Os Efeitos da Contemporaneidade nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS)

Caio César Souza Camargo Próchno, Wellington Luís Cardoso Bessa

Resumo


A sociedade contemporânea é reflexo de uma série de transformações no âmbito social, político, cultural e econômico, que alteram as formas de se estabelecer laços sociais. O saber-fazer na Saúde Mental também passou por importantes e significativas transformações no Brasil, evoluindo, em definitivo, de um modelo centrado na referência hospitalar para um modelo de atenção diversificada, de base territorial comunitária, que encontra nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) uma das suas principais referências. O objetivo deste trabalho é demonstrar como a montagem desse serviço sofre os efeitos das mudanças descritas sobre o nome de pós-modernidade. O mal-estar, descrito por Freud, encontra na perspectiva contemporânea novas formas de expressão. Isso implica em novas formas de modulação do sofrimento psíquico. Nesse contexto, o corpo torna-se palco privilegiado para sustentar essas diferentes formas de apresentação do mal-estar, sendo, por vezes, capturado pelo jogo de linguagem de uma clínica neurobiológica que exclui a dimensão do sujeito, silenciando consequentemente o seu sofrimento.

Palavras-chave


saúde mental; serviços de saúde mental; assistência em saúde mental; pós-modernidade; sintomas

Texto completo:

PDF/A

Referências


Amarante, P. (2007). Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Amorim, M. (2009). Formas de saber na cultura contemporânea. In A. Szapiro (Org.), Clinica da pós-modernidade, formas de subjetivação, de violência e de dessimbolização (pp. 09-18). Rio de Janeiro: Bapera.

Askofar, S. (2009). Da subjetividade contemporânea. Revista A peste, 1(1), 165-175.

Beck, U. (2011). Sociedade de risco: Rumo a uma outra modernidade (S. Nascimento, Trad.). São Paulo: Editora 34.

Birman, J. (2003a). Mal-estar na atualidade: A psicanálise e as novas formas de subjetivação (4a ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Birman, J. (2003b). Corpos e Formas de subjetivação em Psicanálise. Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro.

Birman, J. (2012). O sujeito na contemporaneidade: Espaço, dor e desalento na atualidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Campos, R. O. (2001). Clínica: A palavra negada – sobre as práticas clínicas nos serviços substitutivos de Saúde Mental. Revista Saúde em Debate, 25(58), 98-111.

Delgado, P. G. (1999). A atenção psicossocial na metrópole: Algumas questões iniciais. Cadernos IPUB, (14).

Delgado, P. G. (2007). Política nacional de saúde mental: O contexto decisivo do pacto pela saúde. Jornal do CONASSEMS, (8). 8-9.

Dunker, C. I. L. (2004). Formas de apresentação do sofrimento psíquico: Alguns tipos clínicos no Brasil contemporâneo. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 4(1), 94-111.

Dunker, C. I. L. (2011). Mal-estar, sofrimento e sintoma. Revista Tempo Social, 23(1), 115-136.

Foucault, M. (1977). Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Vozes.

Goldberg, J. (2001). Reabilitação como processo - O centro de Atenção Psicossocial - CAPS. In A. Pitta (Org.), Reabilitação Psicossocial no Brasil (pp. 33-47). São Paulo: Hucitec.

Guattari, F. (1992). Da produção da subjetividade. Caosmose: Um novo paradigma estético. São Paulo: Ed. 34.

Hall, S. (2000). A identidade cultural da pós-modernidade. São Paulo: DP&A.

Han, B. (2015) Sociedade do Cansaço (E. P. Gianchini, Trad). Petrópolis:Vozes.

Lacan, J. (1998). Escritos: A ciência e a verdade (1965-66). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lei no 10.216, de 6 de abril de 2001. (2001). Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em Saúde Mental. (Link)

Lipovetsky, G. (2006). A era do vazio: Ensaios sobre o individualismo contemporâneo. São Paulo: Manole.

Lipovetsky, G. (2007). Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla.

Lyotard, F. J. (2013). A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio.

Ministério da Saúde do Brasil. (2005). Saúde mental no SUS: Informativo de saúde mental. (Link)

Ministério da Saúde do Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas (2004). Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde.

Nicolaci-Da-Costa, A. M. (2004). A passagem interna da modernidade para a pós- modernidade. Revista Psicologia: Ciência e Profissão, 24(1), 82-93. (Link)

Pereira, W. C. C. (s/d). Clínica transdisciplinar: Há novos sujeitos, novos sintomas, uma nova clínica? (Link)

Ramos, F. (2009). Clínica, pluralidade e dialética: os desafios da psiquiatria contemporânea. In A. Szapiro (Org), Clínica da pós-modernidade, formas de subjetivação, de violência e de dessimbolização (pp. 93-106). Rio de Janeiro: Bapera.

Revel, J. (2005). Foucault: Conceitos Essenciais. São Carlos: Claraluz.

Saraceno, B. (2001). Libertando identidades: Da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Rio de Janeiro: Te Corá.

Silva, A. C., Cardoso, A. Ferreira, M. E. J., & Oliveira, V. M. (2006). Os limites da Reforma Psiquiátrica. Jornal do Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro, 2(10).

Spink, M. J. (2001). Trópicos do discurso sobre o risco: Risco aventura como metáfora na modernidade tardia. Cadernos de Saúde Pública, 17, 1277-1311. (Link)

Veras, M. F. A. S. (2009). A Loucura Entre Nós: Teoria Lacaniana das Psicoses e a Saúde Mental. Tese de Doutorado em Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Vieira, E. D., & Stengel, M. (2012). Ambiguidades e fragilidades nas relações amorosas na Pós-Modernidade. Itinerarius Reflectionis, 2, 01-19. (Link)




DOI: https://doi.org/10.5020/23590777.16.3.21-33

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia