Internacionalização e o Fechamento de Capital de Empresas: Um Estudo sobre a Deslistagem no Mercado Brasileiro

Murilo Alves Santos, Vinicius Silva Pereira, Antonio Sergio Torres Penedo

Resumo


A proposta deste artigo é analisar a relação entre internacionalização e deslistagem e, para atingir seu objetivo, partiu do modelo desenvolvido por Pour e Lasfer (2013). A partir de hipóteses que contemplam conceitos e teorias de governança corporativa, foram realizados ajustes para o contexto brasileiro e acrescentadas, como diferenciais, as proxies de internacionalização e crise, sendo esta última inserida com o objetivo de contemplar nuances particulares de tais eventos, observados no cenário econômico nacional recente, tanto por influência de aspectos externos, como em 2008-2009, quanto por aspectos internos, como em 2014. Como resultados, encontrou-se significância negativa entre o grau de internacionalização e a deslistagem, atestando a hipótese que há diferenciais oriundos da internacionalização que reduzem a probabilidade de deslistagem. Aspectos particulares da governança corporativa no país, entre os quais a alta concentração acionária, também foram ratificados. Em relação aos períodos de crise, as consequências do subprime norte-americano foram mais relevantes do que a ocorrência da crise em si, ao contrário de 2014, cujos efeitos da crise brasileira foram significantes na decisão de deslistagem. Para trabalhos futuros sugere-se a expansão da base de dados e o tratamento individual das razões adotadas pela empresa quando da decisão de deslistagem.

Texto completo:

PDF/A

Referências


BAKER, G. P.; JENSEN, M. C.; MURPHY, K. J.; Compensation and incentives: compensation vs. theory. Journal of Finance, Nova York, v. 43, n. 3, p. 593-616, Jul. 1988.

BANCEL, F.; MITTO, U. Why european firms go public? European Financial Management, Malden, v. 15, n. 4, p. 844-884, May 2009.

BEBCHUK, L. A.; KRAAKMAN, R.; TRIANTIS, G. Stock pyramids, cross-ownership, and dual class equity: the mechanisms and agency costs of separating control from cash-flow rights. In: MORCK, R. K. Concentrated corporate ownership. Chicago: University of Chicago Press, 2000. p. 295-318.

BELLATO, L. L. N; SILVEIRA, A. D. M; SAVOIA, J. R. F. Influência da estrutura de propriedade sobre a taxa de pagamento de dividendos das companhias abertas brasileiras. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 30., 2006, Salvador. Anais eletrônicos [...] Salvador: ANPAD, 2006. Link. Acesso em: 19 set.2014.

BHARATH, S. T.; DITTMAR, A. K. To be or not to be (public). Using going private transactions to examine why firms go public. Working paper, Jul. 2006. Link. Acesso em: 19 set.2014.

BHARATH, S. T.; DITTMAR, A. K. Why do firms use private equity to opt out of public markets? The Review of Financial Studies, [s. l], v. 23, n. 5, p. 1771-1818, May 2010.

BHATTACHARYA, N.; DEMERS, E.; JOOS, P. The relevance of accounting information in a stock market bubble: evidence from internet IPO´s. Journal of Business Finance & Accounting, Oxford, v. 37, n. 3-4, p. 291-321, Apr./May 2010.

BOOT, A. W. A.; GOPALAN, R.; THAKOR, A. V. Market liquidity, investor participation, and managerial autonomy: why do firms go private? The Journal of Finance, Nova York, v. 63, n. 4, p. 2013-2059, Aug. 2008.

CARPENTER, M. A.; FREDRICKSON, J. W. Top management teams, global strategic posture, and the moderating role of uncertainty. Academy of Management Journal, Briarcliff Manor, NY, v. 44, n. 3, p. 533-545, 2001.

CASTRO JÚNIOR, F. H. F.; CONCEIÇÃO, P. M.; SANTOS, D. A. A relação entre o nível voluntário de transparência e o custo de capital próprio das empresas brasileiras não-financeiras. REAd: Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v. 17, n. 3, p. 617-635, set./dez. 2011.

COASE, R. The nature of the firm. Economica, Londres, v. 4, n. 16, p. 386-405, Nov 1937.

DENIS, D. J.; DENIS, D. K.; YOST, K. Global diversification, industrial diversification, and firm value. Journal of Finance, Nova York, v. 57, n. 5, p. 1951-1979, Oct. 2002.

DUNNING, J. Toward and ecletic theory of international production: some empirical tests. Journal of International Business Studies, Columbia, v. 11, n. 1, p. 9-31, 1980.

EID JÚNIOR, W.; HORNG, W. J. A saída: uma análise da deslistagem na Bovespa. São Paulo: FGV EAESP, 2005. Link. Acesso em: 4 jul.2015.

FAMA, E. F.; FRENCH, K. R. New Lists: fundamentals and survivals rates. . Journal of financial Economics, Lausanne, v. 73, n. 2, p. 229-269, 2004.

FLORIANI, D. E.; FLEURY, M. T. O efeito do grau de internacionalização nas competências internacionais e no desempenho financeiro da PME brasileira. Revista Administração Contemporânea - RAC, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 438-458, maio/jun. 2012.

FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC). Ranking FDC das Multinacionais Brasileira 2015: a capacidade de adaptação cultural das empresas brasileiras no mundo. Nova Lima/MG: Fundação Dom Cabral, [2015]. Link. Acesso em: 05 jan. 2016.

GABRIELLI, M. F.; SAITO, R. Recompra de ações: regulamentação e proteção dos minoritários. RAE – Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 44, n. 4, p. 54-67, out./dez. 2004.

GRANT, R. M. Multinationality and performance among british manufacturing companies. Journal of International Business Studies, Columbia, v. 18, n. 3, p. 79-89, Oct. 1987.

HAHN, A. V. Um estudo sobre a relação entre a concentração acionária e o nível de Payout das empresas brasileiras negociadas na BOVESPA. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças (FUCAPE), Vitória, 2006.

JENSEN, M.; MECKLING, W. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, Lausanne, v. 3, n. 4, p. 305-360, Oct. 1976.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. The internationalization process of the firm: a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, Columbia, v. 8, n.1, p. 23-32, Spring – Summer, 1977.

LA PORTA, R. et al. Investor protection and corporate governance. Journal of Financial Economics, Lausanne, v. 58, n. 1-2, p. 3-27, 2000.

LEAL, R. P. C.; SAITO, R. Finanças Corporativas no Brasil. RAE Eletrônica, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 1-15, jul./dez. 2003.

LEHN, K.; POULSEN, A. Free cash flow and stockholders gains in going private transactions. The Journal of Finance, Nova York, v. 44, n. 3, p. 771-787, Jul. 1989.

LEUZ, C.; TRIANTIS, A.; WANG, T. Why do firms go dark? Causes and economic consequences of voluntary SEC deregistration. Journal of Accounting and Economics, Amsterdam, v. 45, n. 2-3, p. 181-208, Aug. 2008.

MAROSI, A.; MASSOUD, N. Why do firms go dark? Journal of Financianl and Quantitative Analysis, Washington, v. 42, n. 2, p. 421-442, Jun 2007.

MEHRAN, H.; PERISTIANI, S. Financial visibility and the decision to go private. The Review of Financial Studies, [s. l.], v. 23, n. 2, p. 519-547, Feb. 2010.

MICHAEL, S. C.; PEARCE, J. Choosing constraints as a third solution to agency. Journal of Management Studies, Oxford, v. 41, n. 7, p. 1171-1197, Nov. 2004.

MICHAELY, R.; SHAWM W. H. The pricing of initial public offerings: tests of adverse selection and signaling theories. The Review of Financial Studies, [s. l.], v. 7, n. 2, p. 279-319, 1994.

MYERS, S. The capital structure puzzle. Journal of Finance, Nova York, v. 39, n. 3, p. 575-592, Jul.1984.

MYERS, S. C.; MAJLUF, N. S. Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics, Lausanne, v. 13, n. 2, p. 187-221, Jun. 1984.

OESTERLE, M.; RICHTA, H. N.; FISH, J. H. The influence of ownership structure on internationalization. International Business Review, [s. l.], v. 22, n. 1, p. 187-201, Feb. 2013.

PAGANO, M.; PANETTA, F.; ZINGALES, L. Why companies go public? An empirical analysis. Journal of Finance, Nova York, v. 53, n. 1, p. 27-64, Feb. 1998.

PEIXOTO, F. M. Governança corporativa, desempenho, valor e risco: estudo das mudanças em momentos de crise. 2012. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

PENG, M. W. Business strategies in transition economies. Thousand Oaks: Sage Publications Inc., 2000.

POUR, E. K.; LASFER, M. Why do companies delist voluntarily from the stock market? Journal of Banking & Finance, Amsterdam, v. 37, n. 12, p. 4850-4860, Dez. 2013.

SAITO, R.; PADILHA, M. T. C. Por que as empresas fecham o capital no Brasil? In: ENCONTRO BRASILEIRO DE FINANÇAS, 15., 2015, São Paulo. Anais eletrônicos[...]. São Paulo: SBFin, 2015. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ocs/index.php/ebf/15EBFin/schedConf/presentations. Acesso em: 05 jan. 2016.

SCHULTZ, P. Unit initial public offerings: A form of staged financing. Journal of Financial Economics, Lausanne, v. 34, n. 2, p. 199-229, Oct.1993.

SILVA, A. L. C. Governança corporativa, valor, alavancagem e política de dividendos das empresas brasileiras. RAUSP – Revista de Administração, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 348-361, out./dez. 2004.

SONZA, I. B.; KLOECKNER, G. O. Governança em estruturas proprietárias concentradas: novas evidências para o Brasil. RAUSP – Revista de Administração da USP, São Paulo, v. 49, n. 2, p. 322-338, abr./jun. 2014.

SOUZA, J. A. S. et al. Determinantes e Consequências do Fechamento de Capital nas Práticas de Gerenciamento de Resultados. Revista Evidenciação Contábil e Finanças – RECFIN, João Pessoa, v. 1, n. 1, p. 38-57, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5020/2318-0722.2020.26.2.9399

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Ciências Administrativas, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0722

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia