Subjetividade, gênero e poder: a expressão cultural da emoção na integração médicopaciente

Maria das Graças de Santana Salgado

Resumo


Entendendo que, quando em situação de sofrimento, o discurso do paciente sobre o médico oscila entre a submissão completa e a formulação de queixas, este trabalho desenvolve uma análise qualitativa do discurso da emoção do cliente através de cartas de reclamação contra médicos conveniados de um seguro de saúde, observando gênero e poder como aspectos relevantes da interação. A orientação teórica baseia-se na noção de emoção um construto cultural e uma prática discursiva, na noção de face (Goffman, 1967; Brown & Levinson, 1978/2001) e no modelo sugerido por Schimanoff (1987) acerca de emoções que honram e/ ou ameaçam a face dos participantes. Resultados parciais indicam que, neste contexto, pacientes destratados elaboram o discurso emocional atribuindo graus diferenciados de responsabilidade ao médico e à empresa. Semelhanças e diferenças de estratégias discursivas adotadas representam atos explícitos de ameaça a face do médico e relativo alinhamento com a empresa.

Palavras-chave


emoção, gênero, poder, face, discurso.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia