Reflexões em Torno do Conceito de Inconsciente Social

Carla Penna, Claudia Amorim Garcia

Resumo


A fundação da psicanálise deu-se a partir da formulação do conceito de inconsciente, contudo é possível observar na teoria psicanalítica passagens em que à discussão sobre o tema ultrapassa o registro do universo individual para envolver as relações entre sujeito e cultura, herança filogenética e transmissão psíquica. Dentro dessa perspectiva, este trabalho tem o objetivo de introduzir a discussão sobre o conceito de inconsciente social rastreando seus antecedentes na psicanálise freudiana e na grupanálise inglesa. Tendo como metodologia a pesquisa teórica, o artigo apresenta investigações teóricas atuais lideradas pelos psicanalistas e grupanalistas Earl Hopper e Haim Weinberg. Suas investigações valorizam as interdependências entre indivíduo e sociedade, a coconstrução dos fatos sociais, como também as coerções e restrições de natureza inconsciente presentes nessas relações. O artigo utiliza-se de autores clássicos como Freud, Burrow, Fromm, Foulkes, Elias e Castoriadis e de conceitualizações dos contemporâneos Hopper, Weinberg, Dalal e Volkan. Na sequência aponta para investigações psicanalíticas e grupanalíticas sobre trauma e transmissão psíquica em grandes grupos traumatizados. O estudo sobre o inconsciente social ainda está em seu início, mas promete conferir novas dimensões às investigações sobre as relações entre psicanálise e cultura.

Palavras-chave


inconsciente; inconsciente social; psicanálise; grupanálise; trauma.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.15.1.46-56

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia