Significados e práticas dietéticas entre idosos diagnosticados com diabetes mellitus tipo 2

Nathielle Brasileiro de Souza Rocha, Andrea dos Santos Souza, Caliana Beatriz de Aguiar Barbosa, Edmeia Campos Meira, Juliana da Silva Oliveira, Isleide Santana Cardoso Santos, Laiza Carvalho Costa

Resumo


Objetivo: Compreender os significados e as práticas dietéticas entre pessoas idosas com diabetes mellitus tipo 2 (DM2). Métodos: Pesquisa qualitativa, realizada entre os meses de setembro de 2016 e março de 2017, por meio de entrevista semiestruturada com 20 idosos diagnosticados com DM2, residentes na cidade de Jequié, Bahia, Brasil. As informações foram tratadas pelo método de análise de conteúdo, modalidade temática, na qual emergiram as seguintes categorias: Decisões dos idosos com DM2 frente às recomendações dietéticas; Significados atribuídos à dieta prescrita por idosos com DM2; “Saio da linha”: flexibilidade nas práticas dietéticas; Facilidades e dificuldades no gerenciamento da dieta. Resultados: Apesar dos idosos compreenderem a importância da dieta, diversas são as formas como agem diante das recomendações dietéticas, desde a adesão total até a não adesão. A dieta é percebida como de difícil tolerância, sem sabor, controlada, repugnante, desvinculada das preferências, capaz de causar sentimentos como tristeza, sensação de fraqueza e morte. Os idosos flexibilizam as recomendações dietéticas, buscando adaptar-se a sua condição de saúde. O manejo da dieta demonstrou ser central e complexo, haja vista a necessidade de uma ruptura cultural. Conclusão: Os idosos reinterpretam e adaptam as explicações biomédicas, pois valorizam a cultura, a sociabilidade e o prazer sensorial. Práticas intersetoriais, interdisciplinares e inovadoras são recomendadas para resultados mais efetivos no gerenciamento da dieta.

Palavras-chave


Diabetes Mellitus; Doença Crônica; Alimentos, Dieta e Nutrição; Conhecimentos, Atitudes e Práticas em Saúde

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Oliveira JEP, Montenegro RM Jr., Vencio S, organizadores. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2017-2018. São Paulo: Ed Clannad; 2017.

International Diabetes Federation. IDF Diabetes Atlas [Internet]. 7th ed. Brussels, Belgium: International Diabetes Federation; 2017 [acesso em 2019 Out 03]. Disponível em: https://idf.org/e-library/epidemiology-research/diabetes-atlas.htm

Barsaglini RA, Canesqui AM. A alimentação e a dieta alimentar no gerenciamento da condição crônica do diabetes. Saúde Soc São Paulo. 2010;19(4):919-32.

Buchmann M, Wermeling M, Lucius-Hoene G, Himmel W. Experiences of food abstinence in patients with type2 diabetes: a qualitative study. BMJ Health Care Inform. 2016;6(1):e008907.

Habte BM, Kebede T, Fenta TG, Boon H. Explanatory models of adult patients with type 2 diabetes mellitus from urban centers of central Ethiopia. BMC Res Notes. 2016;9(1):441.

World Health Organization. Global health risks: mortality and burden of disease attributable to selected major risks. Geneva: WHO; 2009.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância à Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed. Rio de Janeiro: Hucitec; 2010.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Hipertensão Arterial Sistemica (HAS) e Diabetes Mellitus (DM): protocolo. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Melo DM, Barbosa AJG. O uso do Mini-Exame do Estado Mental em pesquisas com idosos no Brasil: uma revisão sistemática. Cienc Saúde Colet. 2015;20(12):3865-76.

Ministério da Saúde (BR). Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Nascimento LCN, Souza TV, Oliveira ICS, Moraes JRMM, Aguiar RCB, Silva LF. Theoretical saturation in qualitative research: an experience report in interview with schoolchildren. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018 [acesso em 2019 Out 03];71(1):228-33. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v71n1/0034-7167-reben-71-01-0228.pdf

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Castro-Sánchez AE, Ávila-Ortíz MN. Changing Dietary Habits in Persons Living With Type 2. J Nutr Educ Behav. 2013;45(6):761-66.

El-Sayed EF, Awadalla H, Noor SK, Elmadhoun WM, Sulaiman AA, Almobarak A O, et al. Sugar intake in Sudanese individuals was associated with some features of the metabolic syndrome: Population based study. Diabetes Metab Syndr. 2018;12(3):245-50.

García-Reza C, Campuzano EC, Torres DG, Tlachino MJGT, Garcia BCS. La percepción de un grupo de hombres sobre La Diabetes Mellitus: contribuciones a la enfermeira. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014;18(4):562-69.

Silva VP, Cardenas CJ. A comida e a sociabilidade na velhice. Rev Kairós. 2007;10(1):51-69.

Valentim SA, Haddad MCL, Rossaneis MA. Difficulties experienced by diabetesmellitus carriers residents in rural district. J Nurs UFPE. 2015;9(4):7330-7.

Dolina JV, BellatoR, Araújo LFS. O adoecer e morrer de mulher jovem com câncer de mama. Cienc Saúde Colet. 2013;18(9):2671-80.

Barbosa MAG, Almeida AMR, Figueiredo MA, Negromonte AG, Silva JSL, Viana MGS, et al. Alimentação e Diabetes mellitus: percepção e consumo alimentar de idosos no interior de Pernambuco. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(3):370-78.

Silocchi C, Junges JR. Equipes de atenção primária: dificuldades no cuidado de pessoas com doenças crônicas não transmissíveis. Trab Educ Saúde. 2017;15(2):599-615.

Santos LM, Sampaio JRF, Borba VFC, Luz DCRP, Rocha BEM. Avaliação do hábito alimentar e estado nutricional de idosos com diabetes mellitus tipo 2 atendidos na atenção básica de saúde do município de Porteiras-CE. Rev E-Ciência. 2017;5(1):69-7.

Rodrigues HAF. Alimentação como fonte de sociabilidade e de hospitalidade. Rev Eletrônica Cienc Sociais. 2012;12(1):85-100.

Sawyer MT, Deines CK. Missingthe Mark With Latina Women With Type 2 Diabetes: Implications for Educators. Diabetes Educ. 2013;39(5):671-8.

Oliveira FCR, Hoffmann R. Consumo de alimentos orgânicos e de produtos light ou diet no Brasil: fatores condicionantes e elasticidades-renda. Segur Aliment Nutr. 2015;22(1):541-57.




DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2019.9518

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia