Psicologia Existencialista e Literatura: Reflexões sobre a Infância a partir de um Conto Sartriano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i1.e10854

Palavras-chave:

infâncias, constituição de sujeito, psicologia existencialista, literatura, Jean-Paul Sartre

Resumo

Este estudo tem como tema geral a infância, entendendo-a a partir da perspectiva filosófica e psicológica de Jean-Paul Sartre (1905 - 1980). Este demarca um olhar socio-histórico e existencial sobre os fenômenos humanos, possibilitando-nos pensar em “infâncias”, diversas e situadas. Detivemo-nos no conto A Infância de um Chefe, do livro O Muro, de Sartre, com a finalidade de articularmos a concepção sobre a constituição de sujeito desse filósofo, com as situações e as vivências do personagem Lucien Fleurier quando criança. Ao empreendermos a correlação com a teoria sartriana, colocamos em evidência as principais mediações da vida de Lucien, bem como o modo como ele as experimentava e como conduzia suas relações, especialmente de modo confuso e solitário, em que as experiências de imaginação e de emoção aparecem como centrais. O conto sartriano ilustra a histórica relação hierárquica entre adultos e crianças, em que os primeiros são considerados sujeitos ativos, detentores do conhecimento, enquanto os segundos, muitas vezes, são considerados passivos e posicionados como objetos, com um futuro predeterminado, com poucos recursos para se tornarem sujeitos de suas histórias.

Biografia do Autor

Raquel Wzorek, Universidade do Sul de Santa Catarina

Psicóloga. Especialista em Psicologia Existencialista Sartriana, Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Psicoterapeuta, Florianópolis, SC.

Zuleica Pretto, Universidade do Sul de Santa Catarina

Psicóloga. Doutora e Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Docente de Psicologia em cursos de Graduação, Especialização e Formação em Psicologia Existencialista. Psicoterapeuta/Espaço Biografias, Florianópolis/SC.

Referências

Beauvoir, S. (1967). O segundo sexo, Vol. 2: A experiência vivida. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

Beauvoir, S. (2009). A força das coisas. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira.

Campos, C. M., Alt, F., & Ewald, A. P. (2009). A interrelação filosófico-literária do pensamento de Sartre: Bases para uma psicologia fenomenológica do Eu. Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies, 15(2), 126-132.

Ferrarotti, F. (1981). On the autonomy of the biographical method. In D. Bertaux (Ed.), Biography and society. The life history approach in the Social Sciences. London: SAGE. Link

Pretto, Z. (2013). A infância como acontecimento singular na complexidade dialética da história. Psicologia & Sociedade, 25(3), 623-630.

Pretto, Z. (2015). Crianças no contexto de um bairro em processo de urbanização na ilha de Santa Catarina (2010-2014). Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Ribeiro, D. C. B. (2011). A teoria em cena: O valor e a má-fé na literatura de Jean-Paul Sartre. Revista Eletrônica Literatura e Autoritarismo: Processos de identificação e políticas da (in)diferença,18(1), 8.

Rufinoni, P. R. (2008). Liberdade dramática: Ética e literatura na escrita de Sartre. Kriterion: Revista de Filosofia, 49(117), 201-218.

Sartre, J-P. (1967). As palavras (6aed). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Sartre, J-P. (1978). O Existencialismo é um humanismo. São Paulo: Abril Cultural. (Coleção Os Pensadores).

Sartre, J-P. (1995). A questão judaica. São Paulo: Ática.

Sartre, J-P. (1996). O imaginário. São Paulo: Ed. Ática.

Sartre, J-P. (2002). Crítica da razão dialética. Rio de Janeiro: Ed. DP&A.

Sartre, J-P. (2009). O ser e o nada: Ensaio de ontologia fenomenológica (18aed). Petrópolis, RJ: Vozes.

Sartre, J-P. (2010). A transcendência do ego. Cadernos Espinosanos, (22), 183-228.

Sartre, J-P. (2013a). Esboço para uma teoria das emoções. Porto Alegre: L&PM POCKET PLUS.

Sartre, J, P. (2013b). O idiota da família. Porto Alegre: L&PM.

Sartre, J-P. (2017). O muro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Schneider, D. R. (2002). Nascimento existencial: O salto qualitativo da infância para a adolescência. In Anais do III Congresso de Reorientação Curricular. Blumenau: Edifurb.

Schneider, D. R. (2006). Novas perspectivas para a psicologia clínica a partir das contribuições de J. P. Sartre. Interação em Psicologia,10(1), 101-112.

Schneider, D. R. (2011). Sartre e a psicologia clínica. Florianópolis: Ed. da UFSC.

Toledo, R., & Andrade, M. J. N. (2005). O conto “A infância de um chefe” e a primeira fase da filosofia de Jean-Paul Sartre. In VIII Semana de Filosofia da UFSJ. São João del-Rei: Universidade Federal de São João del-Rei. Link

Downloads

Publicado

29.04.2022

Edição

Seção

Estudos Teóricos