Retratos urbanos: o cotidiano da cidade na ótica dos cronistas

Gervácio Batista Aranha

Resumo


O objetivo deste artigo é demonstrar o quanto a cronística urbana, tomada como fonte de saber histórico, tem se revelado uma fonte primordial aos historiadores das cidades, em especial aos que estudam as cidades modernas em suas sensibilidades, tensões e/ou contradições. Trata-se, no caso, de problematizar a fonte literária em questão com base num duplo movimento: de um lado, a identificação do cronista como um letrado que diariamente passeia pela cidade à cata de fatos, banais em sua maioria, desses que são vistos no dia a dia da vida urbana, para que, a partir dessa matéria-prima de todos os dias, possa executar sua vocação literária; de outro, demonstrar, a título de ilustração, as possibilidades de leitura de cronistas urbanos com vistas à apreensão de aspectos vários do cotidiano da cidade, em especial de crônicas voltadas à representação de aspectos relacionados à emergência do moderno e seu avesso, este último traduzido no modo perverso como as chamadas pessoas comuns, mendigos, vagabundos ou prostitutas incluídos, são considerados elementos indesejáveis em todos os espaços modernizados e tomados como expressão de vida civilizada, os quais estariam destinados, em princípio, tão só aos bens nascidos. Serão exploradas, nessa amostragem de cronística urbana, imagens relativas à Londres de Dickens, ao Rio de Assis, Bilac, Lima Barreto e Paulo Barreto (João do Rio), ao Recife de Mário Sette, dentre outros.

Palavras-chave


Cronistas urbanos. Cotidiano. Ambiguidade. Moderno.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5020/23180714.2014.29.2.389-412

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista de Humanidades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0714

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia