O lugar da alteridade na psicologia ambiental

Helenira Fonsêca de Alencar, José Célio Freire

Resumo


Este artigo retoma uma discussão sobre o lugar da alteridade na Psicologia Ambiental, analisando as seguintes categorias: apropriação do espaço, identidade de lugar, apego a lugares e mapas afetivos. Com essa análise, investigamos, dentro da perspectiva transacionalista da Psicologia Ambiental, o lugar do outro na relação do sujeito com o ambiente, a partir de uma ética baseada na concepção da alteridade radical de Emmanuel Lévinas. Realizamos um estudo teórico-crítico das dimensões éticas envolvidas nos postulados teóricos da Psicologia Ambiental, a partir da metodologia desconstrucionista (Derrida), que utiliza a polissemia, a disseminação, a repetição e a diferença como elementos discursivos. Quanto ao conceito de apropriação do espaço, foi realizada uma discussão sobre a centralidade do eu em detrimento da alteridade e o esforço para transformar o outro no mesmo, através de um processo ativo ou simbólico. O conceito de identidade de lugar foi desconstruído a partir do conceito de identificação, o qual remete ao de apropriação do espaço. A ele foram propostos os conceitos de ipseidade e de hospitalidade ao ambiente outro, como alternativas éticas de acolhimento da alteridade. Encontramos a possibilidade ética da alteridade nos conceitos de apego ao lugar e mapas afetivos quando estes implicam no acolhimento do diferente, independente de uma identificação prévia com este. Palavras-chave: ética, alteridade, subjetividade, Psicologia Ambiental, desconstrução.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia