Sistemas de saúde, cooperação horizontal e o programa Mais Médicos no Brasil

Juliana Braga de Paula, Marcia Faria Westphal

Resumo


Objetivo: Analisar a Cooperação Brasil Cuba no Programa Mais Médicos (PMM) e seus efeitos para o trabalho médico. Métodos: Como parte do suplemento que discute os Sistemas Universais de Saúde, apresentar a experiência brasileira de provimento de médicos, o desenho da cooperação internacional e as implicações para um sistema de saúde em construção. Para analisar o programa, adota-se a abordagem do Ciclo de Políticas (Howlett e Ramesh(1) e Bowe e Ball(2)) - entrevistas com atores chaves, análise documental e estudo de caso do PMM de duas cidades do Estado do Ceará. Resultados: Na dimensão macropolítica, as entrevistas mostram a prática e a educação médica voltadas para a atenção especializada, orientadas pelo mercado, com um uso exagerado de tecnologias de alta densidade, comparadas aos médicos cubanos. Os médicos cubanos trazem nova perspectiva para os profissionais de saúde na forma de construir vínculos com usuários e na maneira de lidar com a pobreza e a iniquidade. Conclusão: Na dimensão micropolítica, ambos, brasileiros e cubanos, beneficiam-se de estratégias de educação permanente e compartilhamento de estratégias no planejamento local.

Palavras-chave


Saúde Pública; Política de Saúde; Sistemas de Saúde.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Howlett M, Ramesh M. Policy Science and Policy Cicles. In: Howlett M, Ramesh M. Studying public policy: policy cicles and subsystems. Oxford: Oxford University Press; 2003. p. 2-19.

Bowe R, Ball SJ, Gold A. Reforming education and changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge; 1992.

Buss PM, Pellegrini A Filho. A saúde e seus determinantes sociais. Physis [Internet]. 2007 [acesso em 2017 Set 11];17(1):77-93. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010373312007000100006&lng=en&nrm=iso.

Temporão JG. Para onde vai o SUS?. In: Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. CONASS Debate: caminhos da saúde no Brasil. Brasília: CONASS; 2014.

Dal Poz MR. A crise da força de trabalho em saúde. Cad Saúde Pública. 2013;29(10):1924-6.

Buss PM, Ferreira JR. Ensaio crítico sobre a cooperação internacional em saúde. Reciis. 2010;4(1):95-105.

World Health Organization. A universal truth: no health without workforce [Internet]. 2014 [acesso em 2015 Abr 22]. Disponível em: http://www.who.int/workforcealliance/knowledge/resources/hrhreport_summary_En_web.pdf.

Brasil. Lei n. 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera a lei nº 8.745 de 9 de dezembro de 1993 e nº 6.932 de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília. 2013.

Kingdon JW. Agendas, Alternatives and Public Policies. 2a ed. Boston: Longman; 2011.

Ball SJ. Politics and Policy-making in Education: explorations in policy sociology. London: Routledge; 1990.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução CNS n. 466, de 12 de dezembro de 2012, nos termos do Decreto de Delegação de Competência de 12 de novembro de 1991. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília. 2012.

Campos GWS. A clínica do sujeito: por uma clínica reformulada e ampliada. In: Campos GWS, organizador. Saúde Paidéia. São Paulo: Hucitec; 2003. p. 51-67.

Tesser CD. Medicalização social (II): limites biomédicos e propostas para a clínica na atenção básica. Interface [Internet]. 2006. [acesso em 2018 Set 07];10(20):347-62. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832006000200006&lng=en

Nicolau Girardi S, Leite Carvalho C, Pierantoni CR, de Oliveira Costa J, de Sousa van Stralen AC, Viana Lauar T; et al. Avaliação do escopo de prática de médicos participantes do Programa Mais Médicos e fatores associados. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(9):2739-48.

Costa SSG. Revisitando três proposições sobre formação e invenção. In: Rocha T. Graduações em dança no Brasil. O que será que será? Seminário de Dança. 9a ed. Joinville: Nova Letra; 2016.

Correia MOG. Por uma crítica imanente sobre os limites das políticas públicas de direitos sociais e o Estado na produção do bem comum no modo de produção capitalista. Saude Soc.[Internet]. 2015. [acesso em 2018 Ago 02]; 24(Suppl 1):55-65. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902015000500055&lng=en




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.8780

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia