O que nos fala o cinema sobre a juventude? O regime de facções em insurgente e a fixidez identitária

Autores

  • Greice Rosane Gomes
  • Cynthia Farina

DOI:

https://doi.org/10.5020/23180714.2016.31.2.331-346

Palavras-chave:

Subjetividade. Cinema. Educação. Juventude.

Resumo

Este artigo investiga os processos de subjetivação na atualidade e as relações entre cinema e juventude, a partir da análise do filme Insurgente (SCHWENTKE, 2015). O trabalho é um desdobramento da pesquisa que desenvolvo sobre cinema e público jovem, na qual estudo as maneiras pelas quais a produção cinematográfica e a juventude interferem-se mutuamente. Entre as motivações deste trabalho está a de investigar de que forma o cinema, precisamente este blockbuster, tematiza as características e os principais conflitos da juventude na contemporaneidade e quais mecanismos atuam para o jovem espectador enxergar-se nessa trama. Para isso, trago uma breve justificativa do porquê pesquisar o cinema no âmbito da educação, recupero algumas características da produção cinematográfica atual e situo o leitor em relação à definição de juventude utilizada no trabalho. O referencial teórico é norteado prioritariamente por Deleuze, Guattari, Foucault e Rolnik, e a metodologia utilizada é a cartografia. A partir da temática e de elementos trazidos pelo filme, algumas problematizações são colocadas, como a associação do regime de facções apresentado na trama com a fixidez identitária dos kits de perfis-padrão (ROLNIK, 1997) oferecidos aos jovens na atualidade. Ao abordar essa serialização que se dá sobre o indivíduo, revelando um mecanismo muito mais amplo e que está para além dele, lanço mão do conceito de agenciamento coletivo de enunciação (GUATTARI, 1996). Em seguida, relaciono a existência dos divergentes à possibilidade de singularização (GUATTARI, 1996), problematizando a reterritorialização, extensiva ao espectador por meio da empatia (BOAL, 2013), pela qual passa a personagem principal do filme. A análise do filme à luz dos autores utilizados indicou uma tendência da película em reafirmar, frente a seu público, a aceitação passiva do regime de facções trazido pelo longa e, por conseguinte, do próprio quadro de referências identitárias oferecido ao jovem em nossa cultura.

Biografia do Autor

Greice Rosane Gomes

Mestranda em Educação pelo Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) e graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Cynthia Farina

Professora do Programa de Pós-graduação em Educação do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul), é doutora em Ciências da Educação pela Universidade de Barcelona, com pós-doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Downloads

Publicado

2016-12-16

Como Citar

Gomes, G. R., & Farina, C. (2016). O que nos fala o cinema sobre a juventude? O regime de facções em insurgente e a fixidez identitária. Revista De Humanidades, 31(2), 331–346. https://doi.org/10.5020/23180714.2016.31.2.331-346

Edição

Seção

Artigos