Chega de Corrupção: Como os Programas de Governo dos Candidatos à Presidência da República em 2018 Abordaram o Tema

Fernando Gustavo da Silva Quirino, Lívia Maria de Pádua Ribeiro, Amanda Fontes Silva, Gabriel Augusto de Carvalho

Resumo


Nos últimos anos, o combate à corrupção ganhou relevância no debate nacional a partir de denúncias no cerne do poder em âmbito federal. Nesse sentido, questiona-se como a corrupção foi abordada nos programas de governo dos candidatos ao cargo de presidente da República Federativa do Brasil em 2018. Assim, o presente estudo consiste na análise de conteúdo, aplicada aos programas de governo dos candidatos ao cargo em 2018, na temática considerada. Como embasamento teórico, foram apresentadas reflexões acerca do institucionalismo, com maior ênfase na concepção de isomorfismo, partindo para o conceito da corrupção e as abordagens acadêmicas para a resolução dessas ações. O corpus da pesquisa consiste nos programas de governo apresentados no Tribunal Superior Eleitoral no momento da homologação das candidaturas. A análise foi desenvolvida com a apoio do software ATLAS.TI®, em sua versão 7.5.16. O estudo conclui que, embora a temática corrupção tenha ganhado relevância no debate nacional nos últimos anos, ainda não existe um consenso claro no campo político quanto às medidas de combate a ações corruptas no setor público.

Palavras-chave


corrupção. eleições. análise de conteúdo. programas de governo.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABED, M. G. T.; DAVOODI, M. H. R. Corruption, structural reforms, and economic performance in the transition economies. [S. l.:s.n.]. 2000. (International Monetary Fund Working Paper, 00/132).

ABRAMO, C. W. Percepções pantanosas: a dificuldade de medir a corrupção. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 73, n. 2, p. 33-37, 2005.

ANDREWS, C. W. Implicações teóricas do novo institucionalismo: uma abordagem habermasiana. Dados - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 48, n. 2, p. 271-299, 2005.

ARAÚJO, U. P.. Relação agência e estrutura em redes colaborativas: uma análise do consórcio brasileiro de pesquisa e desenvolvimento do café. 2008. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2008.

BANDEIRA-DE-MELLO, R. Softwares em pesquisa qualitativa. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. (org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Lei nº. 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações e dá outras providências. Brasília, 2011. Link. Acesso em: 14 nov. 2018.

BREI, Z. A. A corrupção: causas, consequências e soluções para o problema. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 30, n. 3, p. 103-115, 1996.

BRONZO, M.; HONÓRIO, L. O institucionalismo e a abordagem das interações estratégicas da firma. Revista de Administração de Empresas, [S. l.], v. 4, n. 1, 2005.

CARVALHO, C. A.; VIEIRA, M. M. F.; GOULART, S. A trajetória conservadora da teoria institucional. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 39, n. 4, p. 849-874, 2005.

CHANLAT, J. F. L’analyse sociologique des organisations: un regard sur la production anglo-saxonne contemporaine (1970-1988). Sociologie du travail, [S. l.], n. 3, p. 381-400, 1989.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W.W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociologian Review, [S. l.], v. 48, n. 2, p. 147-160, 1983.

FILGUEIRAS, F. Marcos teóricos para o estudo da corrupção. In: AVRITZER, L.; BIGNOTTO, N.; GUIMARÃES, J.; STARLING, H. M. (org.). Corrupção: ensaios e crítica. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

FREITAS JÚNIOR, L. R.; MEDEIROS, C. R. O.. Estratégias de racionalização da corrupção nas organizações: uma análise das declarações de acusados em casos de corrupção no Brasil. Revista de Ciências da Administração, [S. l.], v. 5, n. 50, p. 8-23, abr. 2018.

GROSSI, G.; PIANEZZI, D. The new public corruption: old questions for new challenges. Accounting Forum, [S. l.], v. 42, n. 1, p. 86-101, 2016.

HALL, P. A.; TAYLOR, R. C. Political science and the three new institutionalisms. Political Studies, [S. l.], v. 44, n. 5, p. 936-957, 1996.

HAWLEY, A. Human ecology. In: SILLS, D. L. (ed.). International encyclopedia of the social sciences, New York: Macmillan, p. 328-337, 1968.

HODGSON, G. M. Economia e instituições: manifesto por uma economia institucionalista moderna. Oeiras: Celta, 1994.

HUNTINGTON, S. P. A ordem política nas sociedades em mudança. São Paulo: Ed. USP. 1975.

JOHNSTON, M. Agentes públicos, interesses particulares e democracia sustentável: Quando política e corrupção se unem. In: ELLIOT, K. A. (org.). A corrupção e a economia mundial. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.

KOTERA, G.; OKADA, K.; SAMRETH, S. Government size, democracy, and corruption: an empirical investigation. Economic Modelling, [S. l.], v. 29, n. 6, p. 2340-2348, 2012.

LOPES, Herton Castiglioni. A corrupção no estado: uma análise histórica e institucionalista a partir das contribuições de Raymundo Faoro e Sérgio Buarque de Holanda. Gestão Pública: práticas e desafios, [S. l.], v. 5, n. 2, 2014.

MATIAS-PEREIRA, J. Democracia, transparência e corrupção no Brasil. GIGAPP Estudios/ Working Papers, [S. l.], n. 92, p. 263-289, 2018.

MOZZATO, A. R; GRZYBOVSKI, D. Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, [S. l.], v. 15, n. 4, p. 731-747, 2011.

OLIVEIRA JÚNIOR, T.; COSTA, F.; MENDES, A. Perspectivas teóricas da corrupção no Brasil: características, limites e alternativas. In: ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA, 6., Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: ANPAD, 2014.

QUIRINO, F. G. S.; RIBEIRO, L. M. P. ; ASSIS, L. B.; SILVA, A. F.. 200 million in action: the cordial man and the film analysis of World Cup television advertisements. Soccer & Society, [S. l.], v. 21, n. 2 p. 180-195, 2018.

ROCHA, D.; DEUSDARÁ, B. Análise de conteúdo e análise do discurso: aproximações e afastamentos na (re)construção de uma trajetória. Revista Alea, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 305-322, 2005.

ROSA, A. R. A imagina(organiza)ção surrealista: rompendo a gaiola de ferro dos estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 1-16, 2008.

ROSE-ACKERMAN, S. Corruption and government: causes, consequences and reform. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

SARGIACOMO, M.; IANNI, L.; D’ANDREAMATTEO, A.; SERVALLI, S. Accounting and the fight against corruption in Italian government procurement: a longitudinal critical analysis (1992–2014). Critical Perspectives Accounting, [S. l.], v. 28, p. 89–96, 2015.

SCOTT, W. R. Institutions and organizations. London: Sage, 1995. (Foundations for Organizational Science).

SHLEIFER, A.; VISHNY, R. W. Corruption. The Quarterly Journal of Economics, [S. l.], v. 108, n. 3, p. 599-617, 1993.

SILVA, M. Corrupção: tentativa de uma definição funcional. Revista de Administração Pública, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 18-23, 1994.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed, 2008.

TRANSPARENCY INTERNATIONAL. Corruption perceptions index 2019. Link. Acesso em: 27 jan. 2020.

WALTER, S. A.; BACH, T. M. Adeus papel, marca-textos, tesoura e cola: inovando o processo de análise de conteúdo por meio do atlas.ti. Administração: Ensino e Pesquisa, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 275-308, 2015.

WEBER, M. Economy and society: an outline of interpretive sociology. Berkeley: University of California Press, 1968.

ZUCKER, L. G. Institutional theories of organization. Annual Review of Sociology, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 443-464, 1987.




DOI: https://doi.org/10.5020/2318-0722.2020.26.2.8941

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Ciências Administrativas, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0722

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia