O ócio como experiência subjetiva: contribuições da psicologia do ócio

Ieda Rhoden

Resumo


Este artigo apresenta uma revisão e síntese de conceitos oriundos da Psicologia do Lazer norte-americana e da Teoria do Ócio, desenvolvida na Espanha. Aborda o ócio como fenômeno psicossocial cujas características diferenciais podem ser percebidas pelo próprio sujeito. Distinguem-se os conceitos de estado de Ócio e experiência de Ócio, diferenciando-os em função da intensidade e profundidade da experiência e dos atributos nela implicados. Destacamos ainda, nas observações sobre os temas, as experiências de pico e de flow, encontrados em recentes estudos norte-americanos, empreendidos por investigadores que se dedicaram ao fenômeno, salientando as semelhanças entre estes fenômenos e as experiências subjetivas de ócio. Por fim, apresentam-se os principais atributos ou qualidades constituintes das experiências de ócio, quais sejam, a percepção de liberdade, significado intrínseco, desfrute, ruptura, introspecção, encontro interpessoal, desenvolvimento humano, relaxamento, desafio, auto-expressão e autorrealização. Para concluir, salienta-se a opção de circunscrever o ócio numa perspectiva humanista e positiva, privilegiando, nesta busca, a experiência subjetiva, por observarmos, a partir do percurso realizado no trajeto investigativo, que as experiências de ócio podem ser facilitadoras da promoção da saúde , qualidade de vida e do desenvolvimento pessoal e tais processos se iniciam no sujeito agente/ator de sua experiência.

Palavras-chave


atributos do ócio, desfrute, experiência subjetiva, ócio, psicologia do lazer.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia