Mal-estar na psicologia: a insurreição da subjetividade

Jáder F. Leite, Magda Dimenstein

Resumo


Os autores discorrem sobre o tema da subjetividade, problematizando as concepções hegemônicas no campo da Psicologia que destacam o sujeito enquanto uma experiência individualizada, universal, estrutural e racional. Destacam como esse ideário marcou a Psicologia Social americana e apontam as revisões epistemológicas efetuadas nesta disciplina, tanto na Europa quanto no Brasil, que permitiram uma concepção de subjetividade mais articulada com os processos sociais. É no entanto, a partir de autores do pensamento filosófico contemporâneo como Foucault, Deleuze e Guattari que a subjetividade é destacada enquanto categoria processual, inscrita no plano de sua produção em função dos agenciamentos de instâncias de subjetivação dispostas no registro do social. Tal perspectiva leva a um rompimento com as posturas naturalizantes e individualizantes de abordagem da subjetividade. Concluem destacando a inseparabilidade entre os processos subjetivos e o campo social e enfatizam que o trabalho com a categoria da subjetividade permite acessar as formas pelas quais os humanos se relacionam com os regimes de verdades de sua época e como podem não só reproduzir tais regimes, mas reconstruí-los. Palavras-chave: subjetividade - processos de subjetivação – indivíduo - psicologia – agenciamento

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia