Práticas integrativas e complementares - análise documental e o olhar de profissionais da saúde

Luciana Elisabete Savaris, Beatriz Böger, Anna Claudia Savian, Andressa Siqueira Jansen, Milene Zanoni da Silva

Resumo


Objetivo: Investigar a implantação das práticas integrativas e complementares e avaliar o uso, formação e aceitação dessas práticas pelos profissionais que atuam na Atenção Primária à Saúde (APS). Métodos: Estudo dividido em dois momentos: a) documental retrospectivo, realizado pela leitura sistemática dos relatórios das Conferências Municipais de Saúde (2005-2015) de Curitiba, Paraná, Brasil, identificando propostas relativas à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC); b) quantitativo transversal, realizado em um Distrito Sanitário de Saúde do município analisado, em 2017, com 240 profissionais de Unidades Básicas de Saúde (UBS). Coletaram-se os dados a partir de entrevista semiestruturada, a qual incluiu variáveis socioeconômicas e as práticas integrativas e complementares (PIC): conhecimento da PNPIC; formação em PIC; desenvolvimento de PIC na APS; acesso ao encaminhamento; ser usuário de PIC; opinião sobre benefícios das PIC na APS. Os resultados foram analisados por meio de frequências e percentuais. Resultados: Das 2.975 propostas analisadas, identificaram-se 20 referentes à PINPIC, o que representa 0,71% do total. Os dados primários apontam que 81,3% (n=195) dos profissionais desconhecem a PNPIC, 98,7% (n=237) acreditam nos benefícios da oferta da APS, 5,8% (n=14) possuem formação e, destes, 2,1% (n=5) ofertam PIC na APS. Conclusão: A proposta de implantação de PIC no município investigado é incipiente. No distrito sanitário estudado existe pouca utilização, embora haja um crescente interesse e aceitação das PIC pelos profissionais da saúde que atuam na APS.

Palavras-chave


Terapias Complementares; Homeopatia; Acupuntura; Sistema Único de Saúde

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Sousa IMC, Tesser CD. Medicina tradicional e complementar no Brasil: inserção no Sistema Único de Saúde e integração com a atenção primária. Cad Saúde Pública. 2017;33(1):1-15.

Tesser CD, Sousa IMC, Nascimento MC. Práticas integrativas e complementares na Atenção Primária à Saúde brasileira. Saúde Debate. 2018;42(1):174-88.

Organização Mundial da Saúde. Estrategia de la OMS sobre medicina tradicional 2014-2023 [Internet]. Genebra: OMS; 2013 [acesso em 2017 Jul 17]. Disponível em: http://apps.who.int/medicinedocs/documents/s21201es/s21201es.pdf

Savaris LE, Martins SAK, Szpak R, Cordeiro AM, Boger B, Zanoni MS. Práticas integrativas e complementares: Incorporação no SUS e impactos na qualidade de vida da população. In: Moreira RM, Sousa LMM, Valentim OS, José HMG. Qualidade de vida e saúde em uma perspectiva interdisciplinar. Curitiba: CRV; 2019. p. 147-58.

Luz MT. As novas formas da saúde: práticas, representações e valores culturais na sociedade contemporânea. Rev Bras Saúde Família. 2008;9:8-19.

Ivo AMS, Malta DC, Freitas MIF. Modos de pensar dos profissionais do Programa Academia da Saúde sobre saúde e doença e suas implicações nas ações de promoção de saúde. Physis. 2019;29(1):e290110.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 971, de 4 de maio de 2006. Dispõe sobre a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União 4 de maio 2006.

Ministério da Saúde (BR). Mais 10 práticas integrativas são inseridas na PNPIC [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2018 [acesso em 2017 Jul 20]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42737-ministerio-da-saude-inclui-10-novas-praticas-integrativas-no-sus

Lima CA, Santos AMVS, Messias RB, Costa FM, Barbosa DA, Oliveira e Silva CS, et al. Práticas integrativas e complementares: utilização por agentes comunitários de saúde no autocuidado. Rev Bras Enferm. 2018;71(6): 2682-88.

Amado DM, Rocha PRS, Ugarte AO, Ferraz CC, Lima MC, Carvalho FFB. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde 10 anos: avanços e perspectivas. J Manage Prim Heal Care. 2017;8(2):290-308.

Lima KMSV, Silva KL, Tesser CD. Integrative and complementary practices and the relationship with health promotion: experience of a municipal healthcare service. Interface (Botucatu) [Internet]. 2013 [acesso em 2017 Jul 17];18(49):261-72. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832014005030133&script=sci_abstract

Contatore AO, Barros NF, Durval MR, Barrio PCCC, Coutinho BD, Santos JÁ, et al. Uso, cuidado e política das práticas integrativas e complementares na Atenção Primária à Saúde. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(10):3263-73.

Campos GW, Barros RB, Castro AM. Avaliação de política nacional de promoção da saúde. Ciênc Saúde Colet. 2004;9(3):745-49.

Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba. Conferências Municipais [Internet]. [data desconhecida] [acesso em 2017 Jul 17]. Disponível em: http://www.saude.curitiba.pr.gov.br/cms/conferencias.html

Soares DP, Coelho AM, Silva LEA, Silva RJR, Linard LLP, Fernandes MC. Fatores intervenientes das práticas integrativas e complementares em saúde na Atenção Básica pelos enfermeiros. Rev Enferm Atenção Saúde. 2019;8(1):93-102.

Randow R, Campos KC, Roquete FF, Silva LTH, Duarte VES, Guerra VA. Periferização das práticas integrativas e complementares na atenção primária à saúde: desafios da implantação do Lian Gong como prática de promoção à saúde. Rev Bras Promoç Saúde. 2016;29(Supl):111-7.

Nascimento MC, Barros NF, Nogueira MI, Luz MT. A categoria racionalidade médica e uma nova epistemologia em saúde. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(12): 3595-3604.

Marsiglia RMG. Perfil dos trabalhadores na atenção básica em saúde no município de São Paulo: região norte e central da cidade. Rev Saúde Soc. 2011;20(4):900-11.

Thiago SCS, Tesser CD. Percepção de médicos e enfermeiros da estratégia de saúde da família sobre terapias complementares. Rev Saúde Pública. 2011;45(2):249-57.

Galhardi WMP, Barros NF, Leite-Mor ACMB. Institucionalização de práticas integrativas e complementares no sistema único de saúde. Hist Cienc Saude-Manguinhos. 2014;21(1):361-3.

Plácido AL, Morais KCS, Silva CP, Tavares FM. Percepção dos gestores das Unidades Básicas de Saúde Sobre as Práticas Integrativas e Complementares. Id on Line Rev Mult Psic. 2019;13(43):465-72.

Sousa IMC, Bodstein RCA, Tesser CD, Santos FAZ, Hortale VA. Práticas integrativas e complementares: oferta e produção de atendimentos no SUS e em municípios selecionados. Cad Saúde Pública. 2012;28(11):2143-54.

Cunha GT. A construção da clínica ampliada na atenção básica. São Paulo: Hucitec; 2005.

Gontijo MBA, Nunes MF. Práticas integrativas e complementares: conhecimento e credibilidade de profissionais no serviço público de saúde. Rev Trab Educ Saúd. 2017;15(1):301-20.

Fontanella F, Speck FP, Piovezan AP, Kulkamp IC. Conhecimento, acesso e aceitação das práticas integrativas e complementares em saúde por uma comunidade usuária do Sistema Único de Saúde na cidade de Tubarão/SC. ACM Arq Catarin Med. 2007;36(2):69-74.

Boing AC, Ribeiro Santiago PH, Tesser CD, Furlan IL, Bertoldi AD, Boing AF. Prevalence and associated factors with integrative and complementary practices use in Brazil. Complement Ther Clin Pract. 2019;27(37):1.

Ischkanian PC, Pelicioni MCF. Desafios das práticas integrativas e complementares no SUS visando a promoção da saúde. Rev Bras Crescimento Desenv Hum. 2011;22(1):233-8.

National Institutes of Health, Department of Health and Human Services. Complementary and Alternative Medicine: what people aged 50 and older discuss with their health care providers [Internet]. 2011 [acesso em 2017 Jan 20]. Disponível em: https://nccih.nih.gov/sites/nccam.nih.gov/files/news/camstats/2010/NCCAM_aarp_survey.pdf

Galvanese ATC, Barros NF, Oliveira AFPL. Contribuições e desafios das práticas corporais e meditativas à promoção da saúde na rede pública de atenção primária no munícipio de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2017;33(12):1-13.

Carvalho JLS, Nobrega MPSS. Práticas integrativas e complementares como recurso de saúde mental na Atenção Básica. Rev Gaúch Enferm [Internet]. 2017 [acesso em 2017 Jan 20];38(4):e2017-0014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v38n4/1983-1447-rgenf-38-04-e2017-0014.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2019.9439

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia