Uma reflexão epistemológica sobre o status científico da administração sob a ótica dos critérios de demarcação científica de Popper, Kuhn e Lakatos

Eduardo Damião da Silva, Rodrigo Souza da Costa

Resumo


Este trabalho teve como objetivo discutir epistemologicamente a cientificidade da administração. Para isso, primeiramente foram colocadas algumas conceituações sobre o método científico para, em seguida, recorrer-se aos critérios de demarcação científica abordadas por Karl Popper, Thomas Kuhn e Imre Lakatos, e quais suas decorrências para conceituar-se a administração como ciência. Pode-se inferir que a administração apresenta características que permitem classificá-la como uma área científica. Isso é dito depois de verificar-se a possibilidade de falseamento de estudos conforme a ideia do falseacionismo sofisticado de Popper. O mesmo ocorre no que se refere aos postulados sobre os paradigmas de Thomas Kuhn. Também se adequa, de forma mais visível aos programas de pesquisa apresentados por Lakatos. Por fim, se conclui que a administração possui um objeto de estudo, ainda em processo de formação, o que faz que a área seja uma ciência nova. A administração é uma ciência prática, pois está relacionada com a resolução de problemas da realidade, mas não somente se ocupa com a solução de problemas, senão também aumenta seu conhecimento de seu objeto e da realidade.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Ciências Administrativas, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0722

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia