Como agulha no palheiro: inflexões sobre as possibilidades e os limites da escolarização de crianças com transtornos mentais severos

Autores

  • Grace Troccoli Vitorino
  • Xênia Diógenes Benfatti
  • Lorena da Silva Lopes

DOI:

https://doi.org/10.5020/23180714.2015.30.1.147-161

Palavras-chave:

Psicologia. Escolarização. Inclusão.

Resumo

O trabalho ora apresentado busca articular as proposições psicanalíticas sobre a relação da criança psicótica e autista com a linguagem e as proposições sustentadas pela perspectiva inclusiva, que se volta para as práticas de sala de aula, no sentido de problematizar o modo como os alunos se relacionam e aprendem. O problema definido para a investigação incide sobre a questão: Quais os limites e as possibilidades do processo de escolarização de crianças com transtornos mentais severos? Observa-se que a escola é o espaço propício de sustentação de um lugar para a criança com transtornos severos, uma vez que, através da interação social, pode transitar no grupo com outras crianças, mesmo que, para ela o outro não lhe atinja de modo imediato. À guisa de conclusão, cabe registrar, a partir do presente estudo, a importância de alguém que seja capaz de interpretar a fragmentação da linguagem na criança e ajudá-la constituir novas metáforas, elaborando junto dela um discurso possível de atingir o social.

Biografia do Autor

Grace Troccoli Vitorino

Profa. Dra. da Universidade de Fortaleza/ UNIFOR

Xênia Diógenes Benfatti

Profa. Dra. da Universidade de Fortaleza/ UNIFOR

Lorena da Silva Lopes

Graduada em Psicologia pela Universidade de Fortaleza

Downloads

Publicado

2016-05-10

Como Citar

Vitorino, G. T., Benfatti, X. D., & da Silva Lopes, L. (2016). Como agulha no palheiro: inflexões sobre as possibilidades e os limites da escolarização de crianças com transtornos mentais severos. Revista De Humanidades, 30(1), 147–161. https://doi.org/10.5020/23180714.2015.30.1.147-161

Edição

Seção

Artigos