Uma leitura espacial de The beast in the jungle, de Henry James

Autores

  • Sandro Araújo Freitas Filho
  • Natasha Vicente da Silveira Costa

DOI:

https://doi.org/10.5020/23180714.2018.8860

Palavras-chave:

Representação Espacial. Espaços Físicos. Espaços Metafóricos. Narrativa Jamesiana.

Resumo

O objetivo deste artigo é estudar a espacialidade da novela The beast in the jungle, publicada por Henry James em 1903. Traduzida como A fera na selva, essa obra de natureza existencial representa a espera letárgica de John Marcher por um acontecimento raro e prodigioso em sua vida. Pretendemos investigar, especificamente, a relação entre a construção espacial e a subjetividade dos personagens, com basenas considerações teóricas de Borges Filho (2007) e Brandão (2013), bem como nas leituras críticas de Bazargan (2008) e Simonds (2018). A metodologia se pauta na análise, de um lado, dos espaços físicos, que visam representar a materialidade que circunda os personagens, e, de outro, dos espaços metafóricos, que impelem essa dimensão física ao abstrato, à elaboração mental. Como resultado, observa-se que os espaços físicos e metafóricos são construídos de modo a não somente localizar os personagens, mas a expressar suas personalidades, reiterar a mensagem da novela, reverberar as experiências humanas e problematizar a conscientização de John Marcher.

Biografia do Autor

Sandro Araújo Freitas Filho

Universidade Federal de Goiás - Regional Jataí - Graduando do curso de Letras Português

Natasha Vicente da Silveira Costa

Universidade Federal de Goiás - Regional Jataí - Docente da área de Literaturas de Língua Inglesa no curso de Letras Inglês.

Downloads

Publicado

2019-01-10

Como Citar

Araújo Freitas Filho, S., & da Silveira Costa, N. V. (2019). Uma leitura espacial de The beast in the jungle, de Henry James. Revista De Humanidades, 33. https://doi.org/10.5020/23180714.2018.8860

Edição

Seção

Artigos