A visualidade no cordel a partir da seca de 1915: um percurso centenário

José Leite Junior

Resumo


Com o pressuposto de que a palavra precede a imagem, o presente artigo trata da estética da seca, tomando-se como referencial teórico a Semiótica Discursiva (Greimas). O ponto de partida da análise é o folheto “A seca do Ceará”, da autoria de Leandro Gomes de Barros. Esse poema tem como tema a tragédia da Seca de 1915. As imagens desse poema traduzem o tradicionalismo religioso e fatalista. Tais imagens poéticas tomam a forma de ilustrações, utilizadas nas capas dos folhetos de cordel, com destaque para a xilogravura. Somente nos anos de 1960 a xilogravura popular é recebida em museus de arte, como o Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará. Em produções contemporâneas, já se percebe a superação do tradicionalismo, a exemplo da obra poética de Patativa do Assaré e da xilogravura de Abraão Batista, cujos trabalhos comprovam a consciência dos autores sobre a luta de classes.

Palavras-chave


Literatura e artes visuais; Seca nordestina; Literatura de cordel; Literatura comparada.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5020/23180714.2015.30.2.191-207

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista de Humanidades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0714

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia