Subjetivação: Aproximações Possíveis entre Freud e Pessoa

Angela Di Paolo Mota

Resumo


Este trabalho tem como objetivo abordar os nossos modos humanos de ser (de subjetivação) na interface entre Literatura e Psicanálise. Para fundamentar tal opção, dois textos de Sigmund Freud foram escolhidos por se debruçarem mais detidamente sobre o tema da criação literária: trata-se do ensaio que foi traduzido como Escritores criativos e devaneio, de 1907 e O Estranho, de 1919. A interface com a Literatura recai sobre alguns trechos da obra de Fernando Pessoa, especificamente as de seu semiheterônimo Bernardo Soares, no Livro do Desassossego (edição de 2006) e, também, de seu poema intitulado Autopsicografia, de 1931. A proposta é apresentar algumas concepções freudianas e pessoanas nos pontos em que se aproximam do tema da constituição de subjetividade, especialmente no que se refere a uma alterabilidade do outro: uma proposta de transformação do outro consigo mesmo – transformação em poeta –, tema subjacente tanto aos textos freudianos quanto aos escritos pessoanos. Eis a articulação fundamentada na Psicanálise e na Literatura, campos escolhidos para dialogarem no presente texto.

Palavras-chave


Psicanálise, Literatura, Subjetividade, Alteridade, Linguagem.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia