Inventar um Corpo: Schreber e sua Metáfora Delirante

Carlos Eduardo Rodrigues, Júlio Eduardo de Castro

Resumo


Este artigo aborda a construção da metáfora delirante de Schreber, o surgimento do significante “mulher de Deus” e os pontos nos quais ele vivencia transformações em seu corpo por meio dos fenômenos elementares, mais especificamente suas alucinações e delírios. Pretende aí articular a evolução de seu delírio com a invenção de um corpo que possa ser gozado e que lhe permita se nomear. O corpo, segundo a psicanálise, é atravessado pela linguagem, não é o corpo biológico e, por isso mesmo, é marcado pelo significante. Na psicose, o acontecimento do corpo vem como uma resposta a algo que ultrapassa o sujeito, pois o significante aí se corporifica como gozo do Outro. Os acontecimentos de corpo na psicose são efeitos da foraclusão do Nome-do-Pai, significante que, por estar incluído fora, no máximo mantém o Imaginário fragilmente atado ao Real e ao Simbólico por meio das ‘bengalas imaginárias’. Essas são recurso de compensação à amarração borromeana aí inexistente por efeito da foraclusão. Uma vez que a imagem do corpo é o suporte da relação do sujeito com o desejo do Outro, Schreber inventa o seu corpo com a imagem feminina delirada para satisfazer a Deus. E se o delírio já é uma tentativa de cura, uma invenção de um saber (S2) que vem dar sentido ao S1, pretendemos aqui esclarecer como o delírio pode servir para inventar um corpo, que na psicose está despedaçado por efeito da foraclusão. Schreber, ao consentir o gozo do Outro na figura de Deus, fez sutura em sua realidade psíquica e inventou um corpo próprio habitável. Inventar um corpo próprio foi, portanto, o modo de Schreber fazer suplência ao Nome-do-Pai foracluído. Com isso, houve uma restituição da realidade psíquica e uma contenção do gozo do Outro por meio da imagem desse corpo transmudado em corpo de mulher, restaurando assim a imagem de si e, desse modo, estabilizando seu delírio.

Palavras-chave


psicose; foraclusão do nome-do-pai; metáfora delirante; corpo; invenção

Texto completo:

PDF/A

Referências


Alvarenga, E. (2000) Estabilizações. Revista Curinga, Belo Horizonte, 14, 18-23.

Carone, M. (1984). Da loucura de prestígio ao prestígio da loucura. In D. P. Schreber, Memórias de um doente dos nervos (pp 7-19). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Castro, J. E. (2012). Psicose: o conceito e a clínica psicanalítica. In W. Melo et al. (Orgs.), Que país é este? (pp. 143-166). Rio de Janeiro: Espaço Artaud.

Darmon, M. (1994). Ensaios sobre a topologia lacaniana. Porto Alegre: Artes Medicas.

Freud, S. (1996). Notas psicanalíticas sobre um relato autobiográfico de um caso de paranoia (Dementia Paranoides). In J. Strachey (Ed.), Edições Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 12, pp. 14-89). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1911)

Houaiss, A. (2001). Dicionário eletrônico Houaiss. Rio de Janeiro: Editora Objetiva.

Lacan, J. (1974-1975).O Seminário, 22: RSI. Inédito.

Lacan, J. (1998). Escritos. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor.

Lacan, J. (1999). O seminário, livro 5: As formações do inconsciente (1957-1958). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2002). O seminário, livro 3: As psicoses (1955-1956) (2a ed. revista). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2005). O seminário, livro 10: A angústia (1962-1963). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2007). O Seminário, 23: Osinthoma (1975-1976). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2008) O Seminário, livro 20: Mais, ainda (1972-1973). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Maleval, J-C. (1998). Lógica del delirio. Barcelona, Espanha: Ediciones del Serbal.

Maleval, J-C. (2002). La forclusión del Nombre del Padre: El concepto y su clínica. Buenos Aires, Argentina: Paidós.

Miller, J-A. (1995). A invenção do delirio (1995). In J-A. Miller et al., El saber delirante. Buenos Aires, Argentina: Paidós.

Miller, J-A. (2010). Perspectivas do seminario 23 de Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Quinet, A. (2006a). Teoria e clínica da psicose (3a ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Quinet, A. (2006b). Psicose e laço social (2a ed.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Schreber, D. P. (1984). Memórias de um doente dos nervos. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Soler, C. (2007). O inconsciente a céu aberto da psicose. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Spence, D. P. (1992). A metáfora freudiana. Rio de Janeiro: Imago Editora.

Sternick, M. V. C. (2009). Saber fazer com o real na psicose: Corpo e delírio. In M. A. C. Jorge, et al., Saber fazer com o real: Diálogos entre psicanálise e arte (pp. 265-276). Rio de Janeiro: Cia de Freud.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.16.3.70-83

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia