O Conceito de Biopoder no Pensamento de Michel Foucault

Rafael Nogueira Furtado, Juliana Aparecida de Oliveira Camilo

Resumo


O presente artigo busca analisar o conceito de biopoder, tal como elaborado por Michel Foucault, entre os anos de 1974 e 1979. O biopoder é definido como assumindo duas formas: consiste, por um lado, em uma anátomo-política do corpo e, por outro, em uma biopolítica da população. A anátomo-política refere-se aos dispositivos disciplinares encarregados do extrair do corpo humano sua força produtiva, mediante o controle do tempo e do espaço, no interior de instituições, como a escola, o hospital, a fábrica e a prisão. Por sua vez, a biopolítica da população volta-se à regulação das massas, utilizando-se de saberes e práticas que permitam gerir taxas de natalidade, fluxos de migração, epidemias, aumento da longevidade. Ademais, busca-se relacionar as análises de Foucault sobre a política da vida à problemática do liberalismo, evidenciando a extrapolação da lógica econômica para relações sociais. Ao final do artigo, os autores discutem os desenvolvimentos contemporâneos das tecnologias da vida e procuram mostram como o conceito de biopoder auxilia na compreensão das formas atuais de governo das condutas.

Palavras-chave


biopoder; biopolítica; vida; liberalismo; Michel Foucault

Texto completo:

PDF/A

Referências


Álvaro, J. L., & Garrido, A. (2007). Psicologia social: Perspectivas psicológicas e sociológicas. São Paulo: McGraw-Hill.

Brown, T. (2012). Introduction to genetics: A molecular approach. New York: Garland Science.

Cree, L., & Loi, P. (2015). Mitochondrial replacement: From basic research to assisted reproductive technology portfolio tool-technicalities and possible risks. Molecular Human Reproduction, 21(1), 3-10.

Fonseca, M. (2006). Para pensar o público e o privado: Foucault e o tema das artes de governar. In M. Rago, & A. Veiga-Neto (Org.), Figuras de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Foucault, M. (1990). Qu’est-ce que la critique? Critique et Aufklärung. Bulletin de la Societé Française de Philosophie, 84(2), 35-63.

Foucault, M. (1994). La philosophie analytique de la politique. In M. Foucault, Dit et ecrits: 1954-1988. Paris: Gallimard.

Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. In H. Dreyfus, & P. Rabinow (Org.), Michel Foucault, uma trajetória filosófica: Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (1999). Em defesa da sociedade: Curso dado no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2002). Vigiar e punir: Nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes. (Originalmente publicado em 1975).

Foucault, M. (2008a). Segurança, território, população: Curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2008b). Nascimento da biopolítica: Curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2010a). História da sexualidade: A vontade de saber (Vol. 1). São Paulo: Edições Graal. (Originalmente publicado em 1976).

Foucault, M. (2010b). O nascimento da medicina social. In Microfísica do poder. São Paulo: Edições Graal. (Originalmente publicado em 1979).

Foucault, M. (2010c). Crise da medicina ou crise da antimedicina. Verve, (18) 167-194.

Foucault, M. (2010d). O nascimento do hospital. In Microfísica do poder. São Paulo: Edições Graal. (Originalmente publicado em 1979).

Jones, S. (2009). The britannica guide to genetics. London: Constable & Robinson.

Maeder, M., & Gersbach, C. (2016). Genome-editing technology for gene and cell therapy. Molecular Therapy, 24(3), 430-446.

Martins, L., & Peixoto Junior, C. (2009). Genealogia do biopoder. Psicologia & Sociedade, 21(2), 157-165.

Rose, N. (2013). A política da própria vida: Biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Paulus.

Sandel, M. (2007/2015). Contra a perfeição: Ética na era da engenharia genética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Simmel, G. (1900/2004). The philosophy of money. Abingdon: Routledge.

Steiner, P. (2003). Physiocracy and french pre-classical political economy. In J. Biddle, J. Davis, & W. Samuels, A companion to the history of economic thought. Oxford: Blackwell Publishing.

Veiga-Neto, A. (2011). Governamentalidades, neoliberalismo e educação. In G. Branco, A. Veiga-Neto (Org.), Foucault: Filosofia & política. Belo Horizonte: Autêntica Editora.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.16.3.34-44

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia