Percepções de familiares/cuidadores sobre internação domiciliar de pessoas com dependência de cuidado

Ana Paula Magalhães, Magno Conceição das Merces, Pablo Luiz Santos Couto, Maria Lúcia Silva Servo, Jairrose Nascimento Souza, Marcio Costa de Souza, Antônio Marcos Tosoli Gomes, Marcia Cristina Graça Marinho

Resumo


Objetivo: Analisar as percepções de familiares/cuidadores sobre a internação domiciliar de pessoas com doenças crônicas ou em estado terminal na assistência prestada por profissionais de saúde. Métodos: Realizou-se um estudo qualitativo, entre março e abril de 2014, com entrevistas semiestruturadas, no domicílio de pacientes em internação domiciliar, com oito familiares/cuidadores em um município da Bahia, Brasil. Analisaram-se os dados pelo método da análise de conteúdo, que permitiu a apreensão da categoria do estudo – percepções dos familiares/cuidadores de pessoas com dependência de cuidado sobre a internação domiciliar. Resultados: Os entrevistados demonstraram satisfação com a internação domiciliar, pelo cuidado diferenciado desse modo de atenção, pela redução de deslocamentos e por proporcionar conforto e interação entre equipe de saúde, familiares e a pessoa que necessita de cuidados. Além disso, o cuidado é respaldado no respeito à individualidade e à singularidade de cada família. Também viu-se que os entrevistados compreendem o quantitativo de profissionais como insuficiente, havendo necessidade de ampliar a equipe. Assim, convém sensibilizar a equipe sobre a relevância de discutir com familiares/cuidadores sobre seus direitos como cidadãos. Conclusão: O internamento domiciliar, na percepção dos entrevistados, é uma modalidade complementar à hospitalização essencial, uma vez que a equipe domiciliar proporciona um cuidado humanizado e próximo à família. Contudo falas evidenciam que o serviço ofertado a esses pacientes parece ser um favor prestado a eles, e não um direito do paciente de receber esse serviço público de saúde.

Palavras-chave


Percepção; Assistência Domiciliar; Família; Cuidadores.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Yavo IS, Campos EMP. Cuidador e cuidado: o sujeito e suas relações no contexto da assistência domiciliar. Rev Psico: Teoria e Cuidado [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Jan 11];17(3):20-32. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v18n1/02.pdf

Oliveira SG, Quintana AM, Dernardin-Budó ML, Luce-Kruse MH, García RP, Wünsh S, et al. Representações sociais do cuidado de doentes terminais no domicílio: o olhar do cuidador familiar. Aquichan [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Jan 11];16(3):359-69. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/aqui/v16n3/v16n3a07.pdf

Braga PP, Sena RR, Seixas CT, Castro EAB, Andrade AM, Silva YC. Oferta e demanda na atenção domiciliar em saúde. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Abr 27];21(3):903-12. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000300903&lng=en.http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015213.11382015

Ministério da Saúde (BR). Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de atenção domiciliar. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Goulart FAA. Doenças crônicas não transmissíveis: estratégias de controle e desafios e para os sistemas de saúde [Internet]. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde; 2011. [acesso em 2019 Abr 29]. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/4857.pdf

World Health Organization. Global Status Report on noncommunicable diseases 2014. Switzerland: World Health Organization; 2014.

Malta DC, Moura L, Prado RR, Escalante JC, Schmidt MI, Duncan BB. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2014 [acesso em 2019 Abr 26];23(4):599-608. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222014000400599&lng=en

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 825, de 25 de abril de 2016. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas [Internet]. Diário Oficial da União; Brasília, 26 Abril de 2016. [acesso em 2019 Abr 29]. Disponível em: http://www.in.gov.br/web/guest/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/22685962/do1-2016-04-26-portaria-n-825-de-25-de-abril-de-2016-226

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Savassi LCM. Os atuais desafios da Atenção Domiciliar na Atenção Primária à Saúde: uma análise na perspectiva do Sistema Único de Saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Abr 09];11(38):1-12. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1259

Muniz EA, Freitas CASL, Oliveira EN, Lacerda MR. Grau de sobrecarga dos cuidadores de idosos atendidos em domicílio pela Estratégia Saúde da Família. Saúde Debate [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Jan 11];40(110):172-82. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v40n110/0103-1104-sdeb-40-110-0172.pdf

Carvalho DP, Toso BRGO, Viera CS, Garanhani ML, Rodrigues RM, Ribeiro LFC. Ser cuidador e as implicações do cuidado na atenção domiciliar. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2015 [acesso em 2019 Jan 11];24(2):450-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v24n2/pt_0104-0707-tce-24-02-00450.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 963, de 27 de maio de 2013. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Abr 29]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0963_27_05_2013.html

Minayo MCS. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: Deslandes SF, Cruz O Neto, Gomes R, Minayo MCS, organizadores. Pesquisa social. Teoria método e criatividade. Petrópolis: Vozes; 1994.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010 [Internet]. 2011 [acesso em 2019 Abr 30]. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br

Prefeitura de Guanambi. A cidade [Internet]. 2017 [acesso em 2019 Abr 30]. Disponível em: http://www.guanambi.ba.gov.br/texto/a_cidade

Governo do Estado (BA). Secretaria de Saúde. Hospital Regional de Guanambi [Internet]. 2018 [acesso em 2019 Abr 30]. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/hospital/hospital-regional-de-guanambi/

Fontanella BBJ, Magdaleno R Júnior. Saturação teórica em pesquisas qualitativas: contribuições psicanalíticas. Psicologia em Estudo. 2012;17(1):63-71.

Deslauries JP. Recherche Qualitative Guide Pratique. Thema: Canadá; 1991.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Pereira LSM, Soares SM. Fatores que influenciam a qualidade de vida do cuidador familiar do idoso com demência. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2015 [acesso em 2019 Jan 11];20(12):3839-51. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n12/1413-8123-csc-20-12-3839.pdf

Cunha JPP, Cunha RRE. Sistema Único de Saúde - SUS: princípios. In: Campos FE, Oliveira M Jr, Tonon LM, organizadores. Cadernos de saúde I. Planejamento e gestão em saúde. Belo Horizonte (MG): Coopmed; 1998. p. 11-26.

Fogaça NJ, Carvalho MM, Montefusco SRA. Percepções e sentimentos do familiar/cuidador expressos diante do ente em internação domiciliar. Rev Rene [Internet]. 2015 [acesso em 2019 Fev 18];16(6):848-55. Disponível em:

https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=324043261012

Espíndola MMM, Carvalho MFAA, Carvalho e Lira MOS, Moura LTR, Silva RM. Assistência domiciliar à saúde – percepção do familiar cuidador sobre a qualidade assistencial. Rev Enferm UFPE on line [Internet]. 2014 [acesso em 2019 Jan 11];8(2):379-84. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/9685/9734

Simão VM, Mioto RCT. O cuidado paliativo e domiciliar em países da América Latina. Saúde Debate [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Jan 11];40(108):156-69. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v40n108/0103-1104-sdeb-40-108-00156.pdf

Juan-Pocar M, Guillamón-Gimeno L, Pedraz-Marcos A, Palmar-Santos AM. Cuidado familiar de pessoas com doenças mentais graves: uma revisão integrativa. Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2015 [acesso em 2019 Jan 11];23(2):352-60. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n2/pt_0104-1169-rlae-23-02-00352.pdf

Neves ACOJ, Castro EAB, Costa SRD. Necessidades de cuidados domiciliares de enfermagem após a alta hospitalar no contexto do SUS. Cogitare Enferm [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Jan 11];21(4):1-10. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2016/12/827309/47708-191967-1-pb.pdf

Piolli KC, Medeiros M, Sales CA. Significações de ser cuidadora do companheiro com câncer: um olhar existencial. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Jan 11];69(1):99-105. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v69n1/0034-7167-reben-69-01-0110.pdf

Loureiro LSN, Pereira MA, Fernandes MGM, Oliveira JS. Percepção de enfermeira sobre a tensão do papel do cuidador. Rev Baiana Enferm [Internet]. 2015 [acesso em 2019 Jan 11];29(2):164-71. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/12596/pdf_122

Brasil. Ministério da Saúde. Atenção Domiciliar no SUS: resultados do laboratório de inovação em atenção domiciliar. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2019.8881

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia