúde; Sistema Único de Saúde; Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Paim JS. Reforma Sanitária Brasileira: contribuição para a compreensão crítica. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008.

Machado MFAS, Monteiro EMLM, Queiroz DT, Vieira NFC, Barroso MGT. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Ciênc Saúde Colet. 2007;12(2):335-42.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. São Paulo: Saraiva; 1988.

Noronha JC. Cobertura universal de saúde: como misturar conceitos, confundir objetivos, abandonar princípios. Cad Saúde Pública. 2013;29(5):847-49.

Rodin J, Ferranti D. Universal health coverage: the third global health transition? Lancet. 2012;380(9845):861-2.

Dahlgren G, Whitehead M. Policies and strategies to promote social equity in health. Stockholm: Institute of Futures Studies; 1991.

Dahlgren G, Whitehead M. Policies and strategies to promote social equity in health. 2a. ed. Background document to WHO – Strategy paper for Europe. Stockholm: Institute of Futures Studies; 2007.

Carvalho AI, Buss PM. Determinantes sociais na saúde, na doença e na intervenção. In: Giovanella L. Políticas e sistema de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2012.

World Health Organization. Commission on Social Determinants of Health (CSDH). A conceptual framework for action on social determinants of health [Internet]. 2007; [acesso em 2018 Fev 10]. Disponível em: www.who.int/social_determinants/resources/latest_publications/en/index.html.

Organização Mundial de Saúde. Declaração Politica do Rio de Janeiro sobre Determinantes Sociais da Saúde [Internet]. 2011; [acesso 2015 Dez 15]. Disponível em: http://www.who.int/sdhconference/declaration/Rio_political_declaration_portuguese.pdf.

Organização das Nações Unidas. El futuro que queremos. Resolución aprobada por la Asamblea General el 27 de julio de 2012 [Internet]. 2012; [acesso 2018 Fev 09]. Disponível em: http://daccess-dds ny.un.org/doc/UNDOC/GEN/N11/476/13/PDF/N1147613.pdf?OpenElement

Andrade LO, Pelegrini A Filho, Solar O, Rígoli F, Salazar LM, Serrate PC; et al. Social determinants of health, universal health coverage, and sustainable development: case studies from Latin American countries. Lancet. 2014;385(9975):1343-51.

Andrade LOM, Barreto ICHC, Ribeiro KG, Uchoa AAC. A Estratégia saúde da família e o SUS. In: Rouquayrol MZ, Gurgel M, organizadores. Epidemiologia & Saúde. Rio de Janeiro: Medbook; 2018.

Ribeiro KG, Barreto ICHC, Aguiar JB, Andrade LOM. Determinantes sociais da saúde. In: Rouquayrol MZ, Gurgel M, organizadores. Epidemiologia & Saúde. Rio de Janeiro: Medbook; 2018.

Ribeiro KG. Os Determinantes sociais da saúde no Grande Bom Jardim – Fortaleza (CE) [tese]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2015.

Carlos CAF. Invenções Democráticas pela Periferia: a rede de desenvolvimento local, integrado e sustentável do GBJ [dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2014.

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Informe 44: perfil municipal de Fortaleza. Fortaleza: IPECE; 2012.

Bardin L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2014.

Buss PM, Pellegrini A Filho, Espiridião MA. Promoção da saúde e seus fundamentos: determinantes sociais de saúde, ação intersetorial e políticas públicas saudáveis. In: Paim JS, Almeida N Filho, organizadores. Saúde coletiva: teoria e prática. Rio de Janeiro: MedBook; 2014. p. 305-26.

Pinto AGA, Jorge MSB, Marinho MNASB, Vidal ECF, Aquino PS, Vidal ECF. Experiences in the family health strategy: demands and vulnerabilities in the territory. Rev Bras Enferm. 2017;70(5):920-7.

Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010 [Internet]. [acesso em 2018 Fev 08]. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/cd/cd2010rpu.asp?o=6&i=P

Fortaleza. Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal de Saúde. Unidade de Saúde V (SMS). Postos. Regional I, II, III, IV, V, VI. 2015; [acesso em 2015 Mar 08]. Disponível em: http://www.fortaleza.ce.gov.br/sms/regional.

Cordeiro R, Luz VG, Hennington EA, Martins ACA, Tófoli LF. A violência urbana é a maior causa de acidente de trabalho fatal no Brasil. Rev Saúde Pública. 2017;51:123.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília. 2017.

Almeida PF, Giovanella L, Mendonça MHM, Escorel S. Desafios à coordenação dos cuidados em saúde: estratégias de integração entre níveis assistenciais em grandes centros urbanos. Cad Saúde Pública. 2010;26(2):286-98.

Farias QLT, Rocha SP, Cavalcante ASP, Diniz JL, Ponte OA Neto, Vasconcelos MIO. Implicações das tecnologias de informação e comunicação no processo de educação permanente em saúde. RECIIS. 2017;11(4):1-11.

Rede de Desenvolvimento Sustentável do Grande Bom Jardim. Comissão de Segurança Humana. Informe local de violação aos direitos humanos: o direito à saúde no Grande Bom Jardim. Fortaleza: Centro Herbert de Souza, Escola Popular de Educação em Direitos Humanos; 2013.

Fortaleza. Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal de Saúde. Relatório de Gestão do ano de 2008 da Secretaria Municipal de Fortaleza: saúde, qualidade de vida e a ética do cuidado. Fortaleza: SMS; 2009.

Rodrigues MP, Melo RHV, Vilar RLA, Silva GSN, Silva AB. Ressignificando o trabalho na estratégia saúde da família: desafios para a integralidade do cuidado em saúde. Revista Brasileira de Inovação Tecnológica em Saúde. 2017;7(2):32-44.

Brasil. Ministério da Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização Humaniza SUS. Acolhimento com avaliação e classificação de risco: um paradigma ético-estético no fazer em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Brasil. Lei 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília. 2013.

Scheffer M. Programa Mais Médicos: em busca de respostas satisfatórias. Interface Comun Saúde Educ. 2015;19(54):637-40.

Martins ACP, Sant’anna PA, Rocha JFD, Vieira MA. Mais médicos: uma revisão integrativa. Rev Bras Promoç Saúde. 2017;30(4):1-14.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.8778

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia