O Estrangeiro nas Diásporas Contemporâneas: Refugiados da Violência e Imigrantes Econômicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e12283

Palavras-chave:

diáspora, refugiados, imigrantes econômicos.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as experiências de imigrantes e refugiados na cidade de Uberlândia, enquanto fenômeno diaspórico. A pesquisa é orientada pela abordagem qualitativa e utiliza de entrevistas semiestruturadas com imigrantes e refugiados, as quais foram analisadas pela técnica de análise de narrativas. A pesquisa aborda a exploração sofrida por outsiders advinda de estabelecidos, especialmente no contexto do trabalho, caracterizando uma relação de poder e colonialidade no âmbito organizacional. Os resultados são agrupados em três narrativas: a) a vida na terra da gente; b) diáspora contemporânea – o viver na terra dos outros; c) a diáspora contemporânea – trabalhar na terra dos outros. A pesquisa contribui com os estudos sobre as relações de poder no âmbito do trabalho, ampliando as discussões sobre crise migratória e a relação de opressão e hostilidade existente entre estabelecidos e outsiders.

Biografia do Autor

Nathália Santos Franqueiro, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Doutoranda em Administração pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Cintia Rodrigues de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Doutora em Administração pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (EAESP/ FGV). Professora Associada da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Rodrigo Miranda, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Doutor em Administração pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (EAESP/ FGV). Professor Associado da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Referências

Armbruster, H. (2008). ‘With hard work and determination you can make it here’: Narratives of identity among German immigrants in post-colonial Namibia. Journal of Southern African Studies, 34(3), 611-628. DOI: 10.1080/03057070802259852

Banerjee, S. B., & Linstead, S. (2001). Globalization, multiculturalism and other fictions: Colonialism for the new millennium? Organization, 8(4), 683-722. DOI: 10.1177/135050840184006

Bauman, Z. (2005). Identidade: Entrevista a Benedetto Vecchi. Zahar.

Bauman, Z. (2017). Estranhos à nossa porta. Zahar.

Ben-Rafael, E. (2013). Diaspora. Current Sociology Review, 61(5-6), 842-861. DOI: 10.1177/0011392113480371

Campbell, S. (2018). National identity among economic and non-economic immigrants. Review of Economics of the Household, 17(2), 411-438. DOI: 10.1007/s11150-018-9439-8

Cláudio, A. L. A. (2009). Diásporas, transculturação e migrações contemporâneas: Um foco nas fotografias de Sebastião Salgado. In Sociedade Brasileira de Sociologia (Org.), XIV Congresso Brasileiro de Sociologia. SBS.

Constituição Federal do Brasil de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Senado Federal.

Dalmônica, M. (21/05/2018). Uberlândia é a 3ª cidade com maior número de imigrantes de Minas. Link

Elias, N., & Scotson, J. L. (2000). Os estabelecidos e os outsiders. Zahar.

Fleming, D. (2001). Narrative leadership: Using the power of stories. Strategy & Leadership, 29(4), 26-34. DOI: 10.1108/sl.2001.26129dab.002

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Artmed.

Franco, M. (03/03/2018). Brasil tem 86 mil estrangeiros aguardando resposta sobre refúgio e 14 funcionários para avaliar pedidos. Link

Freitas, M. E., & Dantas, M. (2011). O estrangeiro e o novo grupo. Revista de Administração de Empresas, 51(6), 601-608. DOI: 10.1590/S0034-75902011000600008

Gaskell, G. (2003). Entrevistas individuais e grupais. In W. Bauer & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som (pp. 64-89). Vozes.

Hall, S. (2003). Da diáspora. Identidades e mediações culturais. UFMG.

Juss, S. S. (2013). The post-colonial refugee, Dublin II, and the end of non-refoulement. International Journal on Minority and Group Rights, 20(2), 307-335. DOI: 10.1163/15718115-02002010

Juss, S. S. (2015). Recognizing refugee status for victims of trafficking and the myth of progress. Refugee Survey Quarterly, 34(2), 107-123. DOI: 10.1093/rsq/hdv003

Lei nº 13.445, de 24 de maio de 2017. Lei da Imigração. Link

Linstead, S., Maréchal, G., & Griffin, R. W. (2014).Theorizing and researching the dark side of organization, Organization Studies, 35(2), 165-188. DOI: 10.1177/0170840613515402

Loftsdóttir, K. (2019). ‘Europe is finished’: Migrants lives in Europe’s capital at times of crisis. Social Identities, 25(2), 240-253. DOI: 10.1080/13504630.2017.1414594

Mascarenhas, A. O., Dias, S. L. G., & Baptista, R. M. (2015). Elementos para discussão da escravidão contemporânea como prática de gestão. Revista de Administração de Empresas, 55(2), 175-187. DOI: 10.1590/S0034-759020150207

Mello, J. (17/09/2015). Refugiados enfrentam barreiras para viver e trabalhar no Brasil. Link

Mendes, J. (24/04/2018). Brasil se especializa no halal, uma técnica mulçumana sagrada de abate. Link

Parker, M. (2004). Against management: Organization in the age of manageralism. Polity Press.

Pereira, R. R. (2016). Diáspora contemporânea: Um convite à reflexão numa perspectiva histórico-literária. GrauZero – Revista de Critica Cultural, 4(1), 71-89. Link

Polkinghorne, D. E. (1995). Narrative configuration in qualitative analysis. International Journal of Qualitative Studies in Education, 8(1), 5-23. DOI: 10.1080/0951839950080103

Phillips, N. W. (1997). Managing multiple identities: Discourse, legitimacy and resources in the UK refugee system. Discourse and Organization, 4, 159-185. DOI: 10.1177/135050849742002

Reis, M. (2004). Theorizing diaspora: Perspectives on “classical” and “contemporary” diaspora. International Migration, 42(2), 41-60. DOI: 10.1111/j.0020-7985.2004.00280.x

Rogaly, B., & Taylor, B. (2010). ‘They called them communists then... What d’you call ‘em now? .... Insurgents?’. Narratives of British military expatriates in the context of the new imperalism. Journal of Ethic and Migration Studies, 36 (8), 1335-1351. DOI: 10.1080/13691831003687741

Santos, M. (2001). Por uma outra globalização: Do pensamento único à consciência universal. Record.

Silva, V. P. (2017). Trabalhadores imigrantes na cidade de Uberlândia/MG: Análise das políticas públicas brasileiras de trabalho e saúde no período de 2010 a 2016 [Tese Doutorado, Universidade Federal de São Paulo]. UFSP: Repositório Institucional. Link

Simmel, G. (1983). O estrangeiro. Sociologia. Ática.

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: Um debate em aberto. Temáticas, 22(44), 203-220.

Volkan, V. D. (2018). Immigrants and refugees: Trauma, perennial mourning, prejudice, and border psychology. Routledge.

Downloads

Publicado

15.07.2022

Como Citar

Franqueiro, N. S., Oliveira, C. R. de, & Miranda, R. (2022). O Estrangeiro nas Diásporas Contemporâneas: Refugiados da Violência e Imigrantes Econômicos. Revista Subjetividades, 22(2), e12283. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i2.e12283

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa