O papel da escola na prisão: o ponto de vista dos privados de liberdade

Autores

  • Carla Poennia Gadelha Soares
  • Tania Vicente Viana

DOI:

https://doi.org/10.5020/23180714.2017.32.2.139-147

Palavras-chave:

Educação, prisão, ressocialização.

Resumo

O objetivo deste estudo é refletir sobre os sentidos que os alunos privados de liberdade atribuem à educação formal. Para tanto, fundamentamo-nos nos estudos de Sousa (2000, 2004), Goffman (2013), Figueiredo (2005, 2012) e Freire (2012, 2014). Os resultados revelaram que as ações educativas ocorridas no interior dos presídios, além de enfatizarem os conteúdos pragmáticos, também exercem uma influência edificante na vida do interno, criando condições para que ele se compreenda e se aceite como indivíduo social, sentindo-se motivado a construir um novo projeto de vida.

Biografia do Autor

Carla Poennia Gadelha Soares

1 Mestre e Doutoranda em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora da rede pública estadual da Secretaria da Educação Básica do estado Ceará (SEDUC/CE). Membro da comissão de remição de pena nos estabelecimentos penais do estado do Ceará. Integra o Grupo de Estudos em Educação em Regimes de Privação de Liberdade da Universidade de São Paulo (USP)

Tania Vicente Viana

Professora Adjunta do Departamento de Fundamentos da Educação da Faculdade de Educação (Faced) da Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faced/UFC. Linha de pesquisa: Avaliação Educacional. Doutora em Educação Brasileira pela Faced/UFC. Integra o Grupo de Pesquisa em Avaliação Educacional da UFC.

Downloads

Publicado

2018-02-02

Como Citar

Gadelha Soares, C. P., & Viana, T. V. (2018). O papel da escola na prisão: o ponto de vista dos privados de liberdade. Revista De Humanidades, 32(2), 139–147. https://doi.org/10.5020/23180714.2017.32.2.139-147

Edição

Seção

Artigos