Um sopro de destruição de José Augusto Pádua

Danielle Coimbra

Resumo


A destruição do meio ambiente no Brasil, desde a sua descoberta, tem sido feita de maneira empírica e sistemática, o que
gerou um padrão de desenvolvimento baseado no descaso em relação aos recursos naturais do país.
De acordo com a obra de José Augusto Pádua, a exploração do meio ambiente no Brasil colonial escravista tinha como
principais pressupostos o mito de que os recursos naturais eram inesgotáveis. Ressaltaram-se o desprezo dos colonizadores pela
natureza tropical, a mentalidade imediatista e o parasitismo predatório. “Valia a lei do menor esforço na economia brasileira. A
cultura imediatista colonial não tinha qualquer cuidado na utilização dos recursos naturais”. Porém, o que a maioria das pessoas
não sabe é que, apesar disto, antes mesmo de se tornar independente de Portugal, o Brasil já ensaiava críticas às práticas
econômicas predatórias.



DOI: https://doi.org/10.5020/2318-0722.8.2.%25p

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Ciências Administrativas, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0722

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia