A psicodinâmica do trabalho nas fases do capitalismo: análise comparativa do taylorismo-fordismo e do toyotismo nos contextos do capitalismo burocrático e do capitalismo flexível

Juliana Carvalho Sousa, Ana Cristina Batista Dos Santos

Resumo


O estudo apresenta os resultados de uma pesquisa sobre a psicodinâmica do trabalho (PDT) nas fases recentes do capitalismo, analisando-se comparativamente o taylorismo-fordismo e o toyotismo nos contextos do capitalismo burocrático e capitalismo flexível respectivamente. Metodologicamente, o estudo foi realizado por meio de uma pesquisa qualitativa do tipo bibliográfica, utilizando-se a técnica da análise temática de conteúdo de maneira similar à análise dos núcleos de sentido (ANS). Os resultados são apresentados a partir do frame teórico da PDT, articulando suas dimensões de contexto (condições de trabalho, organização do trabalho, relações de trabalho) e suas dimensões de conteúdo (carga psíquica, prazer-sofrimento, saúde-adoecimento e estratégias de defesa), em cada um dos modelos de produção-gestão investigados. Conclui-se que a PDT é qualitativamente mais complexa no modelo toyotista (capitalismo flexível), dado o peso da dimensão subjetiva e algumas ilegibilidades do contexto de trabalho atual, do que quando imperava apenas o modelo de produção taylorista/fordista (capitalismo burocrático). Como proposta para estudos futuros tem-se a investigação da PDT em configurações diversas, não necessariamente restritas ao contexto de uma organização formal de trabalho.

Texto completo:

PDF XML


DOI: https://doi.org/10.5020/2318-0722.23.1.186-216

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Ciências Administrativas, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0722

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia