Inovações Gerenciais em Evidência: Uma Análise baseada na Percepção de Gestores

Ana Paula Moreno Pinho, Mara Rosalia Ribeiro Silva, Marina Freire de Paiva Ramos Souza, Jose Carlos Lazaro

Resumo


O objetivo geral deste artigo é analisar a percepção dos gestores sobre o fenômeno da inovação gerencial em uma empresa cimenteira no Brasil. Utilizou-se o modelo de sistemas abertos de Quinn (2003), cujas competências gerenciais estão relacionadas a concepções de poder, negociação, novas ideias, mudança organizacional e criatividade. Esta pesquisa qualitativa foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas, orientadas por tiras de papeis, que contribuíram para promover dinamicidade durante a coleta de dados. A análise foi feita por meio da análise de conteúdo e a codificação das informações foi realizada pelo software de pesquisa qualitativa ATLAS.ti 7. A partir da análise, percebeu-se que a apresentação e o compartilhamento de novas ideias são considerados por eles como principais elementos relacionados ao fenômeno da inovação gerencial. Além disso, os gestores perceberam que a estrutura organizacional proporciona condições para um desempenho gerencial inovador, contribuindo para o processo de implementação de inovações gerenciais.

Palavras-chave


inovações gerenciais; competências gerenciais; gestão organizacional.

Texto completo:

PDF

Referências


AIRES, R. F. F.; BRAGA, L. G.; SILVEIRA NETO, J. C.; ARAÚJO, A. G. Apoio à decisão de compra na indústria de cimentos e derivados. Revista Pretexto, Belo Horizonte, v. 17, n. 4, p. 28-46, 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BATTAGIN, A. Ações da indústria de cimento em direção da sustentabilidade – aspectos ambientais. In: SEMINÁRIO COPEL DE SUSTENTABILIDADE, 2010, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: IBRACON, 2010.

BIRKINSHAW, J.; HAMEL, G.; MOL, M. J. Management innovation. Academy of Management Review, [S. l.], v. 33, n. 4, p. 825-845, 2008.

CASTRO, J. M.; BASQUES, P. V. Mudança e inovação organizacional: estudo de caso em uma empresa do cluster de biotecnologia em Minas Gerais. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 7, n 1, p. 71-95, 2006.

CARBONE, P.; BRANDÃO, H.; LEITE, J. Gestão por competências e gestão do conhecimento. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

ČERNE, M.; KAŠE, R.; ŠKERLAVAJ, M. Non-technological innovation research: evaluating the intellectual structure and prospects of na emerging field. Scandinavian Journal of Management, [S. l.], v. 32, p. 69-85, 2016.

CHANDLER, A. D. Strategy and structure. In: FOSS, N. J. (org.). Resources firms and strategies - a reader in the resource-based perspective. Oxford: Oxford University Press, p. 40-51, 1997.

CHESBROUGH, H. W. Open innovation. Boston: Harvard Business School Press, 2003.

CHRISTENSEN, C. M. The innovator’s dilemma. Boston: Harvard Business School Press, 1997.

COUTINHO, P.; BOMTEMPO, J. V. Inovações de produto em uma empresa petroquímica. Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 24-39, 2007.

CUNHA, N. C. V.; PALMA, M. A. M.; SANTOS, S. A. D. As práticas gerenciais promovendo a capacidade de inovação: estudo de múltiplos casos. Revista ADM. MADE, Rio de janeio, v. 12, n. 3, p. 107-132, 2008.

DAMANPOUR, F. Footnotes to research on management innovation. Organization Studies, [S. l.], v. 35, n. 9, p. 1265-1285, 2014.

DAMANPOUR, F.; ARAVIND, D. Managerial innovation: conceptions, processes, and antecedents. Management and Organization Review, [S. l.], v. 8, p. 423-454, 2011.

DAVILA, T.; EPSTEIN, Marc J; SHELTON, Robert. As regras da inovação. Como gerenciar, como medir e como lucrar. Porto Alegre: Bookman, 2007.

DOUGLAS, M. A.; OVERSTREET, R. E.; HAZEN, B. T. Art of the possible or fool’s errand? Diffusion of large-scale management innovation. Business Horizons, [S. l.], v. 59, n. 4, p. 379-389, 2016.

DODGSON, M.; GANN, D.; PHILLIPS, N. The Oxford handbook of innovation management. Oxford: University Press, 2015.

ELENKOV, D. S.; JUDGE, W.; WRIGHT, P. Strategic leadership and executive innovation influence: an international multi-cluster comparative study. Strategic Management Journal, [S. l.], v. 26, n. 7, p. 665- 682, 2005.

FAGERBERG, J.; MOWERY, D. C.; NELSON, R. The Oxford handbook of innovation. Oxford; New York: Oxford University Press, 2006.

FIATES, G.; FIATES, J. ; SERRA, F.; FERREIRA, M. Innovation environment in small technology-based companies. Journal of Technology Management & Innovation, [S. l.], v. 5, n. 3, p. 81-95, 2010.

FREJ, T. A.; ALENCAR, L. H. Fatores de sucesso no gerenciamento de múltiplos projetos na construção civil em Recife. Production, [S. l.], v. 20, n. 3, p. 322-334, 2010.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GRAY, D. Pesquisa no mundo real. Porto Alegre: Penso, 2012.

HAGUENAUER, L. A indústria brasileira do cimento. In: GARCIA, F.; FARINA, E. M. M. Q.; ALVES, M. C. (org). Padrão de concorrência e competitividade da indústria de São Paulo: Singular, 1997. p. 135-170.

Hamel, G. The why, what and how of management innovation. Harvard Business Review, [S. l.], p. 1-12, 2006.

HASELHUHN, M. P. Support theory in negotiation: how unpacking aspirations and alternatives can improve negotiation performance. Journal of Behavioral Decision Making, [S. l.], v. 28, p. 11-13, 2015.

Hero, L., Lindfors, E., ; Taatila, V. Individual innovation competence: a systematic review and future research agenda, International Journal of Higher Education, [S. l.], v. 6, n. 5, p. 103-121, 2017.

ISIDRO FILHO, A.; GUIMARÃES, T. A. Conhecimento, aprendizagem e inovação em organizações: uma proposta de articulação conceitual. Revista de Administração e Inovação, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 127-149, 2010.

KELLEY, K. M.; BISEL, R. S. Leaders’ narrative sensemaking during LMX role negotiations: Explaining how leaders make sense of who to trust and when. The Leadership Quarterly, [S. l.], v. 25, p. 433-448, 2014.

KIMBERLY, J. R. Managerial innovation. Handbook of organizational design, [S. l.], v. 1, n. p. 84-104, 1981.

KHOSRAVI, P.; NEWTON, C.; REZVANI, A. Management innovation: a systematic review and meta-analysis of past decades of research, European Management Journal, [S. l.], v. 36, n. 6, 2019.

LAM, A. Organizational innovation. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D.; NELSON, R. The Oxford handbook of innovations. Oxford, U. K.: Oxford University Press, 2006. p. 115-147.

LIN, H.; SU, J. A case study on adoptive management innovation in China, Journal of Organizational Change Management, [S. l.], v. 27, n. 1, p. 83-114, 2014.

LEITE, L. F.; DUTRA, L. E.; ANTUNES, A. M. S. Desenvolvimento tecnológico na indústria do petróleo: o ambiente organizacional e seus aspectos habilitadores e inibidores da inovação. Revista de Administração, [S. l.], v. 41, n. 3, p. 301-314, 2006.

LOPES, D. P. T. Inovação gerencial na perspectiva da gestão de recursos humanos. 2017. 169f. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

MACHADO, L. C. P.; NEIVA, E. R.. Práticas de gestão da mudança: impacto nas atitudes e nos resultados percebidos. Rev. Psicol., Organ. Trab., Brasília, v. 17, n. 1, p. 22-29, mar. 2017.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2009.

MEDEIROS, P. Y.; LEVY, D. C. Análise empírica dos fatores que possibilitaram entradas na indústria de cimento brasileira. Revista de Administração Mackenzie, [S. l.] v. 16, n. 6, p. 220-251, 2015.

MIGUEL, L. A. P.; TEIXEIRA, M. L. M. Valores organizacionais e criação do conhecimento organizacional inovador. Revista de Administração Contemporânea, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 36-56, 2009.

NEELY, A.; HII, J. Innovation and business performance: a literature review. the judge institute of management studies. [S. l.]: University of Cambridge, 1998.

NICKELL, S.; NICOLITSAS, D.; PATTERSON, M. Does doing badly encourage management innovation? Oxford Bulletin of Economics and Statistics, [S. l.], v. 63, n. 1, p. 5-28, 2001.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Manual de Oslo. Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Rio de Janeiro: FINEP, 2005.

PAROLIN, S. R. H.; ALBUQUERQUE, L. G. de. Gestão de pessoas para a criatividade em organizações inovativas. Revista Eletrônica de Administração, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 34-52, 2010.

PINHO, A. Comprometimento, entrincheiramento e consentimento organizacionais: uma análise destes vínculos, entre gestores e trabalhadores, de diferentes organizações. 2009. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

PINHO, A. P. M.; BASTOS, A. V. B.; ROWE, D. E. O. Diferentes vínculos organizacionais: explorando concepções, fatores organizacionais antecedentes e práticas de gestão. Organizações & Sociedade, [S. l.], v. 22, n. 75, p. 659-680, 2015.

QUINN, R. E.; THOMPSON, M.; FAERMAN, S. R.; McGRATH, M. Competências gerenciais: princípios e aplicações. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

SCARPIN, M. R. S.; MACHADO, D. D. P. N. O impacto da cultura sobre ambiente propício ao desenvolvimento de inovações. Revista de Administração e Inovação, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 148-173, 2015.

SCHUMPETER, J. Theorie der wirtschaftlichen Entwicklung. The Economic Journal, [S. l.], v. 23, n. 89, p. 105–106, 1913.

SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DO CIMENTO. Relatório anual da indústria do cimento – relação de fábricas de cimento por região brasileira. Rio de Janeiro, 2014.

Sluis, L. E. C. Designing the workplace for learning and innovation: organizational factors affecting learning and innovation. Development and Learning in Organizations, [S. l.], v. 18, n. 5, p. 10-13, 2004.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VACCARO, I. G.; JANSEN, J. J.; VAN DEN BOSCH, F. A.; VOLBERDA, H. W. Management innovation and leadership: the moderating role of organizational size. Journal of Management Studies, [S. l.], v. 49, p. 28–51, 2012.

VAN DE VEN, A. H.; ANGLE, H. L.; POOLE, M. S. Research on the management of innovation: the Minnesota studies. New York: Oxford University, 2000.

VICENTI, T.; MACHADO, D.D.P.N. Ambiente de inovação em empresas de software: estudo das diferenças entre empresa-mãe e seus spin offs. Revista Eletrônica de Administração, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 38-69, 2010.

VICK, T.; NAGANO, M.S.; SANTOS, F.C.A. Aportes da gestão da informação para a criação de conhecimento em equipes de inovação. Perspectivas em Ciência da Informação, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 204-219, 2009.

VOLBERDA, H. W.; VAN DEN BOSCH, F. A. J.; HEIJI, C. V. Management innovation: management as fertile ground for innovation, European Management Review, [S. l.], n. 10, p. 1-15, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5020/2318-0722.2021.27.1.10458

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Ciências Administrativas, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0722

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia