Representações Sociais do Mal-estar no Trabalho para Professores-gestores

Tatiana de Lucena Torres, Pedro F. Bendassolli, André Torres de Lima, Jéssica Silva de Freitas, Beatriz Gonçalves Lima

Resumo


O objetivo deste estudo foi caracterizar o conteúdo e estrutura das representações sociais do mal-estar no trabalho entre professores que exerciam cargos de gestão em uma universidade pública. Participaram da pesquisa 20 professores ocupando cargos de gestão, os quais responderam a uma rede associativa, seguida de uma entrevista semiestruturada aplicada individualmente. A palavra-estímulo da rede associativa foi mal-estar no trabalho. Foram realizadas análises de evocação dessas redes, considerando índices de polaridade, neutralidade e estereotipia. Além disso, o conteúdo transcrito foi analisado com auxílio de um software de análise textual e lexicográfica. Os elementos mais evocados na rede associativa foram: falta de estrutura, disputa de poder, baixo salário, estresse, falta de compromisso. A rede associativa apresentou pouca estereotipia, polaridade negativa e baixa neutralidade, confirmando heterogeneidade do conteúdo evocado. A análise textual e lexicográfica das entrevistas indicou que a função de gestão foi caracterizada como promotora de mal-estar no trabalho, especialmente por conta de gerar uma mudança de atuação, de professor para gestor, permeada por situações interpessoais conflituosas.

Palavras-chave


mal-estar; trabalho; gestão; universidade; representação social.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.14.2.319-328

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia