A Arte Urbana e seus Efeitos nos Processos de Subjetivação: Uma Revisão Bibliográfica no Campo da Psicologia

Autores

  • Ana Maria Rolim Sodré Fadergs
  • Lílian Weber

DOI:

https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i2.5454

Palavras-chave:

psicologia, arte, subjetividade, arte urbana, grafite

Resumo

Na contemporaneidade, equipes multidisciplinares têm pensado em formas de reinventar as cidades para os cidadãos, transformando os espaços em lugares onde ocorram entrelaçamento social e humanização dos sujeitos. Assim, o espaço urbano tornou-se foco de intervenções, dentre elas a arte, que sai de museus e ganha as ruas. A arte urbana configura-se como uma prática social que envolve aspectos estéticos e significados sociais, afetando o cotidiano vivido pelos moradores das grandes cidades. Os efeitos da arte urbana nos processos de subjetivação constituem o pano de fundo deste artigo, que tem como objetivo analisar a produção acadêmica que articula arte urbana e psicologia. Para tanto, foi realizada uma revisão sistemática da literatura em artigos, publicados nas bases de dados PePsic e Scielo, no período de 2006 a 2015. Poucas foram as publicações encontradas relacionando arte urbana e psicologia. A relação da psicologia com a arte, conforme indicam as publicações do período, está atrelada à esfera terapêutico-clínica e à relação artista-obra. A relação de afetação naqueles que contemplam a obra é pouco explorada no campo da psicologia. Pensar nessa afetação, em particular na esfera pública, traria contribuições para desenvolver intervenções coletivas incidindo nos processos de subjetivação. Observa-se a existência de uma lacuna nesse campo do saber, sendo indicado o desenvolvimento de investigações acerca da interrelação da psicologia com a arte por seus efeitos na (re)invenção dos sujeitos e na produção de modos de vida.

Biografia do Autor

Lílian Weber

Psicóloga. Doutora e mestre em Administração com ênfase em Gestão de Pessoas (PPGA/UFRGS), na linha de pesquisa: Trabalho, Gestão e Subjetividade. Especialista em Saúde Coletiva (Residência Integrada Escola Saúde Pública/RS). Interesse e atuação em Psicologia do Trabalho, Orientação Profissional e Planejamento de Carreira.

Referências

Antunes, B. (2011). Jan Gehl fala sobre cidades e escala humana. Revista de Arquitetura e Urbanismo Disponível em:

http://au.pini.com.br/arquitetura-urbanismo/215/jan-gehl-fala-sobre-cidades-e-escala-humana-250160-1.aspx Acesso em: 10/10/2015

Aragão, S. R. (2004). A Arte Como Expressão de Sentimentos e Catarse Emocional nos Processos Terapêuticos. Obvious. Disponível em:

http://obviousmag.org/transmutacao_psicologica_do_ser_e_alquimia_da_vida/2015/04/a-arte-como-expressao-de-sentimentos-e-catarse-emocional-nos-processos-terapeuticos.html Acessado em 04/12/2015.

Bachelard, G. (2008). A poética do Espaço. (2ª Ed.) São Paulo: Martins Fontes.

Carlos, A. F. A. (2007). O Espaço Urbano: Novos Escritos sobre a Cidade. São Paulo: FFLCH.

Coli, J. (1995). O que é arte. (15ª Ed.). São Paulo: Editora Brasiliense.

Creswell, J. W. (2010) Projeto de Pesquisa Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto. Porto Alegre: Artmed.

Debord, G. (2003). A Sociedade do Espetáculo. Editorações, tradução do prefácio e versão para eBook e BooksBrasil.com

Deleuze, G.; Guatarri, F. (2007) O que é a Filosofia? (5a. Reimpressão) Rio de Janeiro: Ed. 34.

Itaú. Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Plásticas. Intervenção Urbana (s/d.). Disponível em:http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo8882/intervencao. Acessado em 23/04/2016

Ferreira, M. A. (2011) Arte Urbana no Brasil: expressões da diversidade contemporânea São Paulo: Universidade Nove de Julho.

Fischer, E. (1976). A necessidade da arte. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Gomes, I. S.; Caminha, I. O. (2014). Guia para estudos de revisão sistemática: uma opção metodológica para as ciências do movimento humano. Movimento, Porto Alegre, v.20, n.01, p.395-411.

Gonçalves, G. A. (2007). Inscrições urbanas: uma cartografia dos processos de subjetivação envolvidos no graffiti. Belo Horizonte.

Guattari, F. (1992). Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Ed. 34.

Guattari, F.; Rolnik, S. (1999). Micropolítica: Cartografias do Desejo. Petrópolis: Vozes.

Jacobs, J. (2009). Morte e vida de grandes cidades. (2a. Ed.) São Paulo: Martins Fontes.

Lyotard, J.F. (1990). O Inumano: considerações sobre o tempo. Lisboa: Estampa.

Marzadro, F. (2013). Espaço público arte urbana e inclusão social. Revista NAU Social. p. 169 - 183.

Disponível em: http://www.periodicos.adm.ufba.br/index.php/rs/article/viewFile/302/249. Acessado em 01/03/2016

Ostrower, F. (1995). Acasos e criação artística. (2 ª ed.) Rio de Janeiro: Campus.

Peixoto, N. B. (1993). Intervenções Urbanas. Campinas: UNICAMP Periódico. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638237Acessado em 23/04/2016

Pelbart. P.P. (1993). A Nau Do Tempo-rei: sete ensaios sobre o tempo da loucura. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

Pol, E. (1992). Seis reflexiones sobre los procesos psicologicos en el uso, organizacion y evaluacion del espacio. In: Amérigo, M.; Aragonés, J.I. &. Corraliza, J. (Orgs.), El comportamiento en el medio natural y construido. Badajoz, Orellana: Junta de Extremadura. p. 121 -133.

Porto-Gonçalvez, C. W. (2012). A globalização da natureza e a natureza da globalização. (3ª. Ed.) Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Quintana, M. (2005). Mario Quintana. Organizado por Tânia Franco Carvalhal. Rio de Janeiro: Nova Aguilar.

Reifschneider, E. (2015). Arte em espaços não convencionais: grafite como força motriz da apropriação do espaço público urbano. Disponível em:

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/polemica/article/view/19352/14125. Acessado em 22/05/2016

Ribeiro, M. T. F. (2009). Introdução. In: RIBEIRO, M.T.F. and MILANI, CRS., (orgs.) Compreendendo a complexidade socioespacial contemporânea: o território como categoria de diálogo interdisciplinar [online]. Salvador: EDUFBA.

Sant’Anna, D. B. (2005). Corpos de Passagem: ensaios sobre a subjetividade contemporânea. São Paulo, Estação Liberdade.

Santos, C. N. F. (coord.). (1981). Quando a rua vira casa, A apropriação de espaços de uso coletivo em um centro de bairro. (2a. Ed.) Rio de Janeiro.

Schuch, E. M. M.; AXT, M.; TAROUCO, L. M. R. (2003). Linhas de Fuga no processo artístico com a tecnologia digital, Porto Alegre. CINTED UFRGS. Disponível em:

http://www.ufrgs.br/lelic/files_gerenciador_de_arquivos/artigo/2003/56/1373914315nao_marcado_linhas_de_fuga_no_processo_artistico_com_a_tecnologia_digital.pdf Acessado em 23/03/2016

Silva, A. (2014). Cidade para Pessoas: como Natália Garcia inventou uma empresa a partir de uma causa. Disponível em: http://projetodraft.com/cidade-para-pessoas/ . Acessado em 01/12/2015

Stubs, R.; Teixeira Filho, F. S.; Peres, W. S. (2014). A potência do cyborg no agenciamento de modos de subjetivação pós-identitários: conexões parciais entre arte, psicologia e gênero. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922014000300785 Acessado em 23/04/ 2016

Tardivo, R. C. (2012). Uma perspectiva poética-crítica em psicologia da arte, Revista Psicologia Política. São Paulo. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2012000100011

Weber, L. (2012). PRODUZIR(-nos) ponto COM: A constituição do coletivo “Rede Humaniza SUS” e a produção cooperativa.UFRGS – Tese de Doutorado, Escola de Administração.

Weitz, M. (1956) O papel da teoria na estética. Artigo originalmente publicado em The Journal of Aesthetics and Art Criticism, XV, 27-35. Disponível em: http://criticanarede.com/fil_teoriaestetica.html Acessado em: 02/04/2016

Zanchet, L. Et alli. (2015). Outros Receituário Mais que Especial: uma intervenção urbana para pensar arte e pesquisa no contexto da Reforma Psiquiátrica. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832015000401039&script=sci_abstract&tlng=pt

Downloads

Publicado

15.12.2017

Edição

Seção

Estudos Teóricos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)