Mulheres Heterossexuais em Relacionamento Estável: Limites do Aconselhamento em DST/HIV/AIDS

Tamara Queiroz Costa Silva, Ana Maria Szapiro

Resumo


Diante do quadro mais geral de feminização da epidemia de Aids no Brasil, com o aumento de casos em mulheres heterossexuais em relacionamento estável este artigo analisa questões ligadas à não adoção de comportamento preventivo, neste grupo. Considera-se que a não adoção aponta uma dificuldade de negociar o preservativo, dificuldade que embora possa estar relacionada a valores como fidelidade e confiança, os extrapola. De modo a examinar as dificuldades quanto aos modos de prevenção nesta população em particular, foram realizadas entrevistas com cinco mulheres que se dirigiram a um Centro de Testagem e Aconselhamento em DST/HIV/AIDS para o reteste do anti-HIV, grupo onde, pela demanda de reteste, identificava-se dificuldades quanto à adoção do preservativo. Analisando o discurso das entrevistadas evidenciou-se um conflito entre a recomendação de uso do preservativo como prevenção à doença e valores de ordem subjetiva e cultural, como pacto de fidelidade presente em todas as formas de conjugalidade. Tais valores se situam, segundo os relatos, além das recomendações que as entrevistadas haviam recebido sobre a prevenção à doença.

Palavras-chave


hiv, aids, conjugalidade, fidelidade, risco

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.15.3.350-361

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia