Desafios das Trabalhadoras Mães de Crianças pequenas durante a Pandemia Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v22i1.e12327

Palavras-chave:

psicologia do trabalho, stress, maternidade, fenomenologia, qualidade de vida no trabalho

Resumo

A partir do início de 2020, a pandemia da Covid-19 criou, em escala mundial, impactos profundos na maneira de viver das pessoas. As relações de trabalho foram drástica e repentinamente alteradas, sendo a adoção do teletrabalho uma das soluções mais comuns. Esse novo cenário implicou ajustes profissionais e familiares, além de ter acarretado desgastes psíquicos. O presente estudo objetivou compreender as vivências de 10 mulheres trabalhadoras mães de crianças entre zero e seis anos e que atuavam em modalidades alternativas de trabalho. O método utilizado foi qualitativo fenomenológico e, a partir de encontros dialógicos individuais, foram elaboradas narrativas compreensivas e posteriormente compiladas em uma narrativa síntese com resultados analisados a partir do Modelo Demandas-Recursos (JD-R). Os elementos estruturais dos fenômenos identificados foram: a) foco na vida pessoal ou profissional; b) isolamento e sobrecarga e c) engajamento x esgotamento. Foi possível constatar que as mulheres trabalhadoras, que são mães de crianças pequenas, enfrentam dificuldades para manter o equilíbrio emocional e qualidade de vida. Vivências de sobrecarga derivada da multiplicidade de papéis, bem como a percepção de restrições para ascensão na carreira, também foram detectadas. Possuir uma rede de apoio estruturada e com efetiva participação de outros atores é visto de forma positiva quando ocorre, mas, infelizmente, a viabilização desses recursos ainda só ocorre a partir da organização das próprias mulheres. Diante desses resultados, ressalta-se a importância de políticas sociais e organizacionais mais eficazes para a promoção de condições favoráveis de trabalho, assim como a valorização de modalidades flexíveis de vínculo com o trabalho e a conscientização social a respeito das desigualdades de gênero.

Biografia do Autor

Ana Paula Pagan Rossini, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas)

Mestre em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Especialista em Docência no Ensino Superior (Uniderp) e Gestão e Estratégias de Empresas (Unicamp). Docente e pesquisadora em Psicologia e Trabalho, nas áreas: Organizacional, Maternidade e Trabalho, Investigação Grupal e Saúde Mental do Trabalhador.

João Carlos Caselli Messias, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas)

Docente permanente da Pontifícia Universidade Católica de Campinas do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia. Líder do Grupo Psicologia e Trabalho: Abordagem Experiencial (DGP/CNPq). Pós-Doutorado em Saúde Mental dos Trabalhadores (UCDB).

Referências

Abbad, G. S., & Legentil, J. (2020). Novas demandas de aprendizagem dos trabalhadores face à pandemia da COVID-19. In M. M. Moraes (Ed), O trabalho e as medidas de contenção da COVID-19: Contribuições da Psicologia Organizacional e do Trabalho no contexto da pandemia. (Vol. 2, pp.45-57). Artmed.

Aldrighi, J. D., Wall, M. L., & Souza, S. R. R. K. (2018). Vivência de mulheres na gestação em idade tardia. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39, e2017-0112. DOI: 10.1590/1983-1447.2018.2017-0112

Anand, K. B., Karade, S., Sen, S., & Gupta, R. M. (2020). SARS-CoV-2: Camazotz’s Curse. Medical Journal Armed Forces India, 76(2), 136-141. DOI: 10.1016/j.mjafi.2020.04.008

Arundell, L., Sudholz, B., Teychenne, M., Salmon, J., Hayward, B., Healy, G., & Timperio, A. (2018). The impact of Activity Based Working (ABW) on workplace activity, eating behaviours, productivity, and satisfaction. International Journal of Environmental Research and Public Health, 15(5), 1005. DOI: 10.3390/ijerph15051005

Bakker, A. B., & Demerouti, E. (2007). The Job Demands-Resources model: State of the art. Journal of Managerial Psychology, 22(3), 309-328. DOI: 10.1108/02683940710733115

Bakker, A. B., Demerouti, E., & Sanz-Vergel, A. I. (2014). Burnout and work engagement: The JD–R approach. Annual Review of Organizational Psychology and Organizational Behavior, 1(1), 389-411. DOI: 10.1146/annurev-orgpsych-031413-091235

Bentivi, D. R., Carneiro, L. L, & Peixoto, A. L. (2020). Trabalhadores em arranjos alternativos de trabalho diante da COVID-19. In M. M. Moraes (Ed), O trabalho e as medidas de contenção da COVID-19: Contribuições da Psicologia Organizacional e do Trabalho no contexto da pandemia. (Vol. 2, pp.15-22). Porto Alegre: Artmed.

Bernardi, D., Féres-Carneiro, T., & Magalhães, A. S. (2018). Entre o desejo e a decisão: A escolha por ter filhos na atualidade. Contextos Clínicos, 11(2), 161-173. DOI: 10.4013/ctc.2018.112.02

Bertoncelo, V., & Junqueira, L. (2018). Novas formas de ocupação, do trabalho e condições. Revista Organizações em Contexto, 14(27), 187-210. DOI: 10.15603/1982-8756/roc.v14n27p187-210

Brisola, E. B. V., & Cury, V. E. (2016). Researcher experience as an instrument of investigation of a phenomenon: An example of heuristic research. Estudos de Psicologia (Campinas), 33(1), 95-105. DOI: 10.1590/1982-027520160001000010

Brisola, E. B. V., Cury, V. E., & Davidson, L. (2017). Building comprehensive narratives from dialogical encounters: A path in search of meanings. Estudos de Psicologia (Campinas), 34(4), 467-475. DOI: 10.1590/1982-02752017000400003

Brooks, S. K., Webster, R. K., Smith, L. E., Woodland, L., Wessely, S., Greenberg, N., Rubin, G. J. (2020). The psychological impact of quarantine and how to reduce it: Rapid review of the evidence. The Lancet, 395(10227), 912-920. DOI: 10.1016/S0140-6736(20)30460-8

Caetano, C., Martins, M. S., & Motta, R. C. (2016). Família contemporânea: Estudo de casais sem filhos por opção. Pensando Famílias, 20(1), 43-56.

Ceribeli, H. B., Rocha, G. B. S., & Pereira, M. R. (2017). Mulheres em cargos de chefia: Desafios e percepções. Diálogo, (36), 9-24. DOI: 10.18316/dialogo.v0i36.3738

Ceribeli, H. B., & Silva, E. R. (2017). Interrupção voluntária da carreira em prol da maternidade. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 11(5), 116-139. DOI: 10.12712/rpca.v11i5.1056

Cury, V. E. (2015). Narrativas compreensivas sobre sofrimento e cuidado em contextos institucionais. In Anais do II Congresso Brasileiro de Psicologia e Fenomenologia e IV Congresso Sul – Brasileiro de Fenomenologia: Pensar e fazer Fenomenologia no Brasil, UFPR, Curitiba, PR.

Chung, H., & van der Horst, M. (2018). Women’s employment patterns after childbirth and the perceived access to and use of flexitime and teleworking. Human Relations, 71(1), 47-72. DOI: 10.1177/0018726717713828

Chung, H. (2018). ‘Women’s work penalty’ in access to flexible working arrangements across Europe. European Journal of Industrial Relations, 25(1), 23-40. DOI: 10.1177/0959680117752829

Demenech, L. M., Dumith, S. C., Vieira, M. E. C. D., Neiva-Silva, L., Demenech, L. M., Dumith, S. C., Vieira, M. E. C. D., & Neiva-Silva, L. (2020). Desigualdade econômica e risco de infecção e morte por COVID-19 no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 23, e200095. DOI: 10.1590/1980-549720200095

Devotto, R. P., & Wechsler, S. M. (2019). Job crafting interventions: Systematic review. Trends in Psychology, 27(2), 371-383. DOI: 10.9788/tp2019.2-06

Fadda, G. M., & Cury, V. E. (2019). A experiência de mães e pais no relacionamento com o filho diagnosticado com autismo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 35(spe), e35nspe2. DOI: 10.1590/0102.3772e35nspe2

Ferreira, M. C, & Falcão, J. T. (2020). Trabalho em contexto de pandemia, saúde mental e qualidade de vida no trabalho: Diretrizes essenciais. In M. M. Moraes (Ed), Os impactos da pandemia para o trabalhador e suas relações com o trabalho (pp.23-33). Artmed.

Gazotti, T. C., & Cury, V. E. (2019). Vivências de psicólogos como integrantes de equipes multidisciplinares em hospital. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 19 (3), 772-786.

Greenhaus, J. H., & Beutell, N. J. (1985). Sources of conflict between work and family roles. Academy of Management Review, 10(1), 76-88.

Grzywacz, J. G., & Marks, N. F. (2000). Reconceptualizing the work–family interface: An ecological perspective on the correlates of positive and negative spillover between work and family. Journal of occupational health psychology, 5(1), 111-126. DOI: 10.1037/1076-8998.5.1.111

Guerra, E. L. (2014). Manual de pesquisa qualitativa. Editora Ânima Educação.

Gupta, N. (2016). Perceptions of the work environment: The issue of gender in indian scientific research institutes. Indian Journal of Gender Studies, 23(3) 437-466. DOI: 10.1177/0971521516656079

Heckenberg, R. A., Kent, S., & Wright, B. J. (2018). Investigating the JD-R occupational stress model with australian direct-care workers: A focus group approach. Health & Social Care in the Community, 26(5), 751-758. DOI: 10.1111/hsc.12603

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2018). População. Link

Jacomini, A. C., Mazzetto, F. C., Ferreira, M. L, Marim, M. J., Siqueira, F. P., & Orso, L. F. (2019). O puerpério tardio sob a ótica materna. In Anais do Congresso Ibero-Americano de Investigação Qualitativa (CIAQ). Atas - Investigação Qualitativa em Saúde, 2, 862-870.

Jaques, M. (2019). Reinstated but downgraded:Mothers’ experiences of postmaternity leave demotions and psychological contract violation. Tese de Mestrado, School of Labour Studies,McMaster University, Ontario, Canadá. Link

Kakabadse, N. K., Figueira, C., Nicolopoulou, K., Hong Yang, J., Kakabadse, A. P., & Özbilgin, M. F. (2015). Gender diversity and board performance: Women’s experiences and perspectives. Human Resource Management, 54(2), 265-281. DOI: 10.1002/hrm.21694

Manente, M.V., & Rodrigues, O. R. (2016). Maternidade e trabalho: Associação entre depressão pós-parto, apoio social e satisfação conjugal. Pensando famílias, 20(1), 99-111.

Martins, G. F., Leal, C. L., Schmidt, B., & Piccinini, C. A. (2019). Motherhood and work: Experience of women with established careers. Temas em Psicologia, 27(1), 69-84. DOI: 10.9788/TP2019.1-06

Massuda Junior, J., & Messias, J. C. (2019). Demandas e recursos: Importantes critérios para a saúde ocupacional [Texto de opinião]. Revista Laborativa, 8(2), 120–127. Link

Mendonça, M., & Matos, P. M. (2015). Conciliação família-trabalho vivida a dois: Um estudo qualitativo com casais de duplo emprego. Análise Psicológica, 33(3), 317–334. DOI: 10.14417/ap.904

Ministério do Trabalho e Emprego [MTE]. (2017). Anuário RAIS. Link

Oliveira, D. R. (2017). Do fim do trabalho ao trabalho sem fim: O trabalho e a vida dos trabalhadores digitais em Home Office. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, Brasil. Link

Oliveira, A. E. G., & Cury, V. E. (2020). patients experience assisted by a home care service (HCS). Psicologia em Estudo, 25, e44108. DOI: 10.4025/psicolestud.v25i0.44108

Organização Internacional do Trabalho [OIT]. (2015). Women in business and management: gaining momentum. Link

Parker, L. D. (2016). From scientific to activity-based office management: A mirage of change. Journal of Accounting & Organizational Change, 12(2), 177-202. DOI: 10.1108/JAOC-01-2015-0007

Peixoto, A. A., Vasconcelos, E. F., & Bentivi, D. C. (2020). Covid-19 e os desafios postos à atuação profissional em psicologia organizacional e do trabalho: Uma análise de experiências de psicólogos gestores. Psicologia, Ciência e Profissão, 40, e244195. DOI: 10.1590/1982-3703003244195

Rafalski, J. C., & Andrade, A. L. (2015). Home-office: Aspectos exploratórios do trabalho a partir de casa. Temas em Psicologia, 23(2), 431-441. DOI: 10.9788/TP2015.2-14

Ray, S. L., Wong, C., White, D., & Heaslip, K. (2013). Compassion satisfaction, compassion fatigue, work life conditions, and burnout among frontline mental health care professionals. Traumatology, 19 (4), 255-267. DOI: 10.1177/1534765612471144

Rodrigues, A. C. A., Moscon, D. C. B., Queiroz, G. C., & Silva, J. C. (2020). Trabalhadores na pandemia: Múltiplas realidades, múltiplos vínculos. In M. M. Moraes (Ed), Os impactos da pandemia para o trabalhador e suas relações com o trabalho (pp.1-14). Artmed.

Schmidt, B., Crepaldi, M. A., Bolze, S. D. A., Neiva-Silva, L., & Demenech, L. M. (2020). Saúde mental e intervenções psicológicas diante da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Estudos de Psicologia (Campinas), 37, e200063. DOI: 10.1590/1982-0275202037e200063

Silva, M. R., Teodózio, A. M., Pedrotti, B. G., & Frizzo, G. B. (2020). O pai no contexto da depressão pós-parto materna – e seis anos depois, que lugar ocupa esse pai? Revista Subjetividades, 20(3), 23-12. DOI: 10.5020/23590777.rs.v20i3.e10074

Steffens, M. C., Viladot, M. A., & Scheifele, C. (2019). Male majority, female majority, or gender diversity in organizations: How do proportions affect gender stereotyping and women leaders’ well-being? Frontiers in Psychology, 10. DOI: 10.3389/fpsyg.2019.01037

Viana, R. B., Paula, H. C., Valente, G. S. C., Coropes, V. B. A. S., & Paula, C. L. (2018). Dilemas da maternidade das mulheres contemporâneas: Revisão integrativa. Revista Enfermagem Atual In Derme, 85(23), 76-81. Link

Wang, L., Wang, Y., Ye, D., & Liu, Q. (2020). A review of the 2019 novel coronavirus (COVID-19) based on current evidence. International Journal of Antimicrobial Agents, 55(6), 105948. DOI: 10.1016/j.ijantimicag.2020.105948

Downloads

Publicado

29.04.2022

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa