Depressão: Doença, Sintoma, Estrutura ou Mal-Estar Contemporâneo?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e11859

Palavras-chave:

depressão, psicanálise, sintoma, contemporâneo

Resumo

O presente artigo realizou uma revisão de literatura acerca do tema depressão, percorrendo as articulações teóricas desenvolvidas ao longo do século XX e início do século XXI. Diante da vasta literatura disponível, não se almejou estabelecer verdades universais sobre a depressão. Foi possível observar que a temática da depressão suscita, ainda hoje, diferentes elaborações teóricas, visto que o quadro é por vezes definido como uma doença, um sintoma, uma estrutura ou ainda um mal-estar contemporâneo. A depressão é um diagnóstico recorrente na contemporaneidade e diversos estudos foram realizados na tentativa de entender esta forma de sofrimento, abrindo a discussão sobre o estatuto desse diagnóstico. Partimos das concepções de Freud ao diferenciar a depressão da melancolia e encaminhamos a discussão através das proposições de Lacan que aproxima a depressão a uma espécie de frouxidão moral. A partir daí, conversamos com autores contemporâneos que situam o sofrimento depressivo em uma manifestação primitiva do psiquismo, anterior aos processos de simbolização e ao Édipo. Além disso, associam a depressão aos fatores do mundo capitalista, no qual a aceleração do tempo e a falência paterna são determinantes para a manifestação do sofrimento.

Biografia do Autor

Livia Freire de Menezes Herculano, Universidade de Fortaleza (Unifor)

Mestre em Psicologia pela Universidade de Fortaleza (Unifor).

Leonardo José Barreira Danziato, Universidade de Fortaleza (Unifor)

Pós-Doutor pela Université Paris 7 (Diderot). Doutor e Mestre em Sociologia pelo Programa de Pós-graduação em Sociologia de Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade de Fortaleza (Unifor).

Referências

Abras, R. M. G. (2011). A vida se engole a seco: Reflexões sobre a depressão na contemporaneidade. Estudos de Psicanálise, (35), 109-114. Link

Abel, M. C. (2013). Diagnóstico em Freud e Lacan: Objectivos, métodos e critérios. Psicologia, 27(2), 17-32. DOI: 10.17575/rpsicol.v27i2.420

Albertini, S. (2011). Sintoma e política. Revista Mal Estar e Subjetividade, 11(1), 285-309. Link

Askofaré, S., & Alberti, S. (2011). Estrutura e discurso: Problema e questões do diagnóstico. Revista Affectio Societatis, 8(15), 1-21. Link

Borges, S. (2015). Capitalismo e angústia. Revista Subjetividades, 15(3), 398-406. DOI: 10.5020/23590777.15.3.398-406

Campos, E. B. V. (2016). Uma perspectiva psicanalítica sobre as depressões na atualidade. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 7(2), 22-44. DOI: 10.5433/2236-6407.2016v7n2p22

Castro, M. F. M., & Massa, E. S. C. (2019). A sociedade contemporânea, os imperativos do ideal do eu e os diagnósticos de depressão. Pretextos, 4 (8), 111-127. Link

Chemama, R. (2007). Depressão, a grande neurose contemporânea. CMC.

Coppedê, D. R. (2016). O discurso da depressão: Quando dizer é sofrer (Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo). USP: Biblioteca Digital USP. Link

Coser, O. (2003). Depressão: Clínica, crítica e ética. Editora Fiocruz.

Daniel, C., & Souza, M. (2006). Modos de subjetivar e de configurar o sofrimento: Depressão e modernidade. Psicologia em Revista, 12(20), 117-130. Link

Delouya, D. (2003). Depressão. Casa do Psicólogo.

Edler, S. (2008). Luto e melancolia: À sombra do espetáculo. Civilização Brasileira.

Fédida, P. (2002). Dos benefícios da depressão: Elogio da psicoterapia. Escuta.

Ferrari, I. F. (2006). A solidão e o funcionamento dos sujeitos em tempos de inovação frenética. In Conselho Federal de Psicologia (Org.), Anais do Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental. CFP.

Ferrari, I. F., & Laia, S. (2009). Psicopatologia: A perspectiva freudiana. In V. L. Besset & H. F. Carneiro (Orgs.), A soberania da clínica na psicopatologia do cotidiano (pp. 183-213). Garamond.

Folberg, M. N., & Maggi, N. R. (2002). Declínio da função paterna e dialética da simbolização. Estilos da Clínica, 7(13), 92-99. DOI: 10.11606/issn.1981-1624.v7i13p92-99

Freud, S. (1996a). Extratos dos documentos dirigidos a Fliess: Rascunho A. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 1, pp. 221-223). Imago. (Originalmente publicado em 1892)

Freud, S. (1996b). Extratos dos documentos dirigidos a Fliess: Rascunho B. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 1, pp. 223-229). Imago. (Originalmente publicado em 1893)

Freud, S. (1996c). Extratos dos documentos dirigidos a Fliess: Rascunho G. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 1, pp. 246-253). Imago. (Originalmente publicado em 1895)

Freud, S. (2013). O Eu e o Id, “Autobiografia” e outros textos. In S. Freud, Obras Completas (Vol. 16, pp. 13-74). Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1923)

Freud, S. (2014a). Inibição, sintoma e angústia, o Futuro de uma Ilusão e outros textos. In Obras Completas (Vol. 17, pp. 13-123). Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1926)

Freud, S. (2014b). Primeira parte: Os atos falhos - Introdução. In S. Freud, Obras Completas (Vol. 13, pp. 18-30). Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1916)

Freud, S. (2014c). Terceira parte: Teoria geral das neuroses – Os caminhos das formações dos sintomas. In S. Freud, Obras Completas (Vol.13, pp. 475-500). Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1917)

Freud, S. (2015). Luto e melancolia. In S. Freud, Obras Completas (Vol. 12, pp. 170-194). Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1917)

Gomes, L. Q., & Silva, G. S. (2018). A depressão: Da história para a clínica psicanalítica contemporânea. Revista Ciência (In)Cena, 1(6), 51-68. Link

Heguedusch, C. V., Justo, J. S., & Molina, J. A. (2017). Depressão na atualidade: Estrutura psíquica ou metáfora do psiquismo? Um diálogo entre Maria Rita Kehl e Pierre Fédida. Cadernos de Psicanálise, 39(37), 29-51. Link

Kehl, M. R. (2009). O tempo e o cão: A atualidade das depressões. Boitempo.

Lacan, J. (1993). Televisão. Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1974)

Lacan, J. (1997a). O seminário, livro 5: As formações do inconsciente (1957-1958). Jorge Zahar.

Lacan, J. (1997b). O seminário, livro 7: A ética da psicanálise (1959-1960). Jorge Zahar.

Lacan, J. (2005). O seminário, livro 10: A angústia (1962-1963). Jorge Zahar.

Lacan, J. (2008). O seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da Psicanálise. Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1964)

Lacan, J. (2016). O seminário, livro 6: O desejo e sua interpretação (1958-1959). Jorge Zahar.

Lambotte, M-C. (2000). A estética da melancolia. Companhia das Letras.

Machado, L. V., & Ferreira, R. R. (2014). A indústria farmacêutica e psicanálise diante da “epidemia de depressão”: respostas possíveis. Psicologia em Estudo, 19(1), 135-144. DOI: 10.1590/1413-7372189590013

Maia, A. B., Medeiros, C. P., & Fontes, F. (2012). O conceito de sintoma na psicanálise: Uma introdução. Estilos da Clínica, 17(1), 44-61. DOI: 10.11606/issn.1981-1624.v17i1p44-61

Medeiros, A. A., & Matos, R. P. C. (2018). A depressão como posição subjetiva: Contribuições lacanianas. Revista Subjetividades, 18(2), 80-92. DOI: 10.5020/23590777.rs.v18i2.7264

Mendes, E. D., Viana, T. C., & Bara, O. (2014). Melancolia e depressão: Um estudo psicanalítico. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 30(4), 423-431. Link

Mendlowicz, E. (2009). A sociedade contemporânea e a depressão. Trivium: Estudos interdisciplinares, 1(1), 42-52.

Minerbo, M. (2013). Ser e sofrer, hoje. Ide, 35(55), 31-42. Link

Peret, M. F. F. (2003). A depressão na clínica lacaniana: Um estudo de caso [Dissertação de mestrado, Universidade Católica Dom Bosco]. UCDB: Mestrado e Doutorado em Psicologia - Dissertações e Teses. Link

Quintella, R. R. (2016). Depressão contemporânea e metapsicologia freudiana: Pensando a neurose na atualidade. Reverso, 38(71), 65-73. Link

Rodrigues, H. P. (2012). Estudo psicanalítico sobre os efeitos subjetivos do diagnóstico psiquiátrico de depressão [Dissertação de mestrado, Universidade de Fortaleza]. Unifor: Mestrado em Psicologia - Dissertações. Link

Rodrigues, M. J. S. F. (2000). O diagnóstico de depressão. Psicologia USP, 11(1), 155-187. DOI: 10.1590/S0103-65642000000100010

Silva, M. M. (2018). O discurso universitário e a clínica contemporânea. Cadernos de psicanálise, 40(38), 161-182. Link

Söhnle, E., Jr. (2011). A melancolia, o discurso melancólico e suas relações com a mídia e com o consumo. Signo, 36(61), 422-456. DOI: 10.17058/signo.v36i61.2517

Teixeira, A. M. R. (2008). Depressão ou lassidão do pensamento? Reflexões sobre o Spinoza de Lacan. Psicologia Clínica, 20(1), 27-41. DOI: 10.1590/S0103-56652008000100002

Teixeira, L. C. (2004). Saturno nos trópicos: A melancolia europeia chega ao Brasil [Resenha]. Revista Mal Estar e Subjetividade, 4(2), 392-398. Link

Downloads

Publicado

15.07.2022

Como Citar

Herculano, L. F. de M., & Danziato, L. J. B. (2022). Depressão: Doença, Sintoma, Estrutura ou Mal-Estar Contemporâneo?. Revista Subjetividades, 22(2), e11859. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e11859

Edição

Seção

Estudos Teóricos