Considerações sobre a Repetição no Idoso com Alzheimer: Uma Perspectiva Psicanalítica

Sylvana Cardoso, Orestes Diniz Neto

Resumo


O artigo propõe articular o fenômeno da repetição, em uma perspectiva psicanalítica, ao discurso repetitivo característico dos pacientes com doença de Alzheimer (DA), considerando os correlatos neurocognitivos desse processo. Trata-se de um estudo teórico exploratório. Metodologicamente, realizou-se uma busca de artigos nas bases de dados PsycINFO (APA), SciELO e PePSIC com os seguintes descritores: Alzheimer e Psicanálise; Alzheimer e Psicodinâmica; Alzheimer e repetição à compulsão; e também em inglês (Alzheimer and psychoanalysis; Alzheimer and pychodynamic; e Alzheimer and repetition compulsion). Encontrou-se apenas sete artigos que se aproximaram do tema deste trabalho dentro dos critérios de inclusão: artigos disponibilizados na íntegra e gratuitamente na base de dados, e artigos escritos nos idiomas português ou inglês. Não foram encontrados artigos em português. Foram ainda consultadas obras consagradas da Psicanálise, especialmente da corrente teórica freudiana. Uma interlocução entre a Psicanálise e as Neurociências é proposta, a fim de considerar a relação que o sujeito estabelece com sua doença, sem com isso negligenciar os aspectos fisiológicos e cognitivos caros ao processo de demenciação na DA. Entende-se que o discurso repetitivo do idoso pode servir-lhe como uma tentativa de manutenção da identidade subjetiva ao longo do tempo. Impõe-se o desafio da sustentação de uma escuta que favoreça a preservação do sujeito demenciado nas funções socializante e libertadora da linguagem. A restrição de estudos específicos sobre o fenômeno da repetição vinculada à discussão psicanalítica sobre o envelhecimento humano foi uma limitação para este estudo. Aponta-se a necessidade de elaborações teóricas mais profundas, ancoradas em ensaios clínicos mais amplos acerca do tema.

Palavras-chave


demência de Alzheimer; psicanálise; repetição; identidade, subjetividade

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAz (Associação brasileira de Alzheimer). (Link)

Antonello, D. F. (2016). Trauma, Memória e Escrita: Uma articulação entre a literatura de testemunho e a psicanálise. Rio de Janeiro: UNIRIO/CCH.

Basset, R., & Graham, J. E. (2007). Memorabilities: Enduring relationships, memories and abilities in dementia. Ageing and Society, 27, 533-554.

Caramelli, P., & Bottino, C. M. C. (2007). Tratando os sintomas comportamentais e psicológicos da demência (SCPD). J. Bras. Psiquiatr., 56(2), 83-87.

Coelho, G. da S., & Alvim, N. A. T. (2004). A dinâmica familiar, as fases do idoso com Alzheimer e os estágios vivenciados pela família na relação do cuidado no espaço domiciliar. Rev. Bras. Enferm., 57(5), 541-4.

Coutinho, E.S.F., & Laks, J. (2012). Saúde mental do idoso no Brasil: A relevância da pesquisa epidemiológica. Cad. Saúde Pública, 28(3), 412-413.

Cullen, B., Coen, R. F, Lynch, C. A., Cunningham, C.J., Coakley, D., Robertson, I. H., & Lawlor, B. A. (2005). Repetitive behaviour in Alzheimer’s disease: Description, correlates and functions. Int J Geriatr. Psychiatry, 20, 686–693.

Cunha, J. A. (1978). Dicionário de termos de psicanálise de Freud. Porto Alegre: Editora Globo.

Derrida, J. (2002). A escritura e a diferença. São Paulo: Editora Perspectiva. (Originalmente publicado em 1967).

Finkel, S. I., Silva, J. C., Cohen, G., Miller, S., & Sartorius, N. (1996). Behavioral and psychological signs and symptoms of dementia: A consensus statement on current knowledge and implications for research and treatment. International Psychogeriatrics, 8(3), 497-500.

Freud, S. (1976). Novas Conferências Introdutórias sobre Psicanálise, XXXII: Angústia e Vida Pulsional. In Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud Edição Standard Brasileira (Vol. 22) Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1932).

Freud, S. (1987). Linhas de progresso na terapia psicanalítica. In S. Freud, Obras psicológicas completas: Edição standard brasileira. Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1919).

Freud, S. (1996a). Recordar, repetir e elaborar. In S. Freud, Obras psicológicas completas: Edição standard brasileira. Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1914).

Freud, S. (1996b). Além do princípio do prazer. In S. Freud, Obras psicológicas completas: Edição standard brasileira. Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1920).

Frota, N. A. F., Nitrini, R., Damasceno, B. P, Forlenza, O., Dias-Tosta, E., Silva, A. B., … , & Magaldi, R. M. (2011). Critérios para o diagnóstico da doença de Alzheimer. Dement Neuropsychol, 5(1), 5-10.

Garcia-Roza, L. A. (2009). Freud e o inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Grand, J. H. G., Caspar, S., & MacDonald, S. W. S. (2011). Clinical features and multidisciplinary approaches to dementia care. Journal of Multidisciplinary Healthcare, 4,125-147.

Goldfarb, D. C. (1998). Corpo, tempo e envelhecimento. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Goldfarb, D. C. (2004). Demências (Coleção Clínica Psicanalítica). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2015). Síntese de indicadores sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE.

Lemos, C. A., Hazin, l., & Falcão, J. T. R. (2012). Investigação da memória autobiográfica em idosos com Demência de Alzheimer nas fases leve e moderada. Estudos de Psicologia, 17(1), 135-144.

Moraes, E. N., & Moraes, F. L. (2010). Incapacidade cognitiva: Abordagem diagnóstica e terapêutica no idoso (Coleção Guia de bolso em Geriatria e Gerontologia). Belo Horizonte: Ed. Folium.

Moraes, E. N. (2008). Princípios básicos de Geriatria e Gerontologia. Belo Horizonte: Coopmed.

Moretto, M. L. T. (2002). O que pode um analista no hospital? São Paulo: Casa do Psicólogo.

Nasio, J. –D. (2013). Por que repetimos os mesmos erros. Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1942).

Pena, B. F. (2007). As vicissitudes da repetição. Reverso, 29(54), 83-88.

Perry, R. J., & Hodges, J.R. (1999). Attention and executive deficits in Alzheimer’s disease: A critical review. Brain (122), 383–404.

Ready, R. E., Ott, B. R., & Grace, J. (2003). Amnestic behaviour in dementia: Symptoms to assist in early detection and diagnosis. J Am Geriatr Soc, 51, 32–37.

Roudinesco, E. & Plon, M. (1998). Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Sacks, O. (1997). O homem que confundiu sua mulher com um chapéu. São Paulo: Companhia das letras. (Originalmente publicado em 1933).

Vorcaro, A. (2010) Psicanálise e método científico: o lugar do caso clínico. In F. Kyrillos Neto, & J. O. Moreira (Orgs.), Pesquisa em Psicanálise: Transmissão na universidade. Barbacena: EdUEMG.

Winograd, M., Sollero-de-Campos, F., & Drummond, C. (2008). O atendimento psicanalítico com pacientes neurológicos. Revista Mal-estar e Subjetividade, 8(1), 139-170.

World Alzheimer Report. (2015). The Global Impact of Dementia - An analysis of prevalence, incidence, cost and trends. Londres: Alzheimer’s Disease Internacional.




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.16.3.58-69

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia