Declínio da Autoridade e seus Eeitos no Campo Escolar: Uma Perspectiva Psicanalítica

Maria Gláucia Pires Calzavara, Bianca Ferreira Rodrigues, Samira Pontes, Luiz Diego Sacramento do Carmo, Maria Luiza Guimarães de Pádua

Resumo


Buscamos, neste artigo, investigar como a escola vem sofrendo os efeitos da contemporaneidade no que se refere ao declínio das figuras de autoridade. Esta investigação se deu por meio de entrevistas semiestruturadas, realizadas com professores que lecionam nas séries do ensino fundamental I de uma escola do interior de Minas Gerais. As principais questões colocadas pelos professores foram as dificuldades em assumir o papel de autoridade, o currículo escolar defasado, a necessidade de um professor apoio/recuperador, a função apaziguadora do diagnóstico do aluno “problema” e a participação das famílias no processo educativo. Ao considerarmos tais questões pela perspectiva psicanalítica, o relato de professores que se sentem desautorizados evidenciao não saber fazer diante do mal-estar da atualidade, revelando, assim, a posição daquele que não se inscreve e poderá não se inscrever frente à inconsistência da autoridade. Sabemos que no campo psicanalítico transmite-se um saber fazer frente ao que não se sabe, ao que escapa ao sujeito. Desse modo, a proposta de interlocução da psicanálise e da educação não se dá pela via da restauração da autoridade pelo autoritarismo, muito próprio à educação tradicional, mas pelo exercício de uma função que visa preservar a hiância própria ao impossível do campo da educação.


Palavras-chave


psicanálise; escola; contemporaneidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


American Psychiatric Association. (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5. Porto Alegre: Artes Médicas.

Arnal, L. S. P., & Mori, N. N. R. (2007). Educação escolar inclusiva: A prática pedagógica nas salas de recursos. IV Congresso Brasileiro Multidisciplinar de Educação Especial. (Link)

Bautheney, K. C. S. F. (2011). Transtornos de aprendizagem: Quando “ir mal na escola” torna-se um problema médico e/ou psicológico. Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bonamino, A., & Martínez, S. (2002). Diretrizes e Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino fundamental: A participação das instâncias políticas do Estado. Educação e Sociedade, 23(80), 368-385.

Castro, J. E. (2013). Difusão, ensino e transmissão da psicanálise sob a ótica da teoria lacaniana dos discursos. Analytica, 1(2), 142-161.

Ceccarelli, P. R. (2007). Novas configurações familiares: Mitos e verdades. Jornal de Psicanálise, 40(72), 89-102.

Cerqueira, A., Cerqueira, A., Souza, T., & Mendes, P. (2008). A Trajetória da LDB: Um Olhar Crítico Frente à Realidade Brasileira. Ciclos Históricos. (Link)

Cohen, R. H. P. (2004). O traumático encontro com os outros da educação: A família, a escola e o Estado. Psicologia em Revista, 10(16), 256-269.

Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. (2001). Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Resolução 02/2001. Brasília: Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. (Link)

Dunker, C. I. L., & Kyrillos Neto, F. (2011). A crítica psicanalítica do DSM-IV: Breve história do casamento psicopatológico entre psicanálise e psiquiatria. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., 14(4), 611-626.

Fernandes, C., & Freitas, L. C. (2008). Indagações sobre o currículo: Currículo e avaliação. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

Forbes, J. (2005). A psicanálise do homem desbussolado: As reações ao futuro e o seu tratamento. Opção Lacaniana, 42, 30-33.

Kyrillos Neto, F., & Santos, R. A. N. (2014). Lógica diagnóstica em serviços abertos de saúde mental: Tensões entre psiquiatria e psicanálise. Barbarói, (40), 63-82.

Lacan, J. (1998). Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano. In J. Lacan, Escritos (pp. 807-842). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1960).

Lacan, J. (2007). O Seminário, livro 23: O Sinthoma. Rio de Janeiro: Jorge Zahar (Originalmente publicado em 1975).

Lajonquière, L. (1997). Dos “erros” e em especial daquele de renunciar à educação. Notas sobre psicanálise e educação. Estilos da Clínica, 2(2), 27-43

Leão, D. (1999). Paradigmas Contemporâneos de Educação: Escola Tradicional e Escola Construtivista. Cadernos de Pesquisa, (107), 187-206.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação: Promulgada em 20 de dezembro de 1996. (Link)

Lustoza, R., Cardoso, M., & Calazans, R. (2014). “Novos sintomas” e declínio da função paterna: Um exame crítico da questão. Ágora, 17(2), 201-213.

Mendonça Filho, J. B. (2006). Ensinar: Do mal entendido ao inesperado da transmissão. In E. M. T. Lopes (Org.), A psicanálise escuta a educação (pp. 71-106). Belo Horizonte: Editora Autêntica.

Miller, J.-A. (2003). La experiencia de lorealenla cura psicoanalítica. Buenos Aires: Paidós.

Miller, J-A. (2005). El outro que no existe y sus comités de ética. Buenos Aires: Paidós.

Moreira, A. (2002). Currículo, diferença cultural e diálogo. Educação & Sociedade, (79), 15-38.

Moreira, A., & Silva, T. (Orgs.). (1994). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Editora Cortez.

Outeiral, J. (2007). Famílias e contemporaneidade. Jornal de Psicanálise, 40(72), 63-73.

Pinto, T. (2012). Crítica do empirismo aplicado à psicopatologia clínica: Da esterilidade do DSM a uma saída pela psicanálise. Ágora, 15(n. esp.), 405-420.

Rubim, L., & Besset, V. (2007). Psicanálise e Educação: Desafios e perspectivas. Estilos da Clínica, 12(23), 36-55.

Sauvagnat, F. (2012). Considerações críticas acerca da classificação DSM e suas implicações na diagnóstica contemporânea. Analytica, 1(1), 13-27.

Silva, T. T. (2003). Documentos de identidade: Uma introdução às teorias do currículo. Porto Alegre: EditoraArtmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.16.3.109-120

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia