Gestão de Riscos em Entidades Fechadas de Previdência Complementar no Brasil: Legislações, Teorias e Práticas de Mercado

Igor Xavier Pedreiro Guiotti, Abimael de Jesus Barros Costa, Ducineli Régis Botelho

Resumo


O presente estudo tem por objetivo apresentar quais os principais riscos enfatizados ou ressalvados nos relatórios dos auditores independentes das EFPCs, abordando as principais legislações, teorias e práticas de mercado. A pesquisa apresentou a abordagem de oito riscos presentes na literatura que são aplicáveis aos fundos de pensão; a teorias e legislações a respeito do assunto; além de demandar estudo de 60 relatórios de auditores independentes sobre as demonstrações fechadas das dez maiores EFPCs em volume de investimento. Os resultados demonstraram que não existem meios para eliminar por completo todos os riscos aplicáveis a uma EFPC, no entanto é possível a aplicação de mecanismos para controlá-los e mitigá-los, mantendo-os em patamares aceitáveis para a segurança dos participantes e dos assistidos. Entre as dez EFPCs selecionadas para a amostra, seis possuíram ressalvas ou parágrafos de ênfase, entre 2011 e 2016, relacionados com a gestão de riscos, podendo ocasionar desequilíbrios nos planos dessas entidades em decorrência da utilização de recursos previdenciários para sua cobertura, inviabilizando a continuidade das operações dos demais planos e demonstrando incerteza na capacidade de liquidar passivos e realizar ativos no curso normal de suas operações.

Palavras-chave


Gestão de Riscos. Fundos de Pensão. Auditores Independentes.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALVES, M. E. G. R.; TOSTES, F. P. Análise e Mensuração do risco de crédito: o modelo em uso no banco nacional de desenvolvimento econômico e social. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, Rio de Janeiro, v. 8, n.1, p.21-34, 2003.

ANDRADE, V. R. A.; FAMÁ, R. Aplicação de índices financeiros na avaliação de unidades estratégias de negócio e a decisão de investimento baseada no risco de cada unidade: um estudo exploratório. Revista de Administração, São Paulo, v. 36, n.2, p. 67-79, abr/jun, 2001.

ARAÚJO, D. R.; SILVA, C. A. T. Aversão à Perda nas decisões de risco. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, Brasília, v. 1, n. 3, art. 3, p. 45-62, set/dez, 2007.

ARDALAN, K. On the theory and practice of finance. International Journal of Social Economics, [S.l.], v. 31, n. 7, p. 684-705, 2004.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BEUREN, I. M. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BOTELHO, D. R. Critérios de mensuração, reconhecimento e evidenciação do Passivo Atuarial dos Planos de Benefícios de Aposentadoria e Pensão: um estudo nas demonstrações contábeis das Entidades Patrocinadoras Brasileiras. 2003. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal de Pernambuco, Universidade Federal Do Rio Grande Do Norte, Brasília, 2003.

BOURLIER, J.; DUPRÉ, D. Gestão financeira dos fundos de pensão. São Paulo: Pearson Education, 2003.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Lei nº 12.154, de 23 de dezembro de 2009. Cria a Superintendência Nacional de Previdência Complementar – PREVIC e dispõe sobre o seu pessoal. Brasília: Câmara dos Deputados, 2009. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2009/lei-12154-23-dezembro-2009-599155-normaatualizada-pl.html. Acesso em: 05 abr. 2018.

BRASIL. Ministério da Previdência Social. Conselho de Gestão de Previdência Complementar. Resolução CGPC N° 13, de 01 de outubro de 2004. Estabelece princípios, regras e práticas de governança, gestão e controles internos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar – EFPC. Brasília: Conselho Nacional de Previdência Complementar, 2004. Disponível em: http://www.mpas.gov.br/arquivos/office/3_081014-110811-610.pdf. Acesso em: 05 abr. 2018.

BRASIL. Conselho Monetário Nacional. Resolução nº 3.792/2009. Dispõe sobre as diretrizes de aplicação dos recursos garantidores dos planos administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar. Brasília: Conselho Monetário Nacional, 2009. Disponível em: http://www.previc.gov.br/regulacao/normas/resolucoes/resolucoes-cmn/resolucao-cmn-no-3-792-de-28-de-setembro-de-2009.pdf/view. Acesso em: 05 abr. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 4.678, de 24 de abril de 2003. Dispõe sobre as atribuições e composição do Conselho de Gestão de Previdência Complementar - CGPC. Brasília: Presidência da República, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/D4678.htm. Acesso em: 04 abr. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Lei Complementar no 108, de 29 de maio de 2001. Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades públicas e suas respectivas entidades fechadas de previdência complementar. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil: seção 1, Brasília, DF, ano 137, n. 104, p. 1, 30 maio 2007.

BRASIL. Presidência da República. Lei Complementar no 109, de 29 de maio de 2001. Dispõe sobre o Regime de Previdência Complementar e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil: seção 1, Brasília, DF, ano 137, n. 104, p. 3, 30 maio 2007.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Metodologia de governança corporativa integrada à gestão em micro finanças. Brasília, DF: MTE, PNMPO, 2008.Disponível em: http://www.mte.gov.br/pnmpo/Governanca_Corporativa_Microfinanacas.pdf. Acesso em: 05 abr. 2018.

BRASIL. Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC). Guia Previc Melhores Práticas em Fundos de Pensão. Brasília, DF: PREVIC, 2010. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/arquivos/office/3_101112-163932-055.pdf. Acesso em: 05 abr. 2018.

BRYAN, E.; PEREIRA, F.; PENA, R. Velhos riscos, novos desafios. Brasília, DF: Ministério de Previdência e Assistência Social, 2010. Disponível em: http://www.mpas.gov.br/arquivos/office/4_101130-153919-188.pdf. Acesso em: 07 jul. 2012.

BRITO, G. A.; ASSAF NETO, A. Modelo de risco para carteiras de créditos corporativos. Revista de Administração, São Paulo, v. 43, n.3 p.263-274, jul./set. 2008.

BRITO, O. S. Contribuição ao estudo de modelo de controladoria de risco-retorno em bancos de atacado. 2000. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Departamento de Contabilidade e Atuária, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

CAPELLETTO, L. R.; CORRAR, L. J. Índices de risco sistêmico para o Setor Bancário. Revista de Contabilidade e Finanças da USP, São Paulo, v. 19, n. 47, p. 6-18, maio/ago, 2008.

CAPELLETTO, L. R.; MARTINS, E.; CORRAR, L. J. Mensuração do risco sistêmico no setor bancário com variáveis contábeis e econômicas. Trabalhos para discussão, Brasília, n. 169, p.1-50, Jul. 2008.

CAPELO, E. R. Uma introdução ao estudo atuarial dos fundos de pensão. 1986. Tese (Doutorado em Administração) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 1986.

CARVALHO, A. B. de C. Gestão do risco de liquidez para as entidades fechadas de previdência complementar. Brasília: Universidade de Brasília, 2013.

CARVALHO, L. N; TRAPP, A. C. G.; CHAN, B. L. Disclosure e risco operacional: uma abordagem comparativa em instituições financeiras que atuam no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos. Revista de Administração, São Paulo, v. 39, n.3, p.264-273, jul./set. 2004.

CARVALHO, R. M. O reflexo do status atuarial do Plano de Benefício Previdenciário no Valor da Empresa: um estudo no mercado acionário do Brasil. 2007. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal de Pernambuco, Universidade Federal Do Rio Grande Do Norte, Brasília, 2007.

CHAGAS, P. C. et al. Crises financeiras: uma análise temporal do comportamento gerencial do patrimônio dos fundos brasileiros aplicados em renda variável. In: SEMEAD: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 13., 2010, São Paulo. Anais[...]. São Paulo: USP, 2010.

CHAGAS, P. C. Previdência Complementar Brasileira: um estudo sobre a aderência da informação do Passivo Atuarial entre empresas patrocinadoras de plano de benefícios de aposentadoria e pensão e seus respectivos fundos de Pensão. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal de Pernambuco, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasília, 2006.

CHAN, B. L.; SILVA, F. L. da; MARTINS, G. de A. Fundamentos da previdência complementar da atuária à contabilidade. São Paulo: Atlas, 2010.

CHEROBIM, A. P. M.; ALVES, C. A. M. Investigação sobre evidenciação do risco operacional: estudo multicaso em instituições financeiras brasileiras. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, São Leopoldo, v. 3, n. 2, p. 124-138, maio/ago. 2006.

BANK FOR INTERNATIONAL SETTLEMENTS. International framework for liquidity risk measurement, standards and monitoring. Basel: Bank for International Settlements, 2010. Disponível em: http://www.bis.org/publ/bcbs165.pdf. Acesso em: 15 mar. 2018.

CROUHY, M.; GALAI, D.; MARK, R. Fundamentos da gestão de risco. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2008.

CROUHY, M.; GALAI, D.; MARK, R. The essentials of risk management: the definitive guide for the non-risk profession. New York: Macgraw-Hill, 2006

CRUZ, J. H. N. Responsabilidade previdenciária: Um estudo sobre irregularidades previdenciárias nos regimes próprios de previdência social dos municípios pernambucanos. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal de Pernambuco, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Recife, 2008.

DANTAS, J. A. Auditoria em instituições financeiras: determinantes de qualidade no mercado brasileiro. 2012. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal de Pernambuco, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasília, 2012.

DANTAS, J. A. Reação do mercado à alavancagem operacional: um estudo empírico no Brasil. 2005. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal de Pernambuco, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasília, 2005.

DOMINGUES, I. Epistemologia das ciências humanas. São Paulo: Loyola, 2004. v. 1, Positivismo e Hermenêutica.

DUARTE JÚNIOR, A. M. Risco: definições, tipos, medição e recomendações para seu gerenciamento. Resenha BM&F, São Paulo, n. 114, p. 25 - 33, 01 out. 1996.

FAMA, E. Efficient capital markets: a review of theory and empirical work. The Journal of Finance, [s.l.], v. 25, n. 2, p. 383-417, 1970.

FAURE, A. Financial system: an introduction. London: Bookboon, 2013

FERNANDES, B. V. R. Modelos de valores extremos e convencionais de VaR: nível de acurácia na previsão de risco de mercado nos países do G7 e Brics. 2012. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal de Pernambuco, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasília, 2012.

FERNANDES, F. C.; SILVA, M.; SANTOS, F. T. Informações sobre gestão de riscos nas IANs das empresas listadas no novo mercado da bovespa. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, Brasília, v. 2, n. 3, p.36-55, set/dez, 2008.

FERNANDES, F. C. Uma contribuição à estruturação da atividade de controladoria em entidades fechadas de previdência privada: uma abordagem da gestão econômica. 2000. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

CORDEIRO FILHO, A. Cálculo atuarial aplicado: teoria e aplicações. São Paulo: Atlas, 2009.

FINCATTI, L. A. Quando o risco vira oportunidade. [S.l: s.n], 2008. Disponível em: www.fals.com.br/revela6/gestaorisco.pdf. Acesso em: 14 mar. 2018.

FREIXAS, X.; PARIGI, B.; ROCHET, J. Systemic risk, interbank relations, and liquidity provision by the Central Bank. Journal of Money, Credit and Banking, [s.l.], v. 32, n. 32, 2000.

GALDI, F. C.; SECURATO, F. R. O risco idiossincrático é relevante no Mercado Brasileiro? Revista Brasileira de Finanças, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 41-58, 2007.

GALDI, F. C.; PEREIRA, L. M. Valor em Risco (VaR) utilizando modelos de precisão de volatilidade EWMA, GARCH e Volatilidade Estocástica. Revista BBR – Brazilian Business Review, Vitória, v. 4, n. 1, p. 74-95 jan/abr, 2007.

HENDRIKSEN, E. S.; BREDA, Michael F. V. Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999.

IBRAHIM, F. Z. Curso de Direito Previdenciário. 15. ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2010.

IQUIAPAZA, R. A.; AMARAL, H. F.; BRESSAN, A. A. Evolução da Pesquisa em Finanças: Epistemologia, Paradigmas e Críticas. Organizações & Sociedade, Salvador, v.16, n.49, p. 351-370, abr./jun. 2009.

JORION, P. Value at risk: the new benchmark for managing financial risk. 3. ed. New York: McGraw-Hill, 2007

JORION, P. Value at risk. São Paulo: Bolsa de Mercadorias & Futuros, 1998.

KAYO, E. K.; FAMÁ, R. A estrutura de capital e o risco das empresas tangível-intensivas e intangível-intensivas. R. Adm., São Paulo, v.39, n.2, p.164-176, abr./jun. 2004.

KEISER, J. I. Modelos financeiros utilizados por fundos de pensão brasileiros para gestão de ativos. 2007. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

KIMURA, H.; PEREIRA, L. C. J. Modelo de otimização da gestão de risco em empresas não financeiras. Revista de Contabilidade de Finanças da USP, São Paulo, n. 37, p. 59-72, jan./abr. 2005.

LIMA, M. R. S. Gestão do regime próprio de previdência social: uma investigação sobre o acesso e a compreensão dos servidores frente às informações gerenciais dos municípios do Estado de Pernambuco. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal de Pernambuco, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Recife, 2006.

LINTNER, J. The valuation of risk assets and the selection of risky investments in stock portfolios and capital budgets. Review of Economics and Statistics, [s.l.], v. 47, n. 1, p. 13-37, 1965.

LOPES, A. B.; CARVALHO, L. N.; TEIXEIRA, A. J. C. A abordagem de Shimpi para gestão de riscos. Revista Contabilidade & Finanças da USP, São Paulo, n. 33, p. 7-15, set/dez. 2003.

LOPES, W. de P.; MORENO, R. Uma reflexão sobre taxonomia de risco, seus índices e aspectos qualitativos, na avaliação de investimentos estrangeiros diretos. In: CONGRESSO EnANPAD, 28., 2004, Curitiba. Anais [...]. Rio de Janeiro: ANPAD, 2004.

LUSTOSA, P. R. B. Ativo e sua avaliação. In: RIBEIRO FILHO, J. F.; LOPES, J.; PEDERNEIRAS, M. (org.). Estudando teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2009. p. 85-106.

MALETTA, B. V.; COELHO, F. H. de S. Modelos baseados em simulação de Monte Carlo: soluções para o cálculo do value-at-risk. In: CONGRESSO EnANPAD, 28., 2004, Curitiba. Anais [...]. Rio de Janeiro: ANPAD, 2004. CD-ROM.

MATSUMOTO, A. S. As opções de previdência privada no Brasil após a lei no 6.435 de 15/07/1977. 1982. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1982.

McGOUN, E. G. On knowledge of finance. International Review of Financial Analysis, [s.l.], v.1, n. 3, p.161-177, 1992.

MOURA, E.; MARTINEZ, A. L. Ativos fiscais diferidos nas instituições financeiras: uma abordagem sobre riscos. Revista Contabilidade Vista e Revista, Belo Horizonte, v. 17, n. 2, p. 11-30, abr./jun. 2006.

NIYAMA, J. K.; SILVA, C. A. T. Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2008.

NOBRE, W. de J. As entidades fechadas de previdência privada: um estudo sobre a divulgação de informações contábeis. 2001. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

OLIVEIRA, M. R. G.; CARMONA, C. U. M.; TAVORA JUNIOR, J. L. Value at risk dinâmico: um estudo comparativo entre os Modelos Heterocedásticos e a Simulação de Monte Carlo. Revista Brasileira de Finanças, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 181-202, 2006.

PELEIAS, I. R. et al. Demonstrações Contábeis de bancos brasileiros: análise da evidenciação oferecida à luz do gerenciamento de riscos. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, São Leopoldo, v. 1, n. 4, p. 22-46, jan./abril, 2007.

PEREIRA, F.; MIRANDA, R. B; SILVA, M. M. Os fundos de pensão como geradores de poupança interna. Brasília, DF: IPEA, 1997. (Texto para discussão, n. 480).

PEREIRA, J. M. Gestão do risco operacional: uma avaliação do novo acordo de capitais – Basiléia II. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, ano 03, v.1, n. 6, p.103-124, jul./dez. 2006.

PINHEIRO, R. P. A demografia dos fundos de pensão. Brasília: Ministério da Previdência Social, 2007.

REINA, D. et al. Behavioral finance: um estudo sobre a correlação entre a heurística da ancoragem e a tomada de decisão sob risco em investimentos. Revista de Informação Contábil-RIC, Recife, v. 3, n. 2, p.83-98, abr./jun. 2009.

REIS, S. G.; MARTINS, E. Planejamento do balanço bancário: desenvolvimento de modelo matemático de otimização do retorno econômico ajustado ao risco. Revista de Contabilidade e Finanças da USP, São Paulo, v. 15, n. 26, p. 58-80, maio/ago. 2001.

RICCIO, E. L.; MENDONÇA NETO, O. R.; CARDOSO, R. LOPES. Transferências das Informações Contábeis:uma análise dos fatores de riscos citados por empresas brasileiras. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, Brasília, v.8, n. 1, p. 91-101, jan./jun. 2005.

RIETCHE, F. C. Gestão de riscos em fundos de pensão no Brasil: situação atual da legislação e perspectivas. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 12, n. 23, p. 219-242, jun. 2005.

ROSTAGNO, L; SOARES, R. O.; SOARES, K. T. C. Estratégias de valor e de crescimento em ações na Bovespa: uma análise de sete indicadores relacionados ao risco. Revista de Contabilidade e Finanças da USP, São Paulo, n. 42, p. 7-21, set/dez. 2006.

SANTOS, J. O.; FAMÁ, R. Avaliação de estratégias para a redução do risco de inadimplência em carteiras de crédito bancário rotativo de pessoas físicas. Revista Contabilidade e Finanças da USP, São Paulo, n. 42, p. 92-103, set/dez. 2006.

SHARPE, W. F. Capital asset prices: a theory of market equilibrium under conditions of risk. Journal of Finance, [s.l.], v. 19, n. 3, p. 425- 442, 1964.

SMITH, M. Research Methods in Accounting. London: SAGE Publications, 2007.

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR (PREVIC). Entidade Fechada de Previdência Complementar – EFPC. Brasília: Ministério da previdência e Assistência Social, 2013. Disponível em: http://www.mpas.gov.br/previc.php?id_spc=155. Acesso em: 13 ago. 2013.

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR (PREVIC). Guia de melhores práticas em investimento (2011). Brasília: Ministério da previdência e Assistência Social, 2011. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/arquivos/office/3_111207-171554-035.pdf. Acesso em: 13 ago.12.

TORRES, F. J. V. et al. Gestão de riscos em fundos de pensão no Brasil: situação atual da legislação e perspectivas. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 12, n. 23, p. 219-242, Jun. 2005.

TRAPP, A. C. G.; CORRAR, L. J. Avaliação e Gerenciamento do risco operacional no Brasil: análise de caso de uma instituição financeira de grande porte. Revista Contabilidade e Finanças da USP, São Paulo, n.37, p.24-36, jan/abr, 2005.

VALLE, M. R. Mercados de bonds: risco, rating e custo de captação. Revista de Administração, São Paulo, v. 37, n.2, p 46-56, abr./jun. 2002.

WEINTRAUB, A. B. de V. et al. O Risco e a incerteza na esfera do direito atuarial. Revista Brasileira de Previdência, Osasco, v. 4., nov. 2015.

WILBERT, M. D.; LIMA, D. V.; GOMES, M. M. O impacto da utilização de diferentes tábuas de mortalidade nas estimativas de pagamento de benefícios no RGPS. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 12., 2012, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: USP, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2318-0722.2020.26.1.9107

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Ciências Administrativas, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0722

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia