Construção e implementação de um horto medicinal: um projeto de extensão universitária

Marcio Rossato Badke, Daiana Cristina Wickert, Gabriela Oliveira, Jordana Lima da Silva, Hentielle Feksa Lima, Maria Denise Schimith, Laís Mara Caetano da Silva, Silvana Bastos Cogo

Resumo


Objetivo: Relatar a experiência no processo de construção e implementação de um horto medicinal para a manutenção e o cuidado à saúde de uma comunidade. Síntese dos dados: Tratou-se de um relato de experiência oriundo do desenvolvimento de um projeto de extensão universitária intitulado “Espaço de aprendizagem - relógio medicinal do corpo humano”, desenvolvido no bairro de um município da região central do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Participaram do projeto integrantes da comunidade, profissionais das áreas de Enfermagem, Biologia, Agronomia e Paisagismo, acadêmicos de Enfermagem, estudantes de ensino médio e bolsistas estudantes de uma instituição de ensino superior. As atividades foram realizadas nos meses de abril a dezembro dos anos de 2017 e 2018. O relógio foi desenvolvido em um território público da comunidade, constituído por 26 plantas medicinais, subdivididas em 12 canteiros e espaço central, sendo cultivadas duas plantas medicinais em cada um deles. Cada uma dessas divisões é correspondente ao pico energético de um órgão do corpo humano, seguindo um ciclo, exceto o centro, em que está o tecido epitelial, sendo esta uma adaptação. Conclusão: A realização do projeto oportunizou o resgate e a valorização do uso de plantas medicinais entre professores, discentes e comunidade, contribuindo para o cuidado compartilhado e promovendo a saúde de todos.

Palavras-chave


Terapias Complementares; Plantas Medicinais; Promoção da Saúde

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR). Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [acesso em 2018 Set 12]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/praticas_integrativas_complementares_plantas_medicinais_cab31.pdf

Badke MR, Somavilla CA, Heisler EV, Andrade A, Budó MLD, Garlet TMB. Saber popular: uso de plantas medicinais como forma terapêutica no cuidado à saúde. Rev Enferm UFSM [Internet]. 2016 [acesso em 2018 Abr 15];6(2):225-34. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/17945/pdf_1

Oliveira RA, Silva RV, Neves VLD, Nascimento IO, Oliveira FS, Nunes SEA, et al. Perfil etnobotânico de plantas utilizadas como medicinais na comunidade de Bom Jesus, município de Imperatriz-MA. Rev Educ Ambient Ação [Internet]. 2018 [acesso em 2019 Mar 04];18(66). Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3531

Messias MCTB, Menegatto MF, Prado ACC, Santos BR, Guimarães MFM. Uso popular de plantas medicinais e perfil socioeconômico dos usuários: um estudo em área urbana em Ouro Preto, MG, Brasil. Rev Bras Plantas Med [Internet]. 2015 [acesso em 2019 Mar 04];17(1):76-104. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbpm/v17n1/1983-084X-rbpm-17-01-00076.pdf

Miranda CAC. A arte de curar nos tempos da colônia: limites e espaços da cura [Internet]. 3ª ed. Recife: Editora Universitária da UFPE; 2017 [acesso em 2019 Set 25]. Disponível em: https://www.ufpe.br/documents/39938/950195/E-book+A+ARTE+DE+CURAR.pdf/79de256e-161d-4fb1-bf4e-e802193f223a

Saad GA, Léda PHO, Sá IM, Seixlack ACC. Fitoterapia contemporânea: tradição e ciência na prática clínica [Internet]. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2018 [acesso em 2019 Mar 30]. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788527730433/

Brasil. Ministério da Previdência e Assistência Social. Resolução CIPLAN nº 8, de 8 de março de 1988. Implantar a prática de Fitoterapia nos Serviços de Saúde, assim como orientar, através das Comissões Interinstitucionais de Saúde (CIS), buscarem a inclusão da Fitoterapia nas Ações Integradas de Saúde (AIS), e/ou programação do Sistema Unificado e Descentralizado de Saúde (SUDS), nas Unidades Federadas, visando colaborar com a prática oficial da medicina moderna, em caráter complementar [Internet]. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 3999-4000, 11 mar 1988 [acesso em 2019 Fev 04]. Disponível em: http://www.cremesp.org.br/library/modulos/legislacao/versao_impressao.php?id=6213

Ceolin S, Ceolin T, Casarin ST, Severo VO, Ribeiro MV, Lopes ACP. Plantas medicinais e sua aplicabilidade na atenção primária à saúde. Rev APS [Internet]. 2017 [acesso em 2019 Mar 03];20(1):81-8. Disponível em: http://ojs2.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/view/15812/8251

Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC n°26, de 13 de maio de 2014. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos e o registro e a notificação de produtos tradicionais fitoterápicos [Internet]. 2014 [acesso em 2018 Set 12]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2014/rdc0026_13_05_2014.pdf

Ministério da Saúde (BR). Programa de Fitoterápico e Plantas Medicinais [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2015 [acesso em 2019 Set 28]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/noticias/693-acoes-e-programas/40041-programa-de-fitoterapico-e-plantas-medicinais

Ministério da Saúde (BR). Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [acesso em 2018 Abr 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_programa_nacional_plantas_medicinais_fitoterapicos.pdf

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS- PNPIC-SUS [Internet]. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2015 [acesso em 2019 Out 14]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf

Ceará. Lei nº 12.951, de 07.10.99. Dispõe sobre a Política de Implantação da Fitoterapia em Saúde Pública no Estado do Ceará [Internet]. Diário Oficial do Estado do Ceará, 07 de outubro de 1999 [acesso em 2019 Abr 14]. Disponível em: file:///C:/Users/731088835/Downloads/LEIZNZ12.951ZZZ1999.pdf

Palma JS, Badke MR, Heisler EV, Heck RM, Meincke MK. Modelos explicativos do setor profissional em relação às plantas medicinais. Rev Pesqui (Univ Fed Estado Rio J) [Internet]. 2015 [acesso em 2018 Dez 10];7(3):2998-3008. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/5057/505750947026.pdf

Ceolin T, Ceolin S, Heck RM, Noguez PT, Souza ADZ. Relato de experiência do curso de plantas medicinais para profissionais de saúde. Rev Baiana Saúde Pública [Internet]. 2013 [acesso em 2018 Nov 20];37(2):501-11. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0100-0233/2013/v37n2/a4457.pdf

Souza ADZ, Heinen HM, Amestoy SC, Mendieta MC, Piriz MA, Heck RM. O Processo de trabalho dos enfermeiros da atenção primária e a Política Nacional de Plantas Medicinais/Fitoterápicos. Rev Bras Plantas Med [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Mar 03];18(2):480-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbpm/v18n2/1516-0572-rbpm-18-2-0480.pdf

Mattos G, Camargo A, Sousa CAD, Zeni ALB. Plantas medicinais e fitoterápicos na Atenção Primária em Saúde: percepção dos profissionais. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2018 [acesso em 2019 Set 19];23(11):3735-44. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v23n11/1413-8123-csc-23-11-3735.pdf

Ischkanian PC, Pelicioni MCF. Desafios das práticas integrativas e complementares no SUS visando a promoção da saúde. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum [Internet]. 2012 [acesso em 2019 Set 28];22(2):233-8. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v22n2/pt_16.pdf

Varela DSS, Azevedo DM. Saberes e práticas fitoterápicas de médicos na estratégia saúde da família. Trab Educ Saúde [Internet]. 2014 [acesso em 2019 Set 28];12(2):273-90. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v12n2/a04v12n2.pdf

Caccia-Bava MCGG, Bertoni BW, Pereira AMS, Martinez EZ. Disponibilidade de medicamentos fitoterápicos e plantas medicinais nas unidades de atenção básica do Estado de São Paulo: resultados do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ). Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2017 [acesso em 2019 Set 28];22(5):1651-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v22n5/1413-8123-csc-22-05-1651.pdf

Nascimento BJ Jr, Tínel LO, Silva ES, Rodrigues LA, Freitas TON, Nunes XP, et al. Avaliação do conhecimento e percepção dos profissionais da estratégia de saúde da família sobre o uso de plantas medicinais e fitoterapia em Petrolina-PE, Brasil. Rev Bras Plantas Med [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Set 28];18(1):57-66. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbpm/v18n1/1516-0572-rbpm-18-1-0057.pdf

Nunes JD, Maciel MV. A importância da informação do profissional de enfermagem sobre o cuidado no uso das plantas medicinais: uma revisão de literatura. Rev Fitos [Internet]. 2017 [acesso em 2019 Set 28];10(4):518-25. Disponível em: http://revistafitos.far.fiocruz.br/index.php/revista-fitos/article/view/385/pdf

Pereira MCL. Horto medicinal: relógio do corpo humano como ferramenta pedagógica de aprendizagem intranscultural [caderno temático] [internet]. Curitiba: Secretaria de Educação do Estado do Paraná; 2014 [acesso em 2019 Out 20]. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_utfpr_dtec_pdp_maria_cristina_laus_pereira.pdf

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 581, de 11 julho de 2018. Atualiza, no âmbito do Sistema COFEn/Conselhos Regionais de Enfermagem, os procedimentos para registro de títulos de pós-graduação lato e stricto sensu concedido a enfermeiros e lista as especialidades. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 119-, 11 jul. 2018.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Promoção da Saúde. 3ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Universidade Federal de Santa Maria. Espaço de aprendizagem: relógio medicinal do corpo humano [Internet]. Santa Maria: UFSM; 2019 [acesso em 2019 Mar 03]. Disponível em: https://portal.ufsm.br/projetos/publico/projetos/view.html?idProjeto=58367

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretriz Brasileira de Hipertensão. Rio de Janeiro: SBC; 2017.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2013 [acesso em 2019 Out 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/hipertensao_arterial_sistemica_cab37.pdf

Graça APSR, Camolas J, Gregório MJ, Sousa S, Andrade C, Santos G. Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável: 2017[Internet]. Portugal: Direção-Geral da Saúde; 2019 [acesso em 2019 Out 15]. Disponível em: https://www.alimentacaosaudavel.dgs.pt/activeapp/wp-content/files_mf/1446660770Ervasarom%C3%A1ticasUmestrat%C3%A9giaparaaredu%C3%A7%C3%A3odosalnaalimenta%C3%A7%C3%A3odosPortugueses.pdf

Heisler EV, Budó MLD, Schimith MD, Perottoni J, Heisler ED. Origem do saber popular no cultivo de horto medicinal. Rev Enferm UFSM [Internet]. 2018 [acesso em 2019 Mar 03];8(1):33-47. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/27086/pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução - RDC nº 10, de 09 de março de 2010 [Internet]. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências. [2010] [acesso em 2018 Dez 04]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/legislacao/resolucao10_09_03_10.pdf

Lucas SD, Gonçalves AGB, Kosinski J, Salomoni SE, Andreolla N. A utilização das plantas medicinais do relógio biológico do corpo humano [Internet]. In: Sistema Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão; 2018; Cachoeira do Sul. Cachoeira do Sul: Siepex; 2018 [acesso em 2019 Fev 26]. Disponível em: https://www.doity.com.br/anais/8-siepex/trabalho/63039

Velloso CC, Wermann AM, Fusiger TB. Horto medicinal: relógio do Corpo Humano [Internet]. Putinga: EMATER; 2005 [acesso em 2019 Fev 22]. Disponível em: http://www.biodiversidade.rs.gov.br/arquivos/1159290630estudo_caso_HORTO_MEDICINAL_RELOGIO_DO_CORPO_HUMANO.pdf

Campos MK, organizador. Relógio Medicinal do Corpo Humano [Internet]. Florianópolis: BU Publicações/UFSC; 2018 [acesso em 2019 Mar 03]. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/191696

Jorquera CS. Utilización industrial de plantas medicinales. In: Workshop presented in UNIDO In Latin America; 1993 Jul 11-17; Guatemala.

Salim MA, Ranjitkar S, Hart R, Khan T, Ali S, Kiran C, et al. Regional trade of medicinal plants has facilitated the retention of traditional knowledge: case study in Gilgit-Baltistan Pakistan. J Ethnobiol Ethnomed [Internet]. 2019 [acesso em 2019 Mar 03];15(1):6. Disponível em: https://ethnobiomed.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13002-018-0281-0

Poswal FS, Russell G, Mackonochie M, MacLennan E, Adukwu EC, Rolfe V. Herbal teas and their health benefits: a scoping review. Plant Foods Hum Nutr [Internet]. 2019 [acesso em 2019 Mar 03];74(3):266-76. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs11130-019-00750-w




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2019.9384

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia