Mulheres operárias: vida doméstica e qualidade de vida - doi:10.5020/18061230.2005.p130

Maristela Ines Osawa Chagas, Maria de Fátima Cardoso Marques, Maria Grasiela Teixeira Barroso

Resumo


A qualidade de vida no trabalho deve compreender um conjunto de fatores tais como segurança, conforto, lazer, plano de cargos e salários, possibilidades de ascensão funcional, satisfação, além da garantia de desenvolvimento e capacitações pessoais e profissionais. Este artigo tem por finalidade abordar a qualidade de vida da mulher operária na interface do cotidiano doméstico e do trabalho. Trata-se de uma pesquisa de cunho etnográfico com acompanhamento de dez mulheres de uma indústria de calçados em Sobral – CE identificadas inicialmente no ambulatório de uma unidade de saúde. Os dados foram coletados por meio de observações participantes registradas em diário de campo e de um roteiro de entrevista semi-estruturada, ambas realizadas por ocasião de visitas domiciliares. Verificou-se que, mesmo submetidas a condições estafantes, privando-se de tempo para se dedicarem a si próprias e às suas famílias, essas mulheres afirmam gostar do trabalho que realizam na fábrica. Pelo trabalho elas se sentem remuneradas, valorizadas, úteis e beneficiadas, sentimentos esses que não encontram no trabalho doméstico, este tido como uma obrigação, um trabalho invisível que ninguém valoriza e que não traz recompensas. Conclui-se que estes fatores interferem na qualidade de vida dessas mulheres.

Palavras-chave


Mulher; Trabalho; Qualidade de Vida.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/924

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia