Contribuições do uso de Redes Sociais Virtuais para o Empreendedorismo Feminino

Darah de Mathias Fontana, Deyvison de Lima Oliveira, Elder Gomes Ramos, Ariadne dos Santos Massaro

Resumo


Mesmo diante da intensificação do uso de redes sociais nos pequenos e médios empreendimentos liderados por mulheres no país, os benefícios de uso desses recursos para o empreendedorismo feminino são pouco conhecidos na literatura e prática empresarial. Assim, esta pesquisa busca identificar quais as contribuições do uso de redes sociais virtuais (RSV) para o empreendedorismo feminino. Para isto, foram realizados estudos de casos múltiplos com três empreendedoras do Cone Sul do estado de Rondônia que usam intensivamente as RSV. Foram utilizadas entrevistas com as empreendedoras e com uma especialista em empreendedorismo feminino, além de observação direta de suas RSV. Por meio de levantamento prévio da literatura, foi possível identificar nove potenciais contribuições do uso de RSV para o negócio. Todas as contribuições encontradas na literatura foram percebidas pelas entrevistadas, além de duas contribuições adicionais: a contribuição das RSV para a demanda inicial de clientes e a importância das RSV para a manutenção do empreendimento, mesmo depois da sua consolidação no mercado.

Palavras-chave


empreendedorismo; gênero; redes sociais virtuais; negócios online; empreendedorismo feminino.

Texto completo:

PDF

Referências


Alperstedt, G. D., Ferreira, J. B., & Serafim, M. C. (2014). Empreendedorismo Feminino: dificuldades relatadas em histórias de vida. Revista de Ciências da Administração, 16(40), 221–234. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2014v16n40p221

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo (4o ed). Edições 70.

Bertolami, M., Artes, R., Gonçalves, P. J., Hashimoto, M., & Lazzarini, S. G. (2018). Sobrevivência de Empresas Nascentes: Influência do Capital Humano, Social, Práticas Gerenciais e Gênero. Revista de Administração Contemporânea, 22(3), 311–335. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2018160121

Braga, G. C., & Coelho, M. D. F. (2018). Marketing Digital: Estratégias de Blogueiras de Moda. Marketing & Tourism Review, 3(2), 1–20. https://doi.org/10.29149/mtr.v3i2.4140

Brandão, M. (2016). Marketing digital e redes sociais: um estudo de caso na formação de mulheres empreendedoras da Economia Solidária no Estado Piauí [Universidade Federal Rural de Pernambuco]. http://www.tede2.ufrpe.br:8080/tede2/bitstream/tede2/7987/2/Markenio Brandao.pdf

Cetic. (2017). TIC Empresas - 2017. https://cetic.br/tics/empresas/2017/microempresas/B13/

Correio, W. de S. C., Correio, J. C. L. dos S., Correio, G. S. P., & Correio, N. R. de A. (2016). O poder das redes sociais online nas manifestações ocorridas no Brasil. Revista De Tecnologia Aplicada, 5(1), 17–31. http://www.cc.faccamp.br/ojs-2.4.8-2/index.php/RTA/article/view/649

Desidério, P. H. M., Bittencourt, I. M., Sobrinho, C. A. C., & Neder, R. (2017). The social media in the projection of regional startups: observations of the profile of the companies in the social networks. International Journal of Innovation, 5(3), 421–434. https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=innovation&page=article&op=view&path%5B%5D=9819

Ferreira, G. F., Bastos, S. A. P., & D’angelo, M. J. (2018). A look at women’s transition from formal labor to self-employment based on endogenous stimuli. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 19(2), 1–26. https://doi.org/10.1590/1678-6971/eramg180086

Ferreira, N. S., & Arruda Filho, E. J. M. (2015). Facebook e Whatsapp: Uma análise das preferências de uso. Reuna, 20(3), 47–64. https://revistas.una.br/reuna/article/view/641

Formanski, F. N., Gonçalo, C. R., Angeloni, M. T., & Formanski, J. G. (2013). Estratégia de relacionamento com o cliente por meio das redes sociais digitais: um estudo de caso no banco do brasil s/a. Reuna, 18(2), 83–98. https://revistas.una.br/reuna/article/view/533

Freitas, R. K. V. de, & Teixeira, R. M. (2016). Identificação de oportunidades empreendedoras por mulheres. Revista Economia e Gestão, 16(44), 81–108. http://periodicos.pucminas.br/index.php/economiaegestao/article/view/P.1984-6606.2016v16n44p81

Gil, A. C. (2008). Métodos e ténicas da pesquisa social (6o ed). Atlas. https://doi.org/10.1590/S1517-97022003000100005

Gimenez, F. A. P., Ferreira, J. M., & Ramos, S. C. (2017). Empreendedorismo Feminino no Brasil: Gênese e Formação de Um Campo de Pesquisa. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 6(1), 40–74. https://doi.org/10.14211/regepe.v6i1.450

Global Entrepreneurship Monitor. (2016). Empreendedorismo no Brasil: 2016. In GEM - Global Entrepreneurship Monitor. https://doi.org/10.3916/c30-2008-01-013

Global Entrepreneurship Monitor. (2018). Empreendedorismo no Brasil. Relatório Executivo 2018. GEM, 26. https://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2019/02/Relatório-Executivo-Brasil-2018-v3-web.pdf

Gomes, A. F., Santana, W. G. P., Araújo, U. P., & Martins, C. M. F. (2014). Empreendedorismo feminino como sujeito de pesquisa. Revista Brasileira de Gestao de Negocios, 16(51), 319–342. https://doi.org/10.7819/rbgn.v16i51.1508

Gomes, B. L., & Mondo, T. S. (2016). A Contribuição das Redes Sociais na Captação de Clientes sob a Percepção dos Gestores Hoteleiros. Revista Brasileira de Marketing, 15(02), 177–194. https://doi.org/10.5585/remark.v15i2.3203

IBQP. (2018). Análise dos resultados do GEM 2017 por faixa etária (Número 41). http://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2018/08/GEM-Análise-por-faixa-etária-2017.pdf

Jonathan, E. G. (2006). Mulheres empreendedoras: medos, conquistas e qualidade de vida. Psicologia em Estudo, 10(3), 373–382. https://doi.org/10.1590/s1413-73722005000300005

MacLennan, M. L. F., Lugoboni, L. F., Zittei, M. V. M., Tabata, R. Y., & Correa, H. L. (2014). Associação entre intensidade de uso de mídias sociais, credibilidade e decisão de compra. Revista de Gestão e Tecnologia, 4(2), 65–77. http://navus.sc.senac.br/index.php/navus/article/view/192

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., & Lampel, J. (2010). Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico (2°). Bookman.

Nunes, C. N. F., & Cruz, L. A. M. (2009). Um estudo do comportamento de mulheres empreendedoras no Distrito Federal. http://livrozilla.com/doc/692792/1-um-estudo-do-comportamento-de-mulheres

Pinochet, L. H. C., Pachelli, I. L., & Rocha, F. M. M. da. (2018). Uso de Métricas em Mídias Sociais e Indicadores de Desempenho do Site e sua Relação com o Valor da Marca em Empresas de Cosméticos no Brasil. Revista Brasileira de Marketing, 17(01), 80–99. https://doi.org/10.5585/remark.v17i1.3581

Recuero, R. (2009). Redes Sociais na Internet. Sulina.

Reis, C., Zucco, F. D., & Dambrós, J. (2009). A gestão colaborativa da marca nas redes sociais virtuais. Revista Brasileira de Marketing, 8(2), 41–54. http://www.revistabrasileiramarketing.org/ojs-2.2.4/index.php/remark/article/viewArticle/2133

Rocha, T. V., Jansen, C. L. S., Lofti, E., & Fraga, R. R. (2013). Estudo Exploratório sobre o uso das Redes Sociais na Construção do Relacionamento com Clientes. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 15(47), 262–282. http://www.scielo.br/pdf/rbgn/v15n47/1806-4892-rbgn-15-47-262.pdf

Sebrae. (2014). Data Sebrae Indicadores - total de empresas. http://sistema.datasebrae.com.br/sites/novo_datasebrae/#Empresas/Total_de_empresas/Grafico

Sebrae. (2018a). Data Sebrae Indicadores - número de empreendedores. http://sistema.datasebrae.com.br/sites/novo_datasebrae/#Empreendedores/Numero_de_empreendedores/Grafico

Sebrae. (2018b). Sexo dos empreendedores. http://sistema.datasebrae.com.br/sites/novo_datasebrae/#Empreendedores/Sexo_dos_empreendedores/Grafico

Sebrae. (2018c). Tranformação Digital das MPE 2018. http://datasebrae.com.br/documentos2/pesquisas/Transformacao digital nas MPE/Tranformação Digital das MPE 2018 versão ppt1.compressed.pdf

Sebrae. (2019). Relatório especial: Empreendedorismo Feminino no Brasil. https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal Sebrae/UFs/GO/Sebrae de A a Z/Empreendedorismo Feminino no Brasil 2019_v5.pdf

Silva, A. S. de B., & Guimarães, J. de C. (2018). Empreendedorismo feminino: perfil no segmento da beleza e da estética. Revista da Micro e Pequena Empresa, 12(2), 53–71. http://www.spell.org.br/documentos/ver/50830/empreendedorismo-feminino--perfil-no-segmento-da-beleza-e-da-estetica/i/pt-br

Silva, M. S. da, Mainardes, E. W., & Lasso, S. V. (2016). Características do empreendedorismo feminino no Brasil. Revista Gestão e Desenvolvimento, 13(2), 150–167.https://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistagestaoedesenvolvimento/article/view/370

Souza, M. J. B. de, Trindade, F. D. M., Freire, R., & Lyra, F. R. (2016). Potencial empreendedor de empresárias do setor turístico de florianópolis (SC). Revista Alcance, 23(4), 455–474. https://doi.org/10.14210/alcance.v23n4(out-dez).p455-474

Terra, C. F. (2013). A comunicação organizacional em tempos de redes sociais online e de usuários- mídia. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 1–12. http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-0495-1.pdf

Vergara, S. C. (2012). Métodos de Pesquisa em Administração (5° edição). Atlas.

Visentini, M. S., Radons, D. L., & Chagas, F. B. (2017). Somos todos iguais virtualmente? analisando os moderadores idade, gênero e experiência no uso do facebook. Revista Ciências Administrativas, 23(3), 459–475. https://doi.org/10.5020/2318-0722.23.3.459-475

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Bookman.




DOI: https://doi.org/10.5020/2318-0722.2021.27.1.11161

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Ciências Administrativas, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0722

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia