Percepção sobre a alta hospitalar de pessoas internadas em unidade de atenção psicossocial

Valentine Cogo Mendes, Zaira Letícia Tisott, Valquíria Toledo Souto, Marlene Gomes Terra, Daiana Foggiato de Siqueira, Bruno Vinicius Rodrigues

Resumo


Objetivo: Compreender a percepção de pessoas em sofrimento psíquico internadas em uma unidade de atenção psicossocial sobre a alta hospitalar. Métodos: Estudo qualitativo desenvolvido com 13 pessoas em sofrimento psíquico internadas em uma Unidade de Atenção Psicossocial de um hospital de ensino do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. A coleta dos dados foi realizada por meio da entrevista semidirigida, realizada em outubro de 2016, e posteriormente analisada pela estratégia de análise de conteúdo. Emergiram duas categorias: Significados atribuídos à alta hospitalar; Estratégias para continuidade do tratamento diante da alta hospitalar. Resultados: Foi possível perceber alguns significados acerca da alta hospitalar para os usuários internados, como sentimentos de medo, angústia, recomeço e liberdade, além de representar uma estratégia para a continuidade do cuidado. Conclusão: A alta hospitalar é compreendida de diversas maneiras, despertando sentimentos, expectativas e desejos para a pessoa em sofrimento psíquico que está saindo de uma unidade de internação.

Palavras-chave


Saúde Mental; Transtornos Mentais; Alta do Paciente; Enfermagem

Texto completo:

PDF/A

Referências


Focault M. História da Locura. 9ª ed. São Paulo: Perspectiva; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Lei Nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília: MS; 2001.

Pessoa JJM, Santos RCA, Clementino KKDO, Miranda FAN. A política de saúde mental no contexto do hospital psiquiátrico: desafios e perspectivas. Esc Anna Nery. 2016;20(1):83-9.

Alves PIC, Ferreira LA, Cardoso RJ. The Performance of the Family Health Stratgy Nurse in The Care of clientes in Psychic Suffering. Texto & Contexto Enferm. 2015;20(1):85-93.

Flesch LD, Araujo TCCF. Alta hospitalar de pacientes idosos: Necessidades e desafios do cuidado contínuo. Estud Psicol (Natal). 2014;19(3):157-238.

Delatorre PG, Sá SPC, Valente GSC, Silvino ZR. Planejamento para a alta hospitalar como estratégia de cuidado de enfermagem: revisão integrativa. Rev Enferm UFPE. 2013;7(esp):7151-9.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: MS; 2006.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Turato ER. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. 5ª ed. Petrópolis: Vozes; 2011.

Nobre FC, Corrêa DA, Nepomuceno LH, Souza AJ, Siqueira VF. A amostragem na Pesquisa de natureza científica em um campo multiparadigmático: peculiaridades do método qualitativo. Revista Espacios. 2017;38(22):13.

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução Nº 466, 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre as diretrizes e as normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Conselho Nacional de Saúde; 2012.

Ely GZ, Terra MG, Silva AA, Freitas FF, Padoin SM, Lara MP. Internação psiquiátrica: significados para usuários de um centro de atenção psicossocial. SMAD, Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. 2014;10(1):23-28.

Ely GZ, Terra MG, Silva AA, Freitas FF, Leite MT, Brum BN. Percepções do ser humano internado em unidade psiquiátrica sobre o viver com doença mental. Texto & Contexto Enferm. 2017;26(3):e0280016.

Furlan MM. O sentido de ser internado em hospital psiquiátrico à luz da fenomenologia de Heidegger [tese]. Ribeirão Preto: USP; 2008.

Castro AS, Furegato ARF, Santos JLF. Egressos de internação psiquiátrica acompanhados na rede de serviços de saúde. Rev Enferm Atenção Saúde. 2018;7(1):152-65.

Martins PPS, Guanaes-Lorenzi C. Participação da família no tratamento em saúde mental como prática no cotidiano do serviço. Psicol Teor Pesq. 2016;32(4):1-9.

Souto VT, Terra MG, Soccol KLS, Mostardeiro SCTS, Xavier MS, Teixeira JK. Cuidado da equipe de enfermagem na percepção de familiares de pacientes psiquiátricos. Rev Enferm UFPE. 2015;9(2):910-17.

Duarte MLC, Carvalho J, Brentano V. Percepção dos familiares acerca do grupo de apoio realizado em uma unidade de internação psiquiátrica. Rev Gaúch Enferm. 2018;39:e2017-0115.

Gama CAP, Campos RTO, Ferrer AL. Saúde mental e vulnerabilidade social: a direção do tratamento. Rev Latinoam Psicopatol Fundam. 2014;17(1):69-84.

Ministério da Saúde (BR). Portaria GM n. 336, de 19 de fevereiro de 2002. Define e estabelece diretrizes para o funcionamento dos Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: MS; 2002.

Weber CAT, Juruena MF. Inclusão de usuários de hospital-dia em saúde mental: uma revisão. Psicol Saúde Doenças. 2014;15(3):790-9.

Pacheco SUC, Rodrigues SR, Benatto MC. A importância do empoderamento do usuário de CAPS para a (re)construção do seu projeto de vida. Mental. 2018;12(22):72-89.

Franzmann UT, Kantorski LP, Jardim VMR, Treichel CAS, Oliveira MM, Pavani FM. Fatores associados à percepção de melhora por usuários de Centros de Atenção Psicossocial do Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2017;33(7):00085216

Pereira AR, Joazeire G. Percepção da internação em hospital psiquiátrico por pacientes com diagnóstico de esquizofrenia. Mundo Saúde. 2015;39(4):476-83.

Miranda FAC, Coelho EBS, Moré CLOO. Projeto terapêutico singular Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2012.

Ribeiro MC, Waldes CB, Ribeiro MC, Bezerra WC. A reabilitação psicossocial como estratégia de cuidado: percepções e práticas desenvolvidas por trabalhadores de um serviço de saúde mental. Rev Enferm UFPE. 2015;9(2):910-17.

Gonzales AM. Planos de Ações na Promoção e Prevenção de Transtornos em Saúde Mental na Atenção Primária à Saúde [monografia]. Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais; 2015.

Zanardo GLP, Silveira LHC, Rocha CMF, Rocha KB. Internações e reinternações psiquiátricas em um hospital geral de Porto Alegre: características sociodemográficas, clínicas e do uso da Rede de Atenção Psicossocial. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(3):460-74.

Xavier MS, Terra MG, Silva CT, Mostardeiro SCTS, Silva AD, Freitas FF. O significado da utilização de psicofármacos para indivíduos com transtorno mental em acompanhamento ambulatorial. Esc Anna Nery. 2014;18(2)323-9.

Xavier MS, Terra MG, Silva CT, Souto VT, Mostardeiro SCTS, Vasconcelos RO. A utilização de psicofármacos em indivíduos com transtorno mental em acompanhamento ambulatorial. Enferm Glob. 2014;13(36):114-25.

Guedes AC, Olschowsky A, Kantorski LP, Antonacci MH. Transferência de cuidados: processo de alta dos usuários de um centro de atenção psicossocial. Rev Eletrônica Enferm. 2017;19:43794.

Brito ESV, Arena CA. Access to information on diagnosing and hospitalizing an individual with mental illness. SMAD, Rev Eletrônica Saúde Mental Alcool Drog. 2015;11(1):11-8.

Silva JC, Herzog LM. Psicofármacos e psicoterapia com idosos. 2015;27(2):438-48.

Maier ES, Mello AL, Siqueira DF, Terra MG. Instrumento para encaminhamento de usuários a serviços substitutivos de saúde mental: relato de experiência. Rev Soc Hum. 2017;30(3):205-12.

Zanardo GL, Bianchessi DLC, Rocha KB. Dispositivos e conexões da rede de atenção psicossocial (RAPS) de Porto Alegre – RS. Est Inter Psicol. 2018;9(3):80-101.

World Health Organization. Health promotion evaluation: recommendations to policymakers. Copenhagen: European Working Group on Health Promotion Evaluation; 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2019.9394

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia