Oficinas de cuidado: um relato de experiência com os trabalhadores da saúde da família

Luana Fagundes Galiski, Carlos Alberto Severo Garcia Júnior, Letícia Blasius da Cunha, Thais Bolognini, Vinicius Campos

Resumo


Objetivo: Relatar o processo de construção e realização de oficinas de cuidado em saúde com trabalhadores da Estratégia de Saúde da Família. Síntese dos dados: Relato de experiência realizada com trabalhadores de Unidades Básicas de Saúde de um município da região do Vale do Itajaí, Santa Catarina, Brasil. Utilizaram-se, para a promoção da reflexão e de um olhar ampliado no cuidado em saúde, no primeiro semestre de 2018, oficinas mediadas por residentes multiprofissionais em Atenção Básica/Saúde da Família da Universidade do Vale do Itajaí. Conclusão: Promoveu-se um espaço de reflexão e mobilização para o cuidado em saúde, utilizando a escuta como reestruturação produtiva em saúde, por meio da atividade realizada, sendo possível compreender o quanto a residência pode contribuir para o fortalecimento do serviço em saúde, orientando sobre o cuidado em saúde desses trabalhadores. Assim, é necessário que essas estratégias metodológicas sejam cada vez mais acatadas pelos coordenadores das residências e pelos gestores.

Palavras-chave


Educação em Saúde; Atenção Primária à Saúde; Saúde do Trabalhador

Texto completo:

PDF/A

Referências


Sampaio RSG, Carvalho RC, Rocha GS. Distúrbios psíquicos menores em trabalhadores que atuam na Estratégia de Saúde da Família: revisão integrativa. Anais do 21o Seminário de Iniciação Científica; 2018 out 23-29;. Feira de Santana, BA. [Internet]. [acesso em 2019 Abr 17]. Disponível em: http://periodicos.uefs.br/index.php/semic/article/view/2558

Marx K. Manuscritos econômico-filosóficos. Ranieri J, tradutor. São Paulo: Boitempo; 2004.

Marx K, Engels F. A ideologia alemã. Enderle R, Schneider N, Martorano LC, tradutores. São Paulo: Boitempo; 2007.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.823, de 23 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Diário Oficial da União; Brasília, 24 Ago 2012.

Camelo SHH, Rocha FLR, Mininel VA, Santos APA, Garcia AB, Scozzafave MCS. Trabalhador de saúde: formas de adoecimento e estratégias de promoção à saúde. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. 2014;5(3):2220-29.

Glanzn CH, Olschowsky A. A ambiência e sua influência no trabalho de equipes de saúde da família. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2017;5(1):7-14.

Sangaletti J, Ceretta LB, Soratto MT. Ansiedade dos enfermeiros da estratégia saúde da família. RIES. 2018;7(1):234-48.

Leonelli LB, Andreoni S, Martins P, Kozasa EH, Salvo VL, Sopezki D, et al. Estresse percebido em profissionais da Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(2):286-98.

Fonseca FF, Costa FM, Lima CA, Silva SSS, Alves JP, Carneiro JA. Caracterização do risco ocupacional entre trabalhadores da Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Pesq Saúde. 2015;17(2):89-97.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Promoção da Saúde - PNaPS: revisão da Portaria MS/GM nº 687. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de gestão da Educação na Saúde. Política de educação e desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente e polos de educação permanente em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Pinto HA. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: aprender para transformar. In: Gomes LB, Barbosa MG, Ferla AA, organizadores. A educação permanente em saúde e as redes colaborativas: conexões para a produção de saberes e práticas. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2016. p. 23-65.

Ministério da Saúde (BR). Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Silva LB. Residência Multiprofissional em Saúde no Brasil: alguns aspectos da trajetória histórica. Rev Katálysis. 2018;21(1):200-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.248, de 24 de junho de 2013. Institui a Estratégia de qualificação das redes de atenção à saúde (RAS) por meio do incentivo à formação de especialistas na modalidade residência médica em áreas estratégicas do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União; Brasília, 24 de Junho de 2013.

Fagundes NC, Rangel AGC, Carneiro TM, Castro LMC, Gomes BS. Educação permanente em saúde no contexto do trabalho da enfermeira. Rev Enferm UERJ. 2016;24(1):e11349.

Spink MJ, Menegon VM, Medrado B. Oficinas como estratégia de pesquisa: articulações teórico-metodológicas e aplicações ético-políticas. Psicol Soc. 2014;26(1):32-43.

Pinheiro R, Gerhardt TE, Ruiz ENF, Silva AG Junior. O “estado do conhecimento” sobre os itinerários terapêuticos e suas implicações teóricas e metodológicas na Saúde Coletiva e integralidade do cuidado. Rio de Janeiro: CEPESC; 2016.

Heckert ALE, Neves CA. Modos de formar e modos de intervir: quando a formação se faz potência de produção de coletivo. In: Pinheiro R, Barros MEB, Motta R, organizadores. Trabalho em equipe. Rio de Janeiro: ABRASCO/IMS/UERJ; 2007. p. 145-60.

Ministério do Planejamento (BR). Unidade Básica de Saúde [Internet]. 2017. [acesso em 2019 Abr 17]. Disponível em: http://www.pac.gov.br/infraestrutura-social-e-urbana/ubs-unidade-basica-de-saude

Domingos CM, Nunes EFPA, Carvalho BG. Potencialidades da residência multiprofissional em saúde da família: o olhar do trabalhador de saúde. Interface [Internet]. 2015 [acesso em 2019 Abr 12];19(55):1221-32. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832015000401221

Rosa FM, Weiller TH, François APW, Beites LS, Silveira D, Righi LB. O olhar das equipes de referência sobre o trabalho realizado pelo apoio matricial. Rev Enf UFSM [Internet]. 2011 [acesso em 2019 Abr 17];1(3):377-85. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/3368/2405

Ceccim RB, Dallegrave D, Amorim ASL, Portes VM, Amaral BP. EnSiQlopédia das Residências em Saúde: Série vivências em saúde. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2018.

Esposito T, Munoz-Castro FJ, Herrera-Usagre M, Perianez-Vega M. Fiabilidad y validez para un cuestionario de satisfaccion con la formacion continuada en salud: el cuestionario de satisfaccion del discente. FEM. 2015;18(3):197-203.

Silva LAA, Soder RM, Petry L, Oliveira IC. Educação permanente em saúde na atenção básica: percepção dos gestores municipais de saúde. Rev Gaúcha Enferm. 2017;38(1):e58779.

Brasil. Ministério da Saúde. Consulta pública nº 3, de 17 de maio de 2011. Diretrizes da Política Nacional de Promoção da Saúde do Trabalhador do SUS. Artigo 34, inciso II, e artigo 59 do Decreto nº 4.176, de 28 de março de 2002, minuta de portaria que aprova no âmbito do sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. 2011 [acesso em 2019 Abr 17]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/cop0003_17_05_2011.html




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2019.8842

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia