Empreendimentos extrativistas como alternativas para geração de renda: do sonho ambientalista à realidade do estudo de mercado

Autores

  • Jorge Madeira Nogueira Universidade de Brasília
  • Antonio Nascimento Junior Universidade de Brasília
  • Leiner Bastos Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.5020/2318-0722.15.1.%25p

Resumo

A ideologia conservacionista tem o extrativismo vegetal como uma de suas estratégias favoritas, para evitar a remoção da cobertura natural, garantindo, assim, a conservação da diversidade biológica. Em sua cruzada extrativista,ecologistas esquecem que a sustentabilidade ambiental de qualquer alternativa é positivamente correlacionada com a sua viabilidade econômica e social. Este artigo analisa o extrativismo como alternativa empresarial e apresenta os resultados de estudos de mercado e de planos de negócio para quatro produtos extrativos do cerrado brasileiro. A avaliação do mercado para os quatro produtos extrativos considerados (buriti, fava d´anta, baru e pequi) sugere cautela em termos das perspectivas do comportamento da demanda por esses produtos. Apesar das especificidades de cada um deles, das características da demanda atual, de suas alternativas de uso, da existência de produtos substitutos adequados para o mesmo uso e da elasticidade de renda da demanda, medidas efetivas de apoio ao extrativismo desses produtos devem ser implementadas, para que eles possam efetivamente representar uma alternativa de renda sustentada para os que deles dependem em seu sustento.

Biografia do Autor

Jorge Madeira Nogueira, Universidade de Brasília

Professor Titular de Departamento de Economia da Universidade de Brasília.

Antonio Nascimento Junior, Universidade de Brasília

Professor Assistente do Departamento de Administração da UnB.

Leiner Bastos, Universidade de Brasília

Bacharel em Economia pela UnB.

Downloads

Como Citar

Nogueira, J. M., Junior, A. N., & Bastos, L. (2010). Empreendimentos extrativistas como alternativas para geração de renda: do sonho ambientalista à realidade do estudo de mercado. Revista Ciências Administrativas, 15(1). https://doi.org/10.5020/2318-0722.15.1.%p

Edição

Seção

Artigos