Admirável Maternidade Nova

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e11982

Palavras-chave:

clinica psicanalítica, maternidade, subjetividade

Resumo

A idealização da experiência subjetiva da mulher em relação à maternidade se contrasta com os novos ideais femininos que não mais se restringem à maternidade e ao matrimônio. Frente à pluralidade de destinos femininos possíveis para além da maternidade, buscou-se refletir, a partir de um estudo teórico, as repercussões psíquicas experimentadas pela mãe, a partir da chegada de um bebê, ancoradas tanto em sua história pessoal quanto no contexto social no qual se vive, uma vez que o tornar-se mãe não está livre das suposições de seu tempo. Para tanto, realizou-se um estudo teórico a partir dos conceitos de preocupação materna primária e estado sem sujeito de Winnicott e Ogden, com objetivo de compreender esse momento, sempre singular, na vida da recém-mãe.

Biografia do Autor

Isabela Medina França Affonso dos Santos Guimarães, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Puc-Rio). Especialista em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Puc-Rio).

Silvia Maria AbuJamra Zornig, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Puc-Rio). Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e do Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Puc-Rio).

Referências

Aragão, R. M. O. (2007). A construção do espaço psíquico materno e seus efeitos sobre o psiquismo nascente do bebê [Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. PUC-SP: Repositório PUCSP. Link

Aragão, R. M. O. (2016). Presença/ausência materna e os processos de subjetivação [Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro]. PUC-Rio: Maxwell - Repositório Institucional. DOI: 10.17771/PUCRio.acad.31313

Badinter, E. (1985). Um amor conquistado: O mito do amor materno. Nova Fronteira.

Badinter, E. (2011). O conflito: A mulher e a mãe. Record.

Birman, J. (2007). Laços e desenlaces na contemporaneidade. Jornal de Psicanálise, 40(72), 47-62.

Bydlowski, M. (2002). O olhar interior da mulher grávida: Transparência psíquica e representação do objeto interno. In L. Corrêa Filho, M. H. Corrêa Girade & P. França (Orgs.), Novos olhares sobre a gestação e a criança até 3 anos: Saúde perinatal, educação e desenvolvimento do bebê (pp. 205-214). L. G. E. Editora.

Ferenczi, S. (1992). O sonho do bebê sábio. In S. Ferenczi, Obras completas: Psicanálise III (pp. 223-224). WMF Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1923)

Freud, S. (1996a). Sobre o narcisismo, uma introdução. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 14, pp. 83-119). Imago. (Originalmente publicado em 1914)

Freud, S. (1996b). Luto e melancolia. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 14, pp. 243-266). Imago. (Originalmente escrito em 1915 e publicado em 1917)

Iaconelli, V. (2015). Mal-estar na maternidade: Do infanticídio à função materna. Annablume.

Kehl, M. R. (2008). Deslocamento do feminino. Imago.

Kehl, M. R. (2020). Uma ética do bom senso: Conselhos de Donald Winnicott a jovens mães. In D. Winnicott, Bebês e suas mães (pp.7-15). UBU Editora.

Medina, I. (2020). Ser mãe e mulher: impasses e desafios na contrução da maternidade. In Fronteiras 33º Congresso Latinoamericano de Psicanálise. Montevideo: Viento de Fondo. Link

Ogden, T. (1997). Os sujeitos da psicanálise. Casa do Psicólogo.

Ogden, T. (2010). Sobre sustentar e conter, ser e sonhar. In T. Ogden, Sonhando sonhos não sonhados e gritos interrompidos (pp. 121-138). ArtMed.

Santos, N. T. G. (2017). Preocupação materna primária: Condições de instauração e seus desafios na atualidade [Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro]. PUC-Rio: DBD - Divisão de Bibliotecas e Documentação. Link

Stern, D. (1997). A constelação da maternidade. Artes Médicas.

Winnicott, D. (1978a). Recordações do nascimento, trauma do nascimento e ansiedade. In D. Winnicott, Textos escolhidos: Da pediatria à psicanálise (pp.313-339). Francisco Alves. (Originalmente publicado em 1949)

Winnicott, D. (1978b). A preocupação materna primária. In D. Winnicott, Da pediatria à psicanálise: Obras escolhidas (pp. 399-405). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1956)

Winnicott, D. (1983). Comunicação e falta de comunicação levando ao estudo de certos opostos. In D. Winnicott, O ambiente e os processos de maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional (pp.163-174). Artes Médicas. (Originalmente publicado em 1963)

Winnicott, D. (2020). Bebês e suas mães. UBU Editora. (Originalmente publicado em 1964)

Zornig, S. M. A.-J. (2010). Tornar-se pai, tornar-se mãe: O processo de construção da parentalidade. Tempo psicanalítico, 42(2), 453-470. Link

Downloads

Publicado

15.07.2022

Como Citar

Guimarães, I. M. F. A. dos S., & Zornig, S. M. A. (2022). Admirável Maternidade Nova. Revista Subjetividades, 22(2), e11982. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e11982

Edição

Seção

Estudos Teóricos