Mal-Estar e Subjetividade Brasileira

Luís Cláudio Mendonça Figeiredo

Resumo


Na minha fala procurarei chegar à questão do que poderia ser considerado como “sintoma social no Brasil” através de um trajeto, um pouco longo, que se inicia com a releitura de dois textos de Freud – O Futuro de uma ilusão e O Mal-estar na cultura. Nesses trabalhos de maturidade, Freud nos oferece uma compreensão das relações entre “natureza” e “cultura” e entre “indivíduo” e “sociedade” que até hoje é difícil de apreender em sua radical novidade. Tentarei demonstrar que nem complementaridade, nem oposição simples, nem oposição dialética dão conta destas relações e que apenas o que Jacques Derrida denominou de lógica da suplementaridade corresponde ao pensamento freudiano e a uma ética psicanalítica em que o “mal-estar”, um estado crônico mas tolerável de desprazer, é intrínseco à constituição do psiquismo e uma condição básica para a procura pelo homem das felicidades possíveis. Será, então, a partir desta lógica da suplementaridade e desta compreensão do “mal-estar” na cultura, que tecerei considerações acerca da Modernidade ocidental e de como o Brasil se insere em sua periferia, gerando sua própria versão, algo caricata, do “mal-estar”. Finalmente, tentarei, com a ajuda de um dos nossos grandes humoristas – Luís Fernando Veríssimo –, sugerir o riso de nós mesmos como uma importante medida analítica e terapêutica. Palavras-chave: cultura, indivíduo, natureza, sintoma social, sociedade

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia