O sujeito entre a disciplina e o controle: sobre as instituições de confinamento e os fenômenos de massa

Ricardo Salztrager

Resumo


A proposta do artigo é oferecer um confronto entre os modos de subjetivação favorecidos pela sociedade disciplinar e aqueles que o são pela sociedade de controle. Num primeiro momento, nos voltamos sobre o dinamismo da sociedade disciplinar para demonstrar que as instituições de confinamento propiciam a constituição de modos de subjetivação fortemente individualizados, porém sempre remetidos a uma norma. Tal estudo será feito a partir da investigação das conseqüências que os dispositivos de vigilância, de normalização e de exame promovem na vida subjetiva. Neste contexto, ensaios psicanalíticos como Totem e tabu e Moral sexual “civilizada” e doença nervosa moderna também servirão para a discussão das principais características dos modos de subjetivação disciplinados. Em seguida, examinamos as particularidades da sociedade de controle para demonstrar o seu favorecimento à produção de subjetividades híbridas e com forte tendência à homogeneidade. Tal exame se empreenderá mediante a constatação do relativo declínio do poder institucional na cena contemporânea e da conseqüente ascensão das inúmeras formações grupais massificantes. Assim, Psicologia das massas e análise do eu será de grande valia para os nossos propósitos na medida em que traz consigo a análise de modelos de subjetivação marcados fundamentalmente pelo hibridismo identificatório e pelo relativo silenciamento das singularidades individuais.

Palavras-chave


sujeito; sociedade disciplinar; sociedade de controle; contemporaneidade; psicanálise.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia