Inteligência emocional do funcionário como substituto da liderança transformacional

Juliano Domingues, Jéssica Santos Pereira, Thaynara Maísa Silva, Ana Tereza Freitas Delapedra, Isabela Silva Pontes

Resumo


A literatura sugere que a liderança transformacional e a inteligência emocional desempenham um papel significativo na motivação dos funcionários no local de trabalho (i.e., engajamento no trabalho, desempenho no trabalho e satisfação no trabalho). Embora seja relevante o papel do líder transformacional, Kerr e Jermier (1978) destacaram situações do contexto do trabalho em que o líder pode ser substituído, uma vez que se sua atuação se torna redundante para o funcionário. Neste artigo, propõe-se que a inteligência emocional é uma característica do subordinado que substitui o líder transformacional na motivação do trabalho. Um levantamento online foi realizado com 163 funcionários que ocupam diferentes cargos e posição hierárquica de organizações de diversos setores econômicos. As análises estatísticas de correlação e regressão linear múltipla foram realizadas com o software Jasp. Os resultados desta pesquisa mostram que tanto a liderança transformacional quanto a inteligência emocional do funcionário aumentam o engajamento, desempenho e satisfação no trabalho. No entanto, quando a inteligência emocional do funcionário é alta, a liderança transformacional não é necessária para que o mesmo tenha elevados índices de desempenho e satisfação no trabalho.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Ciências Administrativas, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0722

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia