Subjetividade e defesa na obra de Michael Balint

Renata Mello, Regina Herzog

Resumo


Na atualidade, nos deparamos com a difusão dos chamados pacientes difíceis na clínica psicanalítica. Estes pacientes se mostram resistentes à técnica dita clássica da psicanálise, remetendo à necessidade de se debruçar sobre sua dinâmica psíquica, com vistas a um entendimento maior do que está em jogo nestes casos. Verifica-se que o processo de subjetivação reporta para uma vivência traumática precoce que incide sobre a relação do indivíduo com o que lhe é externo. Por conta do transbordamento de intensidades provocado pelo trauma, medidas de proteção elementares são mobilizadas visando evitar um colapso narcísico. A defesa passa a ser a via privilegiada pela qual o psiquismo se constitui, o que se traduz em um significativo empobrecimento da vida subjetiva. Para tentar compreender esta dinâmica e propor uma direção ao tratamento psíquico, vamos recorrer às idéias de Michael Balint sobre as relações objetais primárias, visto que seu pensamento oferece elementos importantes para uma renovação do entendimento, tanto da prática analítica, quanto da própria dinâmica psíquica em jogo nos dias de hoje. Com respeito às idéias de Balint, vamos nos deter em sua teoria do amor primário e na questão das modalidades de vínculo defensivas – ocnofilia e filobatismo – face ao desamor dos objetos primordiais, idéias que podem fornecer subsídios para lidar com estes pacientes ditos difíceis.

Palavras-chave


subjetividade, relações objetais, falha básica, defesa, Michael Balint.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia