Eficácia de intervenções educativas com gestantes sobre o grau de conhecimento em aleitamento materno

Andreza Kathiuze Maia, Bruna Yhang da Costa Silva, Luis Clenio Jário Moreira

Resumo


Objetivo: Avaliar o grau de conhecimento sobre aleitamento materno de mulheres na primeira metade gestacional em pré-natal pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e desenvolver atividades de educação em saúde sobre essa temática visando melhorar o nível de conhecimento das gestantes. Métodos: Estudo longitudinal, de intervenção, realizado nas Unidades de Atenção Primária à Saúde (UAPS) de Limoeiro do Norte, Ceará, Brasil, com 57 mulheres na primeira metade gestacional. Foram coletadas informações socioeconômicas sobre escolaridade, etnia, atividade profissional, renda familiar e situação conjugal, e realizada avaliação do grau de conhecimento acerca de quatro blocos temáticos relacionados ao aleitamento materno: cuidados pré-parto com as mamas, vantagens da amamentação para o binômio mãe-filho, fisiologia da lactação e técnicas adequadas de amamentação. Posteriormente, foram realizadas quatro intervenções educativas, na frequência de uma por semana, nas UAPS ou em domicílio, com enfoque nas quatro abordagens do formulário. O instrumento de avaliação de conhecimento foi, então, reaplicado. Resultados: O grau de conhecimento das gestantes melhorou em todos os domínios do aleitamento materno investigados: de 62,8% de acertos para 83,0% no bloco temático um (variação: 20,2%); de 71,6% para 87,5% no bloco dois (15,9%); de 66,9% para 79,7% no três (12,7%); de 63,6% para 92,6% no bloco quatro (29,0%). Observou-se maior impacto sobre o aspecto “técnicas adequadas de amamentação”. Conclusão: As gestantes avaliadas apresentaram conhecimento adequado sobre a maioria dos questionamentos acerca do aleitamento materno. A educação em saúde foi eficaz em melhorar esses conhecimentos, o que futuramente poderá refletir no prolongamento do tempo de amamentação exclusiva.

Número de Registro (ReBEC): RBR-3rs7sx

Palavras-chave


Aleitamento Materno; Educação em Saúde; Gravidez

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Takushi SAM, Tanaka ACA, Gallo PR, Machado MAMP. Motivação de gestante para o aleitamento materno. Rev Nutr. 2008;21(5):491-502.

Zeleke LB, Gebremichael MW, Adinew YM, Gelaw KA. Appropriate weaning practice and associated factors among infants and young children in northwest Ethiopia. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2017;2017(8):1-7.

Schwarz EB, Nothnagle M. The maternal health benefits of breastfeeding. Am Fam Physician. 2015;91(9):603-4.

Motee A, Jeewon R. Importance of exclusive breast feeding and complementary feeding among infants. Curr Res Nutr Food Sci. 2014;2(2):56-72.

Ministério da Saúde (BR). II Pesquisa prevalência de aleitamento materno nas capitais brasileiras e Distrito Federal. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.

Amorim MM, Andrade ER. Atuação do enfermeiro no PSF sobre aleitamento materno. Perspect Online. 2009;3(9):93-110.

Ministério da Saúde (BR). Política nacional de promoção da saúde: anexo I da portaria de consolidação nº 2, de 28 de setembro de 2017, que consolida as normas sobre as políticas nacionais de saúde do SUS. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2018.

Silva JAR, Lemos EC, Hardman CM, Santos SJ, Antunes MBC. Educação em saúde na estratégia de saúde da família: percepção dos profissionais. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(1):75-81.

Triola MF. Introdução à estatística. 12ª ed. Rio de Janeiro: LTC; 2017.

National Health Service England (UK). Physical activity guidelines for children and young people [Internet]. London: NHS; 2018 [acesso em 2019 Out 03]. Disponível em: https://www.nhs.uk/live-well/exercise/physical-activity-guidelines-children-and-young-people/

Freitas GL, Joventino ES, Aquino PS, Pinheiro AKB, Ximenes LB. Evaluating the knowledge on breastfeeding among pregnant women. REME Rev Min Enferm. 2008;12(4):461-8.

Ministério da Saúde (BR). Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2015.

Ministério da Saúde (BR). Estratégia nacional para promoção do aleitamento materno e alimentação complementar saudável no sistema único de saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2015.

Vitolo MR. Nutrição: da gestação ao envelhecimento. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rubio; 2015.

Carvalho MR, Tavares LAM. Amamentação: bases científicas. 3ª ed. São Paulo: Guanabara Koogan; 2010.

Ministério da Saúde (BR), Sociedade Brasileira de Pediatria. Amamentação: muito mais que alimentar a criança [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; c2009 [acesso em 2019 Out 17]. Disponível em: https://www.sbp.com.br/departamentos-cientificos/aleitamento-materno/videos/

World Health Organization. Global strategy for infant and young child feeding. Geneva: WHO; 2002.

Meek JY, Hatcher AJ. The breastfeeding-friendly pediatric office practice. Pediatrics. 2017;139(5):e20170647.

Lima TM, Osório MM. Perfil e fatores associados ao aleitamento materno em crianças menores de 25 meses da Região Nordeste do Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2003;3(3):305-14.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional por amostra de domicílios contínua: educação 2018. Rio de Janeiro: IBGE; 2019.

Cavalcante MCV, Lamy F Filho, França AKTC, Lamy ZC. Relação mãe-filho e fatores associados: análise hierarquizada de base populacional em uma capital do Brasil-estudo BRISA. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(5)1683-93.

Brito RS, Oliveira EMF. Opinião do pai sobre o aleitamento materno. Rev RENE. 2006;7(1):9-16.

Tella K, Guruvare S, Hebbar S, Adiga P, Rai L. Knowledge, attitude, and practice of techniques of breast-feeding among of postnatal mothers in a coastal district of Karnataka. Int J Med Sci Public Health. 2016;5(1):28-34.

Fastring D, Mayfield-Johnson S, Madison J. Evaluation of a health education intervention to improve knowledge, skills, behavioral intentions and resources associated with preventable determinants of infant mortality. Divers Equal Health Care. 2017;14(6):290-5.

Cascone D, Tomassoni D, Napolitano F, Giuseppe G. Evaluation of knowledge, attitudes, and practices about exclusive breastfeeding among women in Italy. Int J Environ Res Public Health. 2019;16(1):2118-29.

Bezerra LCA, Fruas PG, Vidal SA, Macedo VC, Vanderlei LC. Breast-feeding: assessment of the implementation of a program at basic healthcare units in Recife, Pernambuco State (2002). Ciênc Saúde Colet. 2007;12(5):1309-17.

Mozetic RM, Silva SDC, Ganen AP. A importância da nutrição nos primeiros mil dias. Rev Eletrônica Acervo Saúde. 2016;8(2):876-84.

Akinyinka MR, Olatona FA, Oluwole EO. Breastfeeding knowledge and practices among mothers of children under 2 years of age living in a military barrack in Southwest Nigeria. Int J MCH AIDS. 2016;5(1):1-13.

Vijayalakshmi P, Susheela T, Mythili D. Knowledge, attitudes, and breast feeding practices of postnatal mothers: a cross sectional survey. Int J Health Sci (Qassim). 2015;9(4):364-74.

Janini JP, Bessler D, Vargas AB. Educação em saúde e promoção da saúde: impacto na qualidade de vida do idoso. Saúde Debate. 2015;39(105):480-90.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2019.9001

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia