Vai ao Rock in Rio? A Constituição da Prática de Consumo em um Enfoque Narrativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.2022.28.e11412

Palavras-chave:

Teoria da prática, Consumo, Análise de narrativas, Schatzki, Rock in Rio.

Resumo

Objetivo: considerando as atuais edições do Rock in Rio, o artigo identificou como ocorrem e se configuram as práticas de consumo no Festival. Métodos: entrevistaram-se consumidores que já frequentaram o Festival, e utilizou-se da técnica de análise de narrativas para descrever a estrutura de governança e elementos materiais que geram a inteligibilidade prática do consumo. Resultados: as narrativas são expostas em cinco momentos: a contextualização histórica; o processo de compra de ingressos; os preparativos necessários; a chegada até o local; e os itinerários mediante os objetivos dos consumidores no Festival. Para situar as narrativas em uma perspectiva cronológica, apresenta-se uma linha do tempo associada com os elementos geradores de inteligibilidade prática do consumo. Conclusões: compreender as narrativas dos consumidores do Rock in Rio em uma perspectiva teórica das práticas de consumo, pode trazer benefícios para a organização do Festival e resultar em uma melhor experiência ao consumidor.

Biografia do Autor

Álvaro Leonel de Oliveira Castro, Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Doutorando em Administração pela Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Daniel Carvalho de Rezende, Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Doutor em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Professor Associado da Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Valéria da Glória Pereira Brito, Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Doutora em Administração - Organizações e Sociedade pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora Associada da Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Referências

Adams, T. E., Jones, S. H., & Ellis, C. (2014). Autoetnography. Oxford Univesity.

Castro, A. L. O., Rezende, D. C., & Antonialli, L. M. (2019). Rock in Rio e suas atrações: o festival navega no oceano azul. Anais do Vigésimo Segundo Seminários em Administração – SEMEAD. FEA-USP. Link

Evans, D. M. (2019). What is consumption, where has it been going, and does it still matter? The Sociological Review, 67(3), 499-517. DOI: 10.1177/0038026118764028

Fina, A., & Georgakopoulou, A. (2008). Analyzing narratives as practices. Qualitative Research, 8(3), 379-387. DOI: 10.1177/1468794106093634

Fischer, E., Castilhos, R. B., & Fonseca, M. J. (2014). Entrevista qualitativa na pesquisa de marketing e do consumidor: abordagens paradigmáticas e orientações. Revista Brasileira de Marketing, 13(4), 67-79. DOI: 10.5585/remark.v13i4.2762

Freitas, R. F., & Lins, F. (2017). Leisure, media, and consumption: the flavour of Rock in Rio. In K. Spracklen, B. Lashua, E. Sharpe & S. Swain (Eds.), The palgrave handbook of leisure theory (pp. 617-632). Palgrave Macmilan.

Freitas, R. F., Elias, R.V., & Azevedo, E. C. (2012). Sexo, drogas e Rock in Rio: um estudo sobre campanhas de prevenção em megaeventos. Anais do Encontro Anual da Compós, Universidade Federal de Juiz de Fora.

Halkier, B., Katz-Gerro, T., & Martens, L. (2011). Apllying practice theory to the study of consumption: theoretical and methodological considerations. Journal of Consumer Culture, 11(3), 3-13. DOI: 10.1177/1469540510391765

Magaudda, P. (2011). When materiality ‘bites back’: Digital music consumption practices in the age of dematerialization. Journal of Consumer Culture, 11(1), 15-36. DOI: 10.1177/1469540510390499

Nicolini, D., & Monteiro, P. (2016). The Practice Approach: For a praxeology of organisational and management studies. In A. Langley, & H. Tsoukas (Eds.), The SAGE handbook of process organization studies (pp. 110-126). Sage.

Orlikowski, W. J. (2015). Practice in research: Phenomenon, perspective and philosophy. In D. Glosorkhi, L. Rouleau, D. Seidl, & E. Vaara (Eds.), Cambridge handbook of strategy as practice (2nd ed., pp. 70-83). Cambridge University Press.

Reckwitz, A. (2002). Toward a theory of social practices: A development in culturalist theorizing. European Journal of Social Theory, 5(2), 243–263. DOI: 10.1177/13684310222225432

Ribeiro, T. D., Ferreira, P. A., & Vaz, M. J. (2018). Creating shared value in Rock in Rio business model, Proceedings of 13th Iberian Conference of Information Systems and Technologies – CISTI. IEEE. DOI: 10.23919/CISTI.2018.8399348

Santos, L. L. S., & Silveira, R. A. (2015). Por uma epistemologia das práticas organizacionais: a contribuição de Theodore Schatzki. Organizações & Sociedade, 22(72), 79-98. DOI: 10.1590/1984-9230724

Saraiva, L. A. S. (2007). Métodos narrativos de pesquisa: uma aproximação. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 5(2), 119-134. Link

Sauerbronn, J. F. R., Cerchiaro, I. B., & Ayrosa, E. A. T. (2011). Uma discussão sobre métodos alternativos em pesquisa acadêmica em marketing. Gestão e Sociedade, 5(12), 254-269. DOI: 10.21171/ges.v5i12.1374

Schatzki, T. R. (2001). Introduction: Practice theory. In T. R. Schatzki, K. K. Cetina, & E. von Savigny (Eds.), The practice turn in contemporary theory (pp. 1-14). Routledge.

Schatzki, T. R. (2003). A new societist social ontology. Philosophy of the Social Sciences, 33(2), 174-202. DOI: 10.1177/0048393103033002002

Schatzki, T. R. (2005). Peripheral vision: The sites of organizations. Organization Studies, 26(3), 465-84. DOI: 10.1177/0170840605050876

Schatzki, T. R. (2012). A Primer on Practices. In J. Higgs, R. Barnett, S. Billett, M. Hutchings, & F. Trede (Eds.). Practice-based education: Perspectives and strategies (pp. 13-26). Springer.

Schütze, F. (2014). Análise sociológica e linguística de narrativas. Civitas - Revista de Ciências Sociais, 14(2), 11-52. DOI: 10.15448/1984-7289.2014.2.17117

Shankar, A., Elliott, R., & Goulding, C. (2001). Understanding Consumption: Contributions from a Narrative Perspective. Journal of Marketing Management, 17(3), 429-453. DOI: 10.1362/0267257012652096

Skandalis, A., Banister, E., & Byrom, J. (2016). Marketplace orchestration of taste: insights from the Bridgewater Hall. Journal of Marketing Management, 32(9), 1-18. DOI: 10.1080/0267257X.2016.1187196

Skandalis, A., Banister, E., & Byrom, J. (2017). The spatial aspects of musical taste: Conceptualizing consumers’ place-dependent identity investments. Marketing Theory, 18(2), 249-265. DOI: 10.1177/1470593117732464

Stewart, C., & Cash Jr., W. (2015). Técnicas de entrevista: estruturação e dinâmica para entrevistados e entrevistadores (14ª Ed.). AMGH.

Vieira, F. G. D. (2013). Perspectivas e limites da pesquisa qualitativa na produção de conhecimento em Marketing. Revista de Negócios, 18(1), 10-24. DOI: 10.7867/1980-4431.2013v18n1p10-24

Warde, A. (2005). Consumption and Theories of Practice. Journal of Consumer Culture, 5(2), 131-153. DOI: 10.1177/1469540505053090

Warde, A. (2014). After taste: Culture, consumption and theories of practice. Journal of Consumer Culture, 14(3), 279-303. DOI: 10.1177/1469540514547828

Warde, A. (2015). The sociology of consumption: Its recent development. The Annual Review of Sociology, 41, 117-134. DOI: 10.1146/annurev-soc-071913-043208

Downloads

Publicado

09.05.2022

Como Citar

CASTRO, Álvaro L. de O.; REZENDE, D. C. de; BRITO, V. da G. P. Vai ao Rock in Rio? A Constituição da Prática de Consumo em um Enfoque Narrativo. Revista Ciências Administrativas, [S. l.], v. 28, p. e11412, 2022. DOI: 10.5020/2318-0722.2022.28.e11412. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/rca/article/view/11412. Acesso em: 1 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos